Eu, penitente pelo impostor Obama

Obama e sua mulher, Michelle, dedicaram esta semana a um périplo pela Europa. Convencido, mas não convincente, o presidente americano assevera que o mundo actual continuará a obedecer à liderança dos EUA e seus aliados europeus; isto, a despeito da China e Índia se revelarem duas potências económicas pujantes e de crescente domínio global, na companhia de outros ‘BRICS’.

Eu, ao ter publicado no ‘Aventar’ este ‘post’, sou compelido a declarar-me penitente pelo impostor Obama que, no vídeo a seguir exibido, recebeu a humilhação merecida de sua majestade a rainha Elizabeth II:

Obama teve o castigo devido, da imoral e decrépita realeza britânica; acerca da qual, de resto, me dispenso de fazer comentários.

Obama é, pois, mais uma das muitíssimas figuras políticas que me desiludiram. Não apenas a mim. Também a muitos mais, como a minha ex-companheira do ‘Aventar’, Carla Romualdo, que afirma: “em tempos recentes acreditei neste gajo”.

Do filme-documentário ‘Inside Job’, já tinha tido sinais de desencanto. Agora, com esta cerimónia no Buckingham Palace, humilhado por gente que sempre viveu à grande da crendice no ideal monárquico, fiquei definitivamente convencido. Neste caso, sim, Obama foi convincente e eu transformei-me em penitente.