Procura-se Francisco José Viegas por crimes contra a Humanidade

Por ironia do destino, Francisco José Viegas nasceu no Pocinho, terra onde termina uma das mais belas linhas ferroviárias do nosso país, a Linha do Douro. O Pocinho fica no concelho de Vila Nova de Foz Côa, local onde há uns anos se conseguiu impedir a construção de uma Barragem que iria submergir um extenso conjunto de gravuras rupestres do período Paleolítico.
Alguns anos depois, Francisco José Viegas, que não se comove com essas coisas, prepara-se para ser o coveiro de uma das mais belas regiões do país, o Vale do Tua, e seguramente da mais bela linha ferroviária de Portugal e da única ligação que ainda permanece ao serviço das populações de Trás-os-Montes. Pelo meio, ainda será capaz de destruir a classificação do Douro como Património da Humanidade.
Aliás, a estratégia dos últimos dias parece ser essa. Ameaça-se com a perda da classificação do Douro, para, no final, garantir a continuidade da mesma e, como estava planeado, destruir o Vale e a Linha do Tua.
É por esta decisão que Francisco José Viegas ficará para a História. Não por ter sido um escritor, não por ter sido um Homem de cultura, mas por ter sido o criminoso responsável por este atentado contra a Humanidade.
Infelizmente para Francisco José Viegas, aqui não cola o endereçar de culpas à ministra Canavilhas, essoutra terrorista cultural e ambiental da política portuguesa. Viegas está no Governo há meio ano e já teve tempo mais do que suficiente para suspender a construção da Barragem e para iniciar o processo de classificação do Vale do Tua e da sua linha ferroviária. Se não o fez, foi porque não quis.
Lamentavelmente, preferiu defender os interesses de uma empresa privada, a EDP, não sei com que obscuros interesses, em vez de defender o Património de Portugal. A escolha foi sua.

,

Comments


  1. Encontra-se com facilidade em Lisboa… a olhar para os prédios altos, maravilhados com as lampadinhas, os carros a fazer bruummm e as badalhocas a cheirar a chanel 5 …

    perdeu.se.. perdeu o controle e já não sabe de onde é..já deve responder … de Cascais.. com vergonha das suas origens e do seu passado

    mais um que curiosamente foi eleito deputado por Trás os montes ..só durante uma semana e depois foi a podridão abadonando e traindo quem orgulhosamente nele confiou e votou

    ainda há pouco escrevia

    Francisco José Viegas … antes de ser Secretario de Estado da Cultura
    Ler – Livros & Leitores, nº 97 – Dezembro de 2010, p. 27

    “O IGESPAR acha que a Linha do Tua não tem relevância cultural enquanto património a classificar. Ou seja, não possui “valor arqueológico, arquitectónico, artístico, científico ou tecnológico e industrial”. Provavelmente, há alguma razão nos seus argumentos. Uma parte dela ficará debaixo de água quando a EDP construir uma barragem na foz do Tua com o Douro. O IGESPAR pode decidir e dar pareceres sobre o assunto – mas devia providenciar para que não desaparecesse uma das mais belas paisagens portuguesas – que pudesse ser vista e a comover os seus visitantes. A paisagem (a do Tua incluída) é um dos mais importantes patrimónios portugueses. O betão, as auto-estradas e as barragens têm vindo a destruí-la. Os portugueses acham que a paisagem é coisa de doidos que não vivem neste mundo; o mundo deles é uma paranóia

    Antes da Barragem do Tua avançar, Carrilho avisou Sócrates e Mexia e o Min dos Negócios Estrangeiros das possíveis consequências relativamente à UNESCO

    VER VÍDEO APÓS MIN 42)

    http://www.tvi24.iol.pt/programa/4322/94 (Mover botão na horizontal até ao minuto 42)

  2. julia says:

    Caro Amigo:
    Eu estou desolada. Já não tenho esperança, apenas a fé de um milagre.
    Aquela “voz celestial” que disse:”agora só falta o cimento”…Que se limpe ao guardanapo…Caro Secretário da Cultura, demonstre que é autentico transmontano.
    Nossa Senhora das Graças,padroeira de Bragança iluminai as cabeças que, só têm visões de cimento. Como é saudável, dialogar com a natureza!O cimento, a mim GELA-ME
    ………………………………………………..
    Ó Mãe bondosa, excelsa Padroeira,
    Senhora da defesa daEsperança,
    De todos nós correis na dianteira.
    ………………………………………………
    Até amanhã! Até sempre!
    Júlia Príncipe

  3. Tiro ao Alvo says:

    Esta malta que anda por aqui, militantemente, a lutar contra a construção das barragens, é composta, penso eu, por dois grandes grupos. Um, o mais numeroso, é constituído por gente de boa-fé, amiga da natureza, que tem receio de que estejamos nós, a geração actual, a destruir irremediavelmente este planeta, a comprometer, de forma egoísta, a vida das gerações vindouras (a este grupo se aboletaram também alguns extremistas, daqueles que só matam uma pulga às escondidas, por que acham que tudo que é natural é bom e tudo que é pequenino tem graça…). Outro grupo, bem pequeno, é constituído por gente que anda a tirar proveito desta causa, em si nobre, quer para alcançar notoriedade, quer mesmo para obter privilégios e sinecuras, algumas bem rendosas, nomeadamente em viagens, ou, dito por outras palavras, anda muita gente a defender a “paisagem” como forma de alcançar o “poder”. A qualquer preço.
    No caso da barragem do Tua, esta gente está-se nas tintas para que a dita barragem ocupe muito menos de 1% da área protegida do Douro e que o impacto na paisagem será pouco significativo, podendo, até, servir de atracção, como lembrou o Dr. Cadilhe; e que o abandono da obra só trará desvantagens, não sendo desprezível o valor já investido, pelo contrário: já está ali enterrado muito dinheiro e repor a paisagem custaria quase outro tanto.
    Uma coisa tenho como certa, se gente desta tivesse poder ao logo dos tempos, nunca o “Douro Vinhateiro” existiria e, muito menos, poderia ser considerado património da humanidade, uma vez que todos aqueles montes foram rasgados pela mão do homem, umas vezes com ajuda de máquinas, outras a tiro e, em muitas outras, à força de braços. Já vivi o tempo suficiente para ouvir gente indignada contra a plantação de vinha no Douro, acusando os promotores de andarem a esventrar a natureza, como esta gente anda agora a fazer, uma parte, penso eu, de forma interesseira.
    Concluindo: basta de nos andarem a atirar areia para os olhos!


    • Tanta ignorância devia ser proibida – a ingorância é letal – gostava que o seu “tiro da culatra” lhe saisse a acertar no alvo mas nota-se como faz parte dos “intelectuais de jornalecos Viegas” que deviam ser “almeidas” e não destruidores da ÙLTIMA paisagem selvagem da EUROPA o que levou a UNESCO a classificá-la
      e quando ao douro vinhateiro você foi muito indefiz já que tem mais de 350 anos como área delimitada e milhares de anos como área de produção e se em tempos teve igualmente a vinha afactada pela filoxera você infecta o Douro e forma mais nefasta – e se não sabe a paigaem do DOURO era selvagem (natural-climácica-intocada) e foi HUMANIZADA ( o seu dignifica transformada pelo homem para seu favor – a vinha vem dos tempos de ROMA) – se queizer aprender algo leia o que queizer – e há ,mutos livros sobre o DOURO mas talvez lhe baste ler de Orlando Ribeiro “Portugal Atlântico e Meditarrânico” e mais – dos solod mais pobres do país (xistos argilosos) a mão do homem + clima + LUZ, deram lugar ao DOURO – leia se é que aprendeu – interprete se é que á capaz – mas é natural que não seja já que o ensino é a maior fatalidade deste país e você é espelho desta desgraça – entretanto se sabe ler uma carta do ambiente procure até na NET e lá estaraão mais dados para ajudar o seu raciocínio anquilosado – Quanto ao combóio do TUA não é o mais antigo do País – é mesmo o mais antigo do Mundo – e foi inventado e construído, como sabepelos inglese quando inventaram a máquina a vapor em lena I revolução industrial e graças a Deus que somos atrazados pois fazemos mais tarde e GUARDAMOS a história e a MEMÒRIA e a tradição – consigo não se guarda nada – DESPREZA-se, que é o sentimento actual dos decisores mais incultos do que o mais ignorante analfabeto que nem seguer é idiota pois saber ler e escrever, como no seu caso,´é uma desgraça já que só transmite IGNORÂNCIA (e arrogância) – é pior do que a ignorância e malvadez cavaquista – recorda-se ou ainda era pequenino ou não tinha nascido ??

      • Tiro ao Alvo says:

        Por norma não gosto dos seus comentário, na maioria das vezes estúpidos.
        Fique a saber que sei do Douro muito mais do que pensa.
        Concordo consigo quando diz que a paisagem do Douro vinhateiro é uma paisagem humanizada, mas fique a saber que as barragens também transformam as paisagens selvagens em paisagens humanizadas, e que podem fazê-lo a favor do homem, como acontece com todas aquelas que não representam perigo.
        Agora, quanto àquela do comboio do Tua ser o mais antigo do mundo, ou vou ali e já venho…
        Desconfio que a Celeste pertence ao segundo grupo que eu identifiquei: pela maneira como reagiu, parece que lhe tocaram na ferida…


        • Outro grupo está contra aquela barragem e não foi aqui mencionado: aqueles contribuintes e consumidores de electricidade que vêm ser retirados feriados, diminuídos os rendimentos e aumentado o custo de vida e depois observam os seus impostos serem delapidados em subsídios para estas PPP que vão deixar o pais endividado por décadas. Não sabia que esta barragem só é viável porque tem rendimento garantido pelo estado? Está no caderno de encargos da concessão.

          Por outro lado, o argumento que “já se gastou ali dinheiro” é do mais pobre que já ouvi. Por um lado, o que se gastou é uma ínfima parte do que nos custará se avançar, por outro, se é um investimento nefasto deve ser suspenso e reavaliado o quanto antes!

  4. António Silva says:

    Meus caros, eles vão para Lisboa e transformam-se completamente.Não que se elevem no valor, na hombridade, na solidariedade com os seus, na galhardia, no carácter.Eles evidenciam-se pela vulgaridade, pelo desprezo relativamente aos valores aprendidos e apreendidos desde o berço; eles prostituem-se…

  5. Luis says:

    Culpar o Francisco José Viegas dessa forma parece no mínimo abusivo sabendo-se que cancelar agora provavelmente implica prejuízos milionários. Só pela concessão a EDP pagou ao Estado mais de 50 milhões, pois como sabemos estas novas barragens foram mais um instrumento de financiamento e desorçamentação desesperada de Sócrates/Teixeira Santos. Reduzir tudo ao “Se não o fez, foi porque não quis” não é ser sério. Também sou opositor da construção desta barragem.


    • Cuidado com os detalhes, a EDP, ao ocupar o perímetro classificado pela UNESCO e ao deixar de cumprir (como tem feito) as obrigações do Caderno de encargos e do EIA, pode ser obrigada pelo estado a rever o projecto, sem custos para o estado! Os prejuízos serão da EDP e devem-se exclusivamente à teimosia dos seus dirigentes que preferiram recorrer à corrupção para fazer passar obstinadamente um projecto que é inadequado.

      • Luis says:

        É uma via a explorar, agora você não diga que é “só porque não quer” que isso é demagogia pura contra um governo há meio ano em funções. Tal como em muitas ouras coisas, este tipo de esquemas (Scuts, TGV, etc,etc) tem contratos feitos pelos melhores escritórios de advogados do país que parasitam em torno do Estado e o saqueiam, muitas vezes pagos pelo próprio Estado para fazer contratos ruinosos contra o mesmo. Certamente são autênticas bombas armadilhadas de compromissos, contratos, rendas, indemnizações e dívida, que para desarmar não são nenhuma brincadeira mesmo que até haja vontade politica, e eu acredito genuinamente que até pode haver neste governo vontade de cancelar aquilo tudo, Agora duvido que o consigam sem arcar com custos astronómicos, que essa gente não brinca em serviço.


  6. Enfim há os que sabem tudo e os que não sabem nada

    os que querem o poder e viagens à custa da defesa de valores que não têm e quando o alcançam esquecem pura e simplesmente o que os levou ali

    Depois há os carreiristas, bajuladores, pedintes , os que aproveitam migalhas, os que rastejam e alguns comentaristas de blogues….

    A politica do facto consumado?????

    Depois de os responsáveis serem alertados dos riscos há mais de 4 anos e marimbarem-se????

    e PORQUE NÂO A RESPONSABILIZAÇÂO PESSOAL????

    Ouçam a entrrvista de Carrilho , alto funcionário da UNESCO na altura e depois digam da vossa justiça..

    ontem pelas 22H45) a um depoimento desassombrado do Manuel Maria Carrilho, na TVI 24, não só frontalmente contra o avanço da construção da Barragem do Tua, como proclamando abertamente que quanto mais tarde o Governo arrepiar caminho, pior, como denunciando a política do facto consumado e das almofadas financeiras que o Plano Nacional de Barragens visou cegamente e com resultados irrisórios no plano da factura energética.

    Antes da Barragem do Tua avançar, Carrilho avisou Sócrates e Mexia e o Min dos Negócios Estrangeiros das possíveis consequências relativamente à UNESCO

    VER VÍDEO APÓS MIN 42)

    http://www.tvi24.iol.pt/programa/4322/94 (Mover botão na horizontal até ao minuto 42)

    todos conhecem o Douro… mas uns conhecem mais que outros principalmente aqueles que dizem que conhecem e por isso o querem destruir,,,,

    • Tiro ao Alvo says:

      Vivó Carrilho!


    • “Pelo que ela [Linha do Tua] representa de memória e de futuro para o Douro, seria criminoso deixá-la morrer. Pelo inverso, creio que é tempo de dizer “Basta!” e exigir a recuperação integral da rede ferroviária do Douro, instrumento essencial de desenvolvimento da região”.
      Gaspar Martins Pereira/Público

      …Querem acabar com esta linha, esquecendo o futuro. (…) É um valor patrimonial extraordinário. (…) O que querem fazer é um crime! Mário Soares, RTP/Fevereiro de 2008
      o Caminho faz-se caminhando (clara Ferreira Alves)

      “SALVEM A LINHA DO TUA”
      Prof. Nuno Grande

      A Linha do Tua é uma manifestação profunda de cultura
      Miguel Cadilhe/Junho de 2008

      Será que o governo seria mesmo capaz de admitir a destruição dos Jerónimos para que lá fosse construído um lucrativo centro comercial, desde que à entrada existisse uma réplica do monumento?
      José Augusto Moreira/Público

      um dos mais graves atentados ao património cultural do País desde o 25 de Abril de 1974, a destruição da Linha do Tua.
      Comunicado da APPI/Janeiro de 2008 (consultora da Unesco para o Património Mundial)

      A linha do Tua é fundamental no desenvolvimento de Trás-os-Montes
      D. Duarte Nuno, 2008
      e mais milhares e milhares


  7. e caros amigos .. todos os transmontanos os que gostam e não gostam

    já há muito que alertámos mas ninguém queria acreditar .. ou pelo menos dar-se ao trabalho de pensar .. já vinha no plano estratégico da REN

    tenho conhecimento de fonte fidedigna que está em consulta publica :
    cito:

    Está aberta a consulta publica à ligação da linha de Alta tensão Tua- Armamar 400KV como já havia sido denunciado – o crime no Douro não é só fisicamente a barragem.

    Mais uma vez ,alguém , ontem mentiu (ou omitiu) no impacte que diz ser de 0,00012% sobre o património da Humanidade.

    Vão esperar que coloquem os cabos de alta tensão a atravessar o Douro Património Mundial … ou vão colaborar na consulta publica..

    aqueles que conhecem bem o Douro .. sabem onde o fazer e como

    ……

    ou ficam “colaborantes” à espera do facto consumado????????????????????????????


  8. bem … mas para não andarem à procura ,,, que dá trabalho

    e enquanto não têm os cabos de alta tensão por cima das vossa cabeças,e enormes postes nos vossos terrenos , quintais ou quintas ..

    leiam e informem-se dos prejuízos e dos riscos para a saude e porque é que ninguém os quer

    ………….

    6 de Dezembro de 2011 a 31 de Janeiro de 2012, nos seguintes locais:

    Agência Portuguesa do Ambiente
    Rua
    da Murgueira, 9/9A – Zambujal – Apartado 7585 – 2611 – 865 AMADORA

    Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regionatdo NoÉe
    Rua
    Rainha Dona Estefânia n.o 251 – 4150-304 PORTO

    Câmaras Municipais de Alijó, Carrazeda de Ansiães, São João da Pesqueira, Tabuaço e Armamar.
    Nas Juntas de Freguesia de Castedo, São Mamede de Ribatua, Castanhedo, Pinheiros, Sta Leocádia, Aricera, Coura, Soutelo, Nagozelo do Douro, Ervedosa do Douro, São João da Pesqueira, Gastanheiro do Sul, Távora, Tabuaço, Chavães, Vale de Figueira e Barcos pode apenas ser consultado o Resumo Não Técnico, encontrando-se, tambem, disponível no site do APA em (www.apambiente.pt).”

  9. Guillaume Tell says:

    É verdade a política de betão há muito que deixou de ser útil ao país, e a utilidade da barragem no Tua é igualemente questionável, tanto em termos de potencial energetico ou agrícola (ver o caso do rio Sabor http://aeiou.visao.pt/a-vida-nas-grandes-barragens=f579002).

    No entanto é necessário pôr alguma ordem, nomeadamente sobre o papel de cada um, e especialemente sobre o papel dos ambientalistas:
    – São inconherentes: ora são contra as barragens porque vai impedir passarinhos de fazerem lá o ninho, mas ao mesmo tempo publicam estudos a favor das barragens por causa do potencial que têm em energia “limpa” http://aeiou.visao.pt/barragem-do-tua-novo-turismo-para-compensar-impactos-negativos=f508189
    – Eu lembrei-me daquela reportagem da Visão sobre o Sabor porque na versão papel os agricultores e engenheiros diziam que os ambientalistas andaram a argumentar que era essencial proteger o vale porque era um local de reprodução de não lembro quais aves, ou algo assim. Ora os agricultores e engenheiros lembraram que aquela zona tem um potencial agrícola e turistico enorme sem as barragens, portanto os ambientalistas estragaram tudo com as suas banalidades.

    Nada disso obviamente descupla os decidores políticos, mas quando se quer proteger algo faz-se o bem, com um conhecimento largo e adequado de todas as consequencias, argumentos que impedem uma reacção credível e com alternativas suficiamente atractivas. Mas em Portugal prevalecem os preconceitos primários, a parcialidade primária, a emotividade, os interesses pessoais imediatos e o mal-dizer.


    • Pois, pois. Tudo quer o que seu é.
      E então, a favor desta barragem do Tua em particular (mesmo de outras desta Plano Nacional de Barragens) que argumentos tem a favor?

      Contra há vários… indesmentidos até ao momento.

      • Guillaume Tell says:

        A favor:
        – Capacidade de produção electrica aumentada.
        – Criação de reservas de água para o regadio.
        – Possibilidade de instalar industrais que beneficiam da energia da barragem.

        Repare que eu não tenho nada contra barragens, elas têm uma utilidade enorme e se muitas não tivessem sido construidas o país nunca teria avançado. Tenho somente sérias dúvidas sobre a utilidade de muitas (em particular em relação aos custos para o contribuinte), e sobre o potencial que há se não estivessem cá.


        • O sr. não pode estar a sério…

          1) a produção adicional desta e das alegadas +9 barragens do PNB é risível. Para termo de comparação, por unidade de PIB per capita, gastamos o dobro da energia da Dinamarca.…
          2) naturalmente não conhece nem o Douro nem o Tua… não há culturas de regadio… e a água corrente que existe supre as necessidades…
          3) Quais indústrias?

          ps: deixe-me adivinhar: o senhor mora em Lisboa, certo? não fique ofendido com a pergunta…

          • Guillaume Tell says:

            Homem, decida-se: pediu-me argumentos a favor das barragens quando eu demostrai não estar a favor e ter sérias dúvidas sobre a utilidade/potencial de elas e depois vem chatear-me. Decida-se!

            E não eu não moro em Lisboa, vivo no estrangeiro (até nasci lá).


          • Pois, os seus argumentos já muitas vezes foram desmontados, perdão!
            Veja no google “barragem do tua”.
            Mas logo mais ofereço-lhe um video, é os ministros a falar.


  10. Caro Guilherme Tell

    Permita-me que o felicite pelo seu comentário

    Nós, MCLT…www.linhadotua.net , não somos contra as barragens… somos a favor da manutenção e reabilitação de uma das maiores obras da Engenharia Portuguesa , enquadrada num vale magnifico:

    – A LINHA DO TUA E O SEU VALE

    que uma barragem pretende destruir…sem demonstrar a sua real mais valia..

    Valerá a pena

    Destruir

    . Um vale único

    . Uma linha de caminho de ferro considerada uma das maiores obras da Engenharia Portuguêsa e uma das mais belas do Mundo

    . Oliveiras centenárias que produzem o melhor azeite do Mundo

    . Videiras e um microclima que produz o melhor vinho do Mundo

    . Termas sulfurosas milenares

    . A ligação de caminho de ferro ao interior de Trás os Montes

    . Aumentar a desertificação e abandonar as populações

    . Arriscar que o DOURO PERCA A CLASSIFICAÇÃO DE PATRIMÓNIO MUNDIAL

    Por

    UM MONSTRO DE UMA BARRAGEM QUE SÓ VAI CONTIBUIR COM A PRODUÇÃO DE 0.3% DE ENERGIA ??????

    http://www.linhadotua.net
    ……………………

    Dizemos isto há 5anos… há 5 anos que alertamos para o risco de desclassificação

    que agora está na moda…

    Os responsáveis estão referenciados e com testemunhas

    Os efeitos da barragem são devastadores .. ver o Estudo de Impacto Ambiental e a declaração

    ………….

    Nós não somos contra as barragens .. quando os benefício s são muito superiores aos prejuízos ..
    Mas no caso do Tua são os grandes interesses dos lobies que estão contra nós e
    contra a desgraçada linha e as pobres populações que dela usufruiam..

    agora vou ter de terminar .. se puder continuo mais logo

    abraço

    mario carvalho

    • Guillaume Tell says:

      Caro Mario Carvalho,

      só posso que o felicitar a sí e aos demais que estão atrás. Acho importante haver gente em Portugal, e em particular no interior que ao fundo foi a zona mais prejudicada pela política de betão, que lute contra esses grandes protegidos pelo regime. Mas se me posso permitir de lhe dar um conselho e à sua associação; deiam uma enfâse importante às mais valias economicas do vale.

      Insistir que podemos criar uma agricultura dinâmica, que há um artesanto de alto valor acresentado, que o potencial turístico é gigantesco, portanto que o Vale do Tua se bem explorado pode permitir reduzir os nossos desiquilíbrios orçamentais e correntes. Que as barragens trazem é mais custos para o contribuinte, desequilibram-se as contas públicas, não diminuam os custos de contexto de maneira suficientemente forte e são a continuidade dos erros dos últimos anos. Além disso, mesmo se não gastamos nada no Tua acabamos por ganhar mais, porque permitimos aos actores da região de potenciar as suas actividades (é preciso tempo, menos impostos e melhores comunicações é certo, mas isso até pode esperar um pouco).

      O Ambiente só será protegido quando se tornar rentável. Mostrai-lhes que a agricultura, o artesanato e o turismo rural são mais rentáveis (e ambientalemente sustentáveis) que as barragens.


      • obrigado Caro Guillaume Tell

        pelo seu estimulo , pelo seu apoio.. todos juntos , temos obrigação de fazer o melhor para que os nossos filhos e netos.. se sintam bem na terra que lhes deixamos

        grande abraço

        mario carvalho

    • kirk says:

      Bom, prefiro aceder a este prob da barragem do Tua doutra maneira. A indignação é muito razoavel, mas o problema nao vai acabar aqui. Por exemplo, e a barragem de Fridão, em Amarante. Há tantas razoes para defender a nao construção do Tua como para nao defender a de Fridão. Neste caso particular há um estudo de impacto ambiental que desaconselha em toda a linha a sua construção; e não sao apenas estas duas, são as restantes 8 que fazem parte do Plano de Barragens e que vao custar ao país 16.000 milhões de euros. A barragem do Tua fornecerá apenas 0.4% da energia que é necessaria, uma ridicularia sem
      a qual podemos perfeitamete passar. E quanto á questão levantada por alguém, sobre o dinheiro que o Estado já lá enterrou e que nao poderemos reaver, vejamos: há pareceres técnicos que demonstram que com reapetrechamento das barragens que existem e com implementação de medidas tendentes a tornar o uso da energia disponivel mais eficiente, diminuindo o desperdicio, consegue-se praticamente tanta energia electrica com a que se vai conseguir construindo 10 barragens e danificando o Ambiente; e quando falo de Ambiente não me refiro apenas á paisagem (desculpem os mais sensiveis, mas o vale do Tua a mim diz-me pouco em matéria de beleza; mas isso sao apreciaçoes subjectivas) refiro-me também á implicação socioeconomica que isso tem na vida das pessoas, ao seu afastamento do local onde toda a vida residiram, ao desfazer de teias sociais tecidas ao longo de anos, ao afastamento de comunidades que sempre viveram em contacto, à quantidade de espécies que podem ser afectadas e algumas das quais podem ficar em perigo, os desequlibrios ecologicos, etc.. Quanto é que o Estado gastaria em modernização das barragens existentes e aumento das resopectivas capacidades e em tomar medidas para um aproveitameto mais eficaz da energia que se produz actualmente e consweguino praticamente os mesmos ganho energeticos? Cerca de um terço do que vai gastar construindo 10 barragens. Assim, esse dinheiro que o Estado já desempochou para a EDP perde qq significado, são “peanuts” quando comparados com o que se ganharia se o Estado adoptasse uma outra politica energética.

      Bibliografia que podem consultar se iverem paciencia:
      http://www.quercus.pt/xFiles/scContentDeployer_pt/docs/articleFile441.pdf
      http://www.quercus.pt/xFiles/scContentDeployer_pt/docs/articleFile221.pdf

      K

  11. Guillaume Tell says:

    Caro dariosilva,

    faça favor de me explicar o que defende para o Tua, que eu não entendo nada ao que quer chegar.


    • Simples, e já algo tenho escrito sobre isso.

      1) Que não estrangulem o Douro (que tanto defendem nas palavras);
      2) Que deixemo o Tua naturalmente respirar.
      3) Sobretudo, que não privatizem a água deste rio. É o que acontecerá por décadas com o PNB: a privatização dos rios e respectivas albufeiras. E tudo isto acontece numa altura em que as águas em Portugal se vão tornando “concessionadas”… privatizadas, por longas décadas.

      Ora, os rios, diz a Constituição, são de todos.

      Não faz mal, com a futura venda da EDP a capital chinês, ficam-nos com a energia e com a água!

  12. Guillaume Tell says:

    Se é contra o esbanjamento público e a protecção de pequenas minorias parasitas (neste caso preciso a contrucção desbaratada de barragens e a protecção usufruida à EDP e demais construtoras) porquê que me veio a chatear com “os meus argumentos desmentidos”?

    Eu não lhe demonstrai que sou contra essas barragens!!! Leia os meus comentários!!!

    (PS: se quer realemente defender o Tua e o Douro faça-o com outros argumentos, que estes são simplesemente patéticos. Enfim… se podemos chamar isso argumentos)


    • Cito:

      “A favor:
      – Capacidade de produção electrica aumentada.
      – Criação de reservas de água para o regadio.
      – Possibilidade de instalar industrais que beneficiam da energia da barragem”

      A menos que eu tenha interpretado mal, o G Tell invocou estes mesmos argumentos como legitimação da barragem do Tua. Só que estes argumentos, como escrevi antes, não são válidos…
      A EDP lá terá as suas razões€€€€€€ para querer tomar conta, em exclusivo, de 10 albufeiras. Já miuta gente avisada tem desmontado ponto por ponto essas razões. Não estou aqui a inventar a pólvora.

      • Guillaume Tell says:

        Porra foi você que me disse de encontrar argumentos a favor das barragens! É estúpido ou só sabe ler por partes?! Leia lá outras vezes os meus comentários! Todos!

        O Sabor serviu de exemplo, que é válido para o Tua!

        Vamos lá repetir outra vez: EU SOU CONTRA AS BARRAGENS DO TUA E DO SABOR (e muito provavelemente com as restantes do Plano Nacional deBarragens)! Porque representam investimentos públicos enormes (desviam assim muitos recursos) e são de uma produtividade duvidosa (a energia produzida é pouco ao final de contas, destroi potenciais agrícolas, turisticos e mesmo industrais), para não falar dos danos ao ambiente superiores aos ganhos da energia que proporcionam, e não é por Portugal ter mais barragens que vai reduzir os custos de contexto das empresas (pouca energia produzida em relação aos enormes investimentos > custos) ou que vamos melhorar a eficiência energética (é preciso gastar melhor a energia, e não estar só a seguir as necessidades energéticas).

        • Dario Silva says:

          Se é contra esta barragem, então estamos de acordo.
          Mas há uma diferença: eu sou contra todas as barragens deste PNB, tal como está contratado.

          ps: já gente avisada alertou – com muito menos gasto em reforço de barragens e medidas inteligentes de eficiência energética é possível obter muito maiores ganhos. O que a EDP quer não é electricidade, é a água das albufeiras, o grande negócio garantido do séc. XXI.

  13. Tiro ao Alvo says:

    Isto parece uma discussão de maluquinhos. Esta gente vive desesperada, pensando que com estas atitudes estão a defender o planeta, protegendo as gerações vindouras. Esta gente não se enxerga, não respeita a vontade dos outros, mesmo quando representam uma maioria esmagadora, julgando-se com capacidades que não têm, pensando que são eles os únicos detentores da verdade, aqueles que vêm mais do que todos os outros, os mais que tudo. Mas não é verdade, amigos: quando vocês nasceram o planeta Terra já existia há muitos anos, há muitos milhões de anos, e vai continuar a existir, não tenham dúvidas. Daqui a 100 ou 200 anos, quem por cá andar, se for descoberta uma fonte de energia mais limpa – a energia produzida pelas barragens é uma energia limpa -, poderá reconverter essas barragens, uma vez que a vida útil desses equipamentos não excederá muito aquele prazo, aproveitando-as para outros fins, especialmente para regularizar os caudais dos rios, protegendo as populações ribeirinhas do flagelo das cheias, o que, no caso do rio Douro, já seria um bom serviço.


    • Sim, nós precisamos de mais barragens para regularizar caudais, nomeadamente aqueles que nunca causaram problemas… como o Tua ou o Sabor.
      Daqui por 200 anos acharão que nós fomos geniais. Nós somos geniais. António Mexia é genial, já por isso recebeu de bonus 3 milhões de euros. Sim, porque é genial fechar contratos com o Estado em que uma empresa 80% privada tem sempre lucros garantidos, quer chova, quer não chova, quer se produza ou consuma electricidade. Isto sim: genial.

      • Tiro ao Alvo says:

        Amigo, que havemos de fazer? Quem fez isso era o governo legítimo de Portugal que, também por coisas destas, já foi corrido.
        Somos o povo que somos e tivemos o azar de ter sido governados por gente pouco escrupulosa, isso é verdade. Mas, agora, que aquela gente arrecadou e esbanjou a massa, recolhida via EDP, temos que honrar os nossos compromissos e evitar que, no futuro, se cometam mais asneiras dessa natureza.
        Onde é que o amigo estava quando o Sócrates e os seus companheiros resolveram avançar com aquele empreendimento? Estava muito mal colocado, seguramente, porque “ninguém” lhe deu ouvidos e agora é tarde. O mal está feito, resta-nos atenuar os efeitos.
        Só uma coisa: os rios Sabor e Tua não desaguam no Douro? O Douro nunca deu problemas de cheias? Você não é de cá…

        • Dario Silva says:

          1) Novas barragens para controlar o caudal de cheia do Douro não é argumento em cima da mesa há 20 anos…

          2) honrar este compromisso, como lhe chama, custará 30x mais o custo das indemnizações pendentes. A menos que queira deixar uma herança deste calibre à sua prole… Eu não.


  14. sim daqui por 200 anos nem barragens .. nem água.. nem comentários estupidos..


  15. essa do flagelo das cheias

    com tantas barragens no Douro.. porque é ainda não regulam???

    e as cheias dão -se quando e porquê?

    quando abrem as comportas das barragens.. certo?

    agora imaginem na régua ou na baixa do Porto.. Barragem do tua e sabor com cento e tal metros de altura como é habitual.. tentam conter o máximo de água ..grande pluiviosidade..

    têm de abrir as comportas.. Tua e Sabor a debitarem milhões de m3..Pocinho , Valeira e Bagaúste a debitarem o máximo para não irem na enxurrada do tua e do sabor..

    onde fica a Régua… a que cota?.. e depois???

    Depois é o costume os IRRESPONSáveis atribuem a culpa à NATUREZA que eles maltrataram

  16. Tiro ao Alvo says:

    Para o Dario Silva e para o Carvalho: vocês não sabem discutir, apenas ofender. Por mim ficam a falar os dois, que estão muito bem juntos…Passem bem!


  17. Caro Tiro ao Alvo

    lamento não ter tempo para lhe dar a atenção que merece..

    sugiro-lhe. se me permite, que faça uma introspecção , e medite sobre o seu problema..

    Porque é que ninguém está de acordo comigo ???

    Porque é que todo o mundo é burro e só eu é que sou inteligente???

    Porque é que ninguém me liga e quando o fazem é só para me contrariarem…

    Porque é todos me ofendem..

    porquue é que sou diferente????

    ……….

    quando responder a todas as questões.. ,meditar e tomar atitudes correctas … tem o seu problema resolvido..

    ……….

    senão a sua fraca pontaria como atirador ..sai-lhe o tiro pela culatra..

    SE NÃO TEM INTERESSES PARTICULARES NA DESTRUIÇÃO DA LINHA DO TUA, DO SEU VALE, NO DESENVOLVIMENTO DE TRÁS OS MONTES E DOS TRANSMONTANOS PUROS…………..

    JUNTE-SE A NÓS.. CONTINUE A ATIRAR AO ALVO…MAS AO

    ALVO CERTO

    abraço

    mario carvalho
    e de todos os que defendem quem não se pode defender .. como a linha do tua, o douro e as populações desfavorecidas … os grandes HERÓIS

    ps. continuem amigos.. continuem a defender o que querem roubar

Trackbacks


  1. […] Francisco José Viegas por crimes contra a Humanidade Posted on 15/12/2011 por Ricardo Santos Pinto 3 0  Por ironia do destino, Francisco José Viegas nasceu […]


  2. […] – um guia sentimental” haveria de dedicar ao avô alguns parágrafos, sobre o Douro, sobre o Vale do Tua, que importaria sempre, sempre preservar. Mais tarde, reforçaria nas páginas da Ler a mesma […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.