Admite o governo construir o ruinoso TGV?

-Também eu gostaria de ver clarificada a posição do actual governo face ao desastroso projecto de investimento no TGV. Terá Álvaro Santos Pereira assumido uma vez mais uma posição de subserviência do interesse nacional face a Espanha, ou terão existido pressões da Alemanha e França, interessadas que estão na venda da tecnologia, que permitirá reforçar as suas exportações e criar postos de trabalho lá, enquanto aumenta o endividamento cá, com a consequente subida na taxa de desemprego? Explique-se o sr. Ministro, ou se for politicamente incapaz, por ele o senhor Primeiro-Ministro!

Comments


  1. Mas que gente sem palavra e sem vergonha!


  2. Estádios (ex: Leiria, Algarve, etc), transportes (ex: TGV) de luxo… mas não rentáveis… alguém lucra com a construção… o contribuinte que pague a factura.

    Democracia verdadeira, já!

    Leia-se: DIREITO AO VETO de quem paga (vulgo contribuinte):
    – blog fim-da-cidadania-infantil.
    {um ex: a nacionalização do negócio ‘madoffiano’ BPN nunca se realizaria: seria vetada pelo contribuinte!}

  3. Vergueiro says:

    O mais engraçado é que agora fala-se numa comissão para avaliar o eixo ferroviário entre Portugal e Espanha.
    Bom eu explico o porquê.
    No tempo do apelidado pela media capital, Mentiroso Sócrates, havia um projecto de TGV Lisboa Madrid e uma linha de mercadorias Sines-Madrid, ao lado.
    Agora, depois de estudar o processo e perceber que o transporte de mercadorias entre Sines e Espanha pode ser uma boa fonte de rendimentos, dinheiro em caixa, já perceberam que têm de a fazer. Isto porque está provado que fica mais barato os navios atracarem no porto de Sines e os contentores serem transportados por via férrea para a Europa.
    Mas como o PSD agora não pode contradizer-se, então cria-se uma comissão que vai servir para dizer “Bom após uma análise exaustiva e ligeiras(nulas mas enfim) alterações ao projecto, este ficou 5estrelas e vai-se concretizar”. Tretas.
    Mas como Madrid já disse: se queres as mercadorias vais ter de fazer o TGV… A mesma comissão, vai fazer umas ligeiras alterações ao projecto TGV (aquelas alterações de cosmética) e dizer que agora sim o projecto é a melhor coisa do mundo e vai-se concretizar.
    Não podia ser de outra forma, a Alemanha e França querem vender tecnologia, e o TGV só é rentável para grandes distâncias e ligado entre grandes concentrações urbanas… logo se terminasse em Madrid era a ruína do TGV ibérico…
    Mas a mim não me aquece nem arrefece, o que interessa é que o povo esteja feliz. Se mudar o primeiro ministro transforma o que antes era mau em bom, então mude-se todos os meses. Quando não houver cheta, há chupeta!!! 🙂


  4. Snr Almeida obrigado pelo convite..Portugal apostou erradamente na RODÒVIA em vez de ter renovado as linhas férreas.como tem feito todos os paises do Mundo salvo erro.Já expliquei em vários comentários,que a LINHA DO ORIENTE,TGV para velocidades na ordem dos 250km/h,pode ser feita em via única,aproveitando as linhas ,até Vila Viçoza.Com travessas de betão e eletrificadas.Não e precisa a linha Evora Elvas 92km.Da estação de Estremoz uma linha reta ao Caia uns 50km.Não é precisa nova ponte,pois a 25 de Abril dará resposta a passageiros.Com carruagens de dois pisos ,os combóios em circulação serão metade,assim como pessoal de trens.A CP começa a ter lucro.Os mercadorias em dopla tração,podem circular de Sines ao Caia a 100km/h.A estação de Pinhal Novo ,Era o CENTRO FERROVIÀRIO DO SUL…

  5. Maquiavel says:

    O Vergueiro esclareceu. E au ajudo. Ide ver a:
    http://ec.europa.eu/transport/infrastructure/revision-t_en.htm
    A maior parte destes projectos foi aprovado há mais de 10 anos e daí que o PSD inicialmente falasse nas míticas 5 linhas de alta velocidade (LAV).

    Portugal aqui faz o que lhe mandam, porque é toda a UE que sai beneficiada. Se fossem espertos, os governantes portugueses apresentariam este projecto (ferrovia Sines-Badajoz com seguimento por Valladolid-Irun para a Europa) logo desde 2003 como “contribuiçäo portuguesa para a construçäo europeia”, ganhando prestígio internacional entre os cidadäos comuns da UE. Esses querem é produtos mais rapidamente nas lojas e mais baratos. Fosse isso feito seríamos agora näo seríamos vistos pela Europa como “calöes”… ou pelo menos podíamos mandá-los a um certo sítio.

    Nota: näo digam “TGV”, digam “comboio de alta velocidade”, CAV.
    “TGV” é uma marca de CAV, também näo se chama “BMW” às AEs, pois näo?

    Maurício, tens boas intençöes mas estás errado. Explico:
    1 – o CAV näo pode seguir por via única por razöes de segurança. Os espanhóis (porque o CAV será deles, para näo variar, o Estado näo dá dinheiro à CP para comprar nem um Alfa Pendular, prefere queimar nas Estradas de Portugal) näo querem uma colisäo frontal de dois CAVs nem abaixo de 1km/h, quanto mais acima de 100km/h!!!
    2 – a linha Évora-Estremoz foi arrancada, e a linha que atravessava o centro de Estremoz é agora uma Avenida. Espertos. Agora faräo o prolongamento de Évora a Elvas a direito, e Estremoz fica a ver os comboios passar… ao longe! De certo modo, é bem feito, se o povo é burro há que pagar por isso.
    3 – a linha até Évora foi modernizada para 250km/h há dois anos, näo pelos lindos olhos dos eborenses, mas porque faz parte da “tal” linha preferencialmente de mercadorias Sines-Poceiräo-Évora-Badajoz(-Valladolid-Irun) em bitola ibérica. O CAV espanhol bi-bitola pode aí circular, com mudança de bitola na fronteira, como estes http://es.wikipedia.org/wiki/Alvia, mas isso é soluçäo temporária.
    4 – Estariam na mesma linha ibérica os IC Lisboa-Évora, os suburbanos para Setúbal, os enormes e lentos comboios de mercadorias de Sines, e teríamos a mesma situaçäo do Alfa Pendular que em teoria pode dar 220km/h mas com todo o tráfego à frente quase nunca passa dos 160km/h.
    5 – Mesmo se a LAV fosse só até ao Poceiräo e tivesse aí o cambiador de bitola, o Alvia indo pela 25 de Abril apanhava na mesma linha os IC para Évora e Algarve e os suburbanos. Possível, mas sempre temporário, porque no fim de contas, os Alvia só däo 250km/h, o que torna a viagem Madrid-Lisboa longa demais para competir com o aviäo, que é o que UE quer. E a questäo fulcral aqui é mesmo o tempo de viagem. O governo que arranje maneira de fazer uma LAV a passar o Tejo, ou nova ponte ferroviária, ou tire os carros das duas faixas centrais da Vasco da Gama e meta lá o CAV…

    O interesse da LAV Lisboa-Madrid é substituir o aviäo, como aconteceu com as LAV Madrid-Barcelona, Paris-Bruxelas, Paris-Londres, Bruxelas-Londres. E isso só com CAV a >300km/h.
    Dos que andam em Espanha, sei que os Siemens Velaro (os ICE alemäes) säo uma maravilha de conforto. Os Talgo 102 (“Pato”) näo conheço, mas também devem ser espaçosos. Nos TGV-R sinto-me mais apertado relativamente ao Velaro, mas compreende-se, porque o TGV-R foram desenhados há 30 anos, e estäo a ser substituídos pelos TGV Duplex (e no fututo, pelo AGV).

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: