O coração

Ontem escrevi sobre o umbigo como a mais bela e simbólica cicatriz do nosso corpo.

Hoje apetece-me dedicar umas palavras ao orgão central, o orgão da vida por excelência.

Vai Aonde Te Leva o Coração, escreveu Susanna Tamaro em 1994 (“desconfie de tudo excepto daquilo que o coração lhe disser”);

Saber algo de cor (do coração), como o Paulo Gonzo sabe de cor cada traço do rosto e do olhar dela, como um pianista toca de cor uma obra ao fim de tantas horas a estudar, repetindo;

Sobre isto de aprender de cor, George Steiner escreveu inúmeras vezes, como em No Castelo do Barba Azul: “Aprendia-se em grande medida de cor (do coração) – termo que se adequa magnificamente à presença íntima, orgânica, da palavra e do sentido no espírito individual. A decadência catastrófica da memorização no ensino contemporâneo e na bagagem do adulto (…)”.

Depois há as diversas expressões: «não tens coração»; «coração de oiro»; «coração de passarinho»; «falar com o coração»; «aperto no coração»; etc.

Você deve conhecer muitas! Queira acrescentar!

Obrigada.

Comments

  1. Frederico Mendes Paula says:

    Muito adequada à situação actual de grande parte dos portugueses é a expressão “fazer das tripas coração”

  2. Amadeu says:

    A propósito de orgão central, sempre me questionei o porquê alguns dos partidos comunistas estarem cheios de orgãos e os outros partidos não ?
    Ele é o Luta Popular, orgão central do MRPP
    Ele é o Avante, orgão central do PCP
    Ele era o Pravda, orgão central do PC da URSS
    Em resumo, os comunistas estão cheios de orgãos centrais !! Será pelo seu amor pela classe operária e pelo povo em geral que os leva a falar ao coração dos trabalhadores ?

  3. Aperta-se com a mágoa, palpita com a ânsia, bate forte com a paixão. Emudece com o êxtase, quer sair do peito com a felicidade e ameaça parar perante o medo. Cavalga desabrido ante o perigo, sossega com um abraço e estilhaça-se se em sofrimento.

    Coração, o órgão que, não doendo, é o que mais dói.

    O meu partiu-se, com estrondo, em mil bocados, por causa disto:

    http://youtu.be/6MiX_osLa7A

    e sei que demorarei bastante a reunir os cacos, a colá-los de novo e a convencê-lo a bater compassado…

  4. Maria do Céu Mota says:

    Muito obrigada, Isabel pelo seu contributo!

    • Cara Céu, eu é que lhe agradeço por me permitir, com estes seus posts, dar largas ao que sinto através da escrita!

      Afinal, na azáfama do quotidiano, quase nunca temos oportunidade de debruçar-nos sobre o verdadeiro significado dos nossos sentimentos. Sabe bem fazê-lo aqui, partilhar e aprender!

  5. maria celeste ramos says:

    O coração tem razões que a razão desconhece e se queres saber o que é o amor divino olha para o amor de mãe – e ama-a

  6. maria celeste ramos says:

    E se um dia o coração estiver doente, pode ser substituído pelo do “porco” esse animal que nunca se imaginaria que nos pode salvar, dando-nos o seu “coração” – nem a UE sabe que ao chamar-nos PIG nos elogiava a nós e a eles pig

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.