Como pagar as ex-scut sem comprar a via verde?

Um amigo que vai viajar pediu-me um favor: que lhe pagasse uma passagem numa ex-scut por se encontrar esse meu amigo ausente do país.

Eu conto. Informado de que tem cinco dias úteis após a passagem na ex-scut para proceder ao pagamento e efectuando a viagem precisamente para apanhar um avião para outro país onde permanecerá uma semana, o meu amigo dirigiu-se a uma estação de Correios – cuja fila de espera, entretanto, aumentou substancialmente – para tentar pagar antes da utilização da viagem, já que depois lhe seria impossível. Não pode. Ou seja, pode, mas tem que comprar um dispositivo que custa 27,5 €, além de ser obrigado a fazer um carregamento suplementar de 10€. Não viajando o número de vezes suficiente para justificar a compra e não querendo comprar um dispositivo de via verde, o meu amigo viu-se na situação de me pedir um favor que me vai causar o incómodo de satisfazer burocracias inúteis. Vá lá que tem amigos a quem pedir. Porque podia não ter e, nesse caso, ou era roubado por ser obrigado a comprar algo que não se justifica, ou teria que partir de véspera por estradas alternativas para apanhar um simples avião.

Comments

  1. Zuruspa says:

    Dos países civilizados do Norte diz-se que “as pessoas säo frias e distantes” e que “näo há amizade como aqui no Sul”. Porque basicamente, eles näo precisam dos amigos/família para sobreviver! Lá nesses países, em vez de mariquices pseudo-tecnológicas caríssimas (dispositivos electrónicos+”portais” nas ex-SCUT), compra-se um dístico, por 1 mês, 3 meses, ou 1 ano, e está a andar. Eles recorrem aos amigos é em casos sérios.

    Ai e tal entäo mas e se o pessoal näo o compra? Problema deles. Nesses países a Polícia EXISTE e FISCALIZA o tränsito! Pasme-se! O meu tio alugou carro na Chéquia e seguia pela mesma AE quando, já na Eslováquia, é logo parado pela Polícia por lhe faltar o dístico. Ele näo sabia que era necessário, tudo bem. O único reparo que levou foi “E olhe que está com sorte! Se isto acontecesse na Áustria [o destino seguinte] a multa era 3 vezes mais!”. Pronto, lá pagou a multa, e seguiu, e assim que chegou à Áustria, novo dístico.

  2. Observador says:

    Pela minha experiência a norte.

    Em teoria, pode pagar nos CTT ou postos “Pay Shop”, nos 5 dias posteriores à passagem nos pórticos. Digo em teoria porque, num caso em que me apresentei nos CTT 24h após passagem, estes ainda não tinham registos a pagar. Nestes casos há que pedir declaração ao balcão de como esteve presente para pagar as portagens da viatura x e que se viu impossibilitado pelo facto de as mesmas não constarem nos registos. Caso o funcionário recuse tal declaração, há sempre o recurso ao Livro de Reclamações para registar o facto.
    Este processo de cobranças é do mais burlesco que já vi. Começa logo pelas isenções. Só tem isenção quem cumprir os requisitos para tal (tudo bem), mas tem que ter o descodificador da Via Verde. O que no meu caso só foi conseguido três meses após várias tentativas para o conseguir. Ou seja, três meses a pagar portagens que por lei estaria isento.

  3. Tiro ao Alvo says:

    Essa malta que inventou este sistema de cobrança de portagens sem possibilidade de pagamento em numerário, no momento em que as auto-estradas são utilizadas e que, ainda por cima, deixa passar de borla todas as viaturas com matrícula estrangeira, parece que não estava bem da cabeça. Pior: ainda se andaram a gabar que esse era um dos melhores sistemas inventados para o efeito, e que iam comercializa-lo para Espanha, pelo menos. E ninguém lhes foi às fuças…
    Eu, que não quero ser exagerado, acho que essa gente devia ser castigada, como o tal dr. Campos à cabeça, e o defunto ministro da economia e transportes (o tal que se dizia ser professor universitário) logo atrás, com umas grandes orelhas de burro.
    Mas, no fim disto tudo, com o afastamento de muitos turistas espanhóis, quer da Galiza, quer, agora, no Algarve, quem se vai lixar somos nós todos – eles andam por aí calmamente, alguns armados em inteligentes…

  4. Carlos II says:

    Esta forma de cobrar nos CTT está profundamente errada, uma vez que exige perda de tempo e custos com deslocações que, está-se mesmo a ver, em nada ajudam a melhorar a produtividade do nosso País. Nem me parece que os custos administrativos que cobram a mais compensem efectivamente os gastos.
    O sistema deveria ser ao contrário: quem pagasse pela via verde, deveria ter desconto, uma vez que as empresas concessionárias ganham muito com essa forma de cobrança.
    Quem não entende isto?


  5. ou então compra uma caçadeira e a viagem fica de borla.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.