Eliminar taxas moderadoras – O que fazer a José Sócrates?

O governo “socialista” de José Sócrates acaba de consumar mais um acto de injustiça social, como é reconhecido por António Arnaut, co-fundador do Partido Socialista, em 1973, a quem é atribuída  a criação do SNS – Serviço Nacional de Saúde.

Através de portaria do Ministério da Saúde, a partir de 1 de Janeiro de 2011, os desempregados e pensionistas com rendimentos superiores a 485 euros, incluindo os rendimentos de juros de poupanças, elevadas ou limitadas, depositadas a prazo, perdem o direito ao benefício de taxas moderadoras. Portanto, terão aumentados os gastos em medicamentos e serviços médicos prestados no âmbito do SNS.

Segundo o jornal Público, cerca de 60 mil desempregados beneficiam de subsídio superior a 685 euros.  Todos estes serão, portanto, alvo da injusta medida. Todavia, o número de vítimas é significativamente ampliado por outros desempregados e, em especial, pela população de pensionistas. É conveniente lembrar que, entre estes últimos, existem inúmeros doentes crónicos com dificuldades financeiras que, a despeito das taxas moderadoras de que beneficiavam, já se confrontavam com avultadas despesas regulares em medicamentos. Segundo testemunho, ao alcance de qualquer cidadão,  é comum assistir em farmácias ao lamento de quem não dispõe de dinheiro para a totalidade da receita: “Uma vez que só tenho 20 euros, quais os medicamentos da receita que acha indispensáveis comprar?”. Enfim, histórias tristes de uma pobreza que, em vez de ser combatida, se expande.

O Partido Socialista tem de agir séria e rapidamente na mudança de rumo. E naturalmente de líder. Afastem Sócrates! De resto, ele estará sempre salvaguardado da penúria. Talvez, até com um lugar na PT ou noutro império empresarial, a quem o sinuoso “socialista” concedeu o benefício de isenção de imposto de mais-valias sobre avultadas verbas de operações de capital. Uma imoralidade inqualificável.

António Arnaut e outros socialistas dignos do ideário puro do PS não se podem quedar por queixumes. Lanço-lhes aqui um repto:  Mudem de líder, se quiserem mudar de políticas e defender o Estado Social.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.