Literatura para crianças: A Árvore Generosa


Hoje é o Dia Internacional do Livro Infantil, sendo que prefiro dizer que os livros são para a infância ou para as crianças, mas…

Queria partilhar um dos melhores livros alguma vez escritos:

A Árvore Generosa de Shel Silverstein.

Que pode ser “lido” no youtube:

Comments

  1. الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن jornalista nº69 da مدرسة d'all fama says:

    A a´rvore generosa era uma arvore como a das patacas dava dava e num pedia nada

    em aulas de matemática dava raízes quadradas e pipis etc

    dava uma educação de truz que como as aulas de língua e cultura árabe dão para uns ganharem uns trocos e outros irem arrebentar-se como máquinas em nome do extermínio dos infiéis….mas a 20 ou 200 infiéis por cada árvore explosiva

    nã há generosidade que chegue…I)

  2. Malu says:

    Eu amei, é emocionante.
    Vou partilhar contigo um poema antigo, que fala de um menino a dialogar com uma árvore:
    Angiolo Silvio Novaro
    1866
    Diálogo do Menino e da Árvore Florida
    (Dialogo del fanciullo e dell’alberto fiorito)

    Fala do menino:

    Que coisa estranha! Ontem
    nua qual uma trave:
    hoje, toda de festa!
    __ Espalhas teu suave
    clarão pela floresta
    e à viração do monte
    agitas teu vestido
    de cetim recamado.
    Oh! por quem foi talhado
    e quem to deu, cosido,
    esse lindo vestido
    de cetim recamado?

    Fala da árvore florida:

    Era outubro, eu definhava,
    e tinha no pensamento
    uma profunda tristeza;
    feroz ventania brava
    me abanou; foi-se no vento
    meu vestido, de surpresa.
    Veio depois a nevoa triste
    que em silencio me envolveu
    e, cegando-me, escondeu
    todo o sol de minha vista;
    depois caiu chuva grossa,
    duramente me espancou,
    penetrou-me até aos ossos,
    de alto e baixo me encharcou;
    caiu, depois, branca neve,
    densa e fria que nem sei,
    cobriu-me toda e assim,
    em vida me sepultei!
    Tremendo, pobre de mim,
    pensava que ia morrer.
    Um sono grande senti
    e dormindo sosseguei;
    meses e meses dormi
    só há pouco despertei;
    vi que usava este vestido
    e o sol d’oiro era no prado;
    mas por quem foi talhado
    e quem mo deu, cosido,
    esse lindo vestido
    de cetim recamado,
    meu filho, não sei eu:
    sabe-o Deus.

  3. João Paulo says:

    Obrigado Malu

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.