Novas oportunidades – III

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         -Não gostas de ler nem escrever? A matemática aborrece-te? A escola é uma seca? Os professores são chatos? Vai mas é dar uns pontapés na bola, descobre o Ronaldo que há em ti, ainda recebes equivalência ao 9º ano sem teres a maçada de estudar ou ires às aulas….

Comments


  1. Em Portugal só têm oportunidades os estrangeiros marginais que aqui entraram para receber o rendimento mínimo;
    As novas oportunidades para os portugueses são a falsa-cultura e educação promovidos artificialmente a alunos, por razões de propaganda política cínica. Uma vergonha.
    O governo deveria ter vergonha de ter lançado estes programas fingidos e mascarados de saber, porque na realidade são uma montanha de escrementos culturais e desperdício de bens financeiros. Um projecto e obra de fachada, na educação que não educou ninguém.


    • Sou insuspeito de pactuar com a marginalidade, várias vezes defendi o reforço da autoridade das forças policiais, dotação de meios e equipamentos aos que zelam pelo bem estar e segurança dos cidadãos. Mas não confundo estrangeiros com marginais, sim, é certo que temos aí alguns mafiosos oriundos de países de Leste, África ou Brasil, mas esses não frequentam cursos à custa do contribuinte, eventualmente ministram formação a muito português que também vive à margem da lei e com eles aprende. Experimente tentar contratar uma empregada, ou empresa de limpeza, e exija nacionalidade portuguesa, vai ver o que consegue. Mesmo qualificados, como técnicos instaladores de gás, tive o infortúnio de mudar de casa em Agosto, não fora conseguir encontrar uma firma de ucranianos, eram apenas, 2, provavelmente até engenheiros, mas aqui já estou a especular, e bem que poderia ter adiado a mudança para Setembro, com todos os custos inerentes, porque as firmas que contactei, invariavelmente me responderam, “sabe, é Agosto, está tudo de férias”… Concordo que as novas oportunidades são uma fachada, mas não por culpa dos imigrantes… São mesmo alguns cábulas, todos conhecemos alguns quando passámos pelas escolas…

  2. Ricardo Santos Pinto says:

    O vitorcenturioalmeida pensa que os « estrangeiros marginais que aqui entraram» recebem o rendimento mínimo, mas o vitorcenturioalmeida não se lembra dos Bancos, que recebem todos os anos o Rendimento Máximo. Não parece que isso interesse ao vitorcenturioalmeida . É bom atacar os pobres e deixar os ricos em paz, não é, ó vitorcenturioalmeida?
    Um «escremento», diz a este propósito o vitorcenturioalmeida. Escremento com S, reparem. Pela fluência da prosa, deve ser um filho dilecto das Novas Oportunidades.


    • Não defendo que a U.E. abra completamente portas à imigração, como os EUA também não o podem fazer, seria impossível até em período de expansão económica absorver todos os que tentam entrar. Daí a culpar os que trabalham honestamente e que penso, sejam a esmagadora maioria, vai uma enorme distância. Obviamente que defendo a sanção de expulsão após cumprimento de pena a todos os criminosos, como defendo a prisão dos criminosos portugueses, não é uma questão de nacionalidade mas de comportamento. Será assim tão difícil perceber? Com a actual situação económica portuguesa, como ficaríamos se por um passe de mágica, expulsássemos todos os imigrantes, mas em troca tivéssemos de receber os milhões de portugueses espalhados pelo mundo? Teríamos capacidade? Seríamos nós quem sairia a ganhar? Não me parece… A xenofobia, o racismo, nunca criaram desenvolvimento…


    • É preciso que não se confundam as coisas:
      Os portugueses ainda hoje são bem vistos em França, para onde emigraram nos anos 1960-70; Os estrangeiros eufemisticamente chamados de imigrantes quando são postos em liberdade têm o rendimento mínimo à espera deles, porque não querem regressar às favelas.
      Os portugueses marginais quando são soltos das prisões não têm esse direito.
      Este sucialismo hipócrita é racista contra os portugueses;
      Não se trata de serem pobres ou não pobres, porque se os presos portugueses são entregues às famílias, essas famílias deveriam ser ajudadas na sua intgração; primeiro nós, porque se não nos defendemos a nós mesmos, quem nos defende? a Senhora ou o Senhor com o seu pedantismo?!


  3. Sabem qual foi a primeira certificação das Novas Oportunidades?

    http://supraciliar.blogspot.com/2011/05/anedotario-6.html