Vamos continuar a apertar porque está a resultar

Que ninguém tenha dúvidas, porque a realidade está aí para o mostrar: o Governo em geral e o Nuno Crato em particular já perceberam que o Monstro está a acordar.

Os Professores estão a começar a levantar-se – foi a Manif da semana passada, as vigílias desta semana, serão as concentrações regionais da próxima semana e tudo o que for preciso, porque está a resultar.

Durante meses, o homem desapareceu. Ninguém o via!

Numa semana apareceu mais do que o animal atrás do Pinto da Costa. Após a Manifestação de Lisboa, ainda tentou continuar escondido, mas em cima da marcação das Vigílias fez uma conferência de imprensa e divulgou um comunicado.

É também por isto que não entendo o Paulo, que continua a ter um Umbigo do tamanho do mundo: se é dos sindicatos é porque é do PCP, se é dos professores é porque é do bloco. Posso deixar um desafio – será que queres sugerir alguma forma de luta? O que fazer a seguir? [Read more…]

Uma Cultura de Anonimato e Prostituição

Já aqui se escreveu milhares de vezes que o único blogue a nível nacional que pronuncia e defende o nome de baptismo do Filho da Puta é também o único a prostituir-se baixamente, através da baixaria da respectiva defesa de reputação. Sai mês entra mês, entra dia, sai dia, e a estratégia é sempre a mesma: o inocentar grunho de um percurso abaixo de tosco, mais abaixo ainda de danoso a Portugal, estratégia própria da naviarra dos loucos ou do lupanar dos putas. Gasto e batido por milhares de horas de exposição mediática, ninguém pronuncia nem se refere ao Filho da Puta pelo nome civil, mas por metáforas e analogias como A Nódoa, O Encalacranço do País, a Deriva Ensandecida da Dívida, o Amiguismo como Único Fito e Desígnio, a Suprema Falácia, o Rosto do Comprometimento do Estado para largas décadas.

Ora, o Filho da Puta na verdade não saiu de cena há mais de um ano. Fugiu há mais de um ano. Também não se ausentou para fora do reino de modo a que nem a sua sombra incomode os transeuntes. Deixou a sua sombra nefanda a pairar sobre cada buraco, sobre cada dívida oculta, sobre cada PPP, sobre a Parque Chular, sobre cada engenharia impotente em pagar hoje o que nos faltará indubitavelmente amanhã. [Read more…]

Portugal, uma horta americana

Exmos Senhores
Presidente da República,
Primeiro-ministro de Portugal,
Vice-primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros
C/c
Ministra da Justiça; Provedor de Justiça

Lisboa, 2012-07-18

Lemos, com espanto, no semanário Expresso, declarações de representantes dos EUA numa comissão que pretende contrariar a decisão de não extradição do cidadão português José Luís Jorge Santos (anteriormente Georges Wright) para os Estados Unidos.

Essas declarações são desrespeitosas das autoridades judiciais portuguesas, do ordenamento jurídico português e, mesmo, da soberania nacional. (Para além de serem também desrespeitosas da Declaração Universal dos Direitos Humanos, no entanto promovida com o alto patrocínio dos EUA.)

Como cidadãos portugueses, reclamamos dos representantes do Estado português um protesto veemente por essas declarações e pelas ameaças nelas contidas, e a reafirmação, junto das autoridades norte-americanas, dos princípios de separação de poderes e de respeito pelos Direitos Humanos que enformam a ordem constitucional portuguesa.

Dado o consenso nacional em torno da decisão de não extradição de José Luís Jorge Santos, manifestado quando da apreciação do caso pelas instâncias judiciais portuguesas, aguardamos de V.Exas uma tomada de posição que assegure aos portugueses que a soberania e a segurança do país não estão em risco e que Portugal não se vergará às ameaças e às pressões norte-americanas, nem permitirá que elas se concretizem na pessoa do cidadão português José Luís Jorge Santos ou seus familiares.

Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento (ACED)
Associação Portuguesa para a Prevenção da Tortura (APPT)
Grupo de Intervenção nas Prisões (GIP)

A saga das goleadas continua. Meninas lusas ainda verdes

Armindo de Vasconcelos

Portugal atingiu, hoje, perante Chipre, um “score” histórico, 11-0, e mais uma vez alertou a concorrência para o seu grande desiderato: o título.

Chipre, pelos resultados anteriores, já dera mostras de grande fragilidade. Daí que, ao intervalo e sem surpresa, os jovens “linces” já venciam por três golos sem resposta. E, uma vez mais, o segundo tempo foi determinante para as cores nacionais, com nove golos sem resposta.

David Franco (3), Rodrigo Seara (3), João Penetra (2), Ricardo Teixeira, Mário Correia e Luís Tavares foram os intérpretes de um marcador exemplarmente desnivelado, mas justo.

No campeonato feminino, que hoje teve início, Portugal não resistiu e foi goleado pelo Azerbaijão (6-2). Concretizam-se, de certa forma, os condicionalismos adiantados pelo seleccionador José Martins, quando apontava a extrema juventude da equipa portuguesa como o grande óbice a uma grande participação das meninas lusas.

No outro jogo, as seleccionadas da Irlanda despacharam a Turquia por um concludente e inapelável 4-0.

A UNESCO e o Tua

José Manuel Pavão,
Mirandela, 17-7-2012


Bem pode o laureado Souto Moura, arquitecto muito apreciado e distinguido nos Foruns internacionais, puxar pela cabeça, esmerar-se e caprichar no seu projecto de tentar ocultar a gigantesca parede de betão que a poderosa EDP, contra ventos e marés sob os protestos de esclarecidos resistentes dos Movimentos Cívicos e insuspeitos órgãos de informação (…), decidiu construir na foz do rio Tua em arriscada e porventura negligente colisão com o estatuto do Douro Património Mundial.
Ainda que a sua obra possa ser aplaudida, cujo preço os portugueses por enquanto desconhecem mas que por certo não contemplará nenhum desconto ao dono da encomenda, ela será sempre um bonito penso de proteção em cima duma cicatriz testemunha de má e insensata intervenção do seu executor!
Chegados ao epílogo deste tempestuoso romance configurado na construção apressada duma barragem hidro-eléctrica no ponto onde o sofrido rio Tua se entrega extenuado no portentoso Douro, já não vale a pena argumentar com a destruição dum vale único pela sua singular beleza, nem da sua linha ferroviária orgulho da Engenharia portuguesa e que com alguma imaginação poderia ser a alavanca para o tão necessário quanto vital desenvolvimento sustentado da região empobrecida que parece não causar preocupação aos sucessivos governos da República. Como também não vale a pena trazer de novo à baila os poderosos argumentos fruto de cuidados estudos universitários que demonstram ser dispensável a intervenção no rio Tua como fonte de aumento de produção energética. [Read more…]

Vigília pela Educação: um copo meio cheio ou meio vazio?

Não sou um entusiasta de ajuntamentos, assumam eles a forma que assumirem. É por isso que não sou militante de partidos ou sócio de clubes e confesso que sou sindicalizado mais por inércia do que por convicção. Não encaro esta minha característica como uma virtude ou como um defeito e, portanto, não é por isso que me julgo superior ou inferior a ninguém, o que não aconteceria se estivéssemos a falar de matraquilhos, área em que me considero um especialista de nível internacional. Foi consciente disso que participei, com muito gosto, na vigília pela Educação, ontem, no Porto. [Read more…]

O coração

Ontem escrevi sobre o umbigo como a mais bela e simbólica cicatriz do nosso corpo.

Hoje apetece-me dedicar umas palavras ao orgão central, o orgão da vida por excelência.

Vai Aonde Te Leva o Coração, escreveu Susanna Tamaro em 1994 (“desconfie de tudo excepto daquilo que o coração lhe disser”);

Saber algo de cor (do coração), como o Paulo Gonzo sabe de cor cada traço do rosto e do olhar dela, como um pianista toca de cor uma obra ao fim de tantas horas a estudar, repetindo;

Sobre isto de aprender de cor, George Steiner escreveu inúmeras vezes, como em No Castelo do Barba Azul: “Aprendia-se em grande medida de cor (do coração) – termo que se adequa magnificamente à presença íntima, orgânica, da palavra e do sentido no espírito individual. A decadência catastrófica da memorização no ensino contemporâneo e na bagagem do adulto (…)”.

Depois há as diversas expressões: «não tens coração»; «coração de oiro»; «coração de passarinho»; «falar com o coração»; «aperto no coração»; etc.

Você deve conhecer muitas! Queira acrescentar!

Obrigada.

Não fiquei em casa

O meu amigo JJC fez-me o convite para a Vigília pela Educação: entre as 19h do dia 18 e as 12h do dia 19.

Jantei, arrumei a cozinha e fui até ao centro da minha cidade. Praça da República: local da concentração, certo?

Entre as 21h30 e as 23h lá estava eu. Não vi nenhum grupo «suspeito» formar-se…

Fiquei frustrada, desiludida, desapontada, desconfiada.

Quando cheguei a casa, confirmei na net: sim, a Vigília estava marcada para todas as cidades ou capitais naquele horário.

Na minha cidade, Santa Maria da Feira, não houve vigília naquele período, nem se sabia de nada entre os professores com quem me cruzei durante a espera. E mais, gente dos sindicatos não sabia de nada…

Os professores da Feira, estariam a fazer vigília no Porto ou em Aveiro? Talvez. Não se organizou nenhuma concentração aqui.

Fiquei triste, pois fiquei!

De qualquer das formas, entre as 21h30 e as 23 h da noite fez-se vigília em Santa Maria da Feira! Se alguém passou pela Praça da República nessa altura e viu reunidos três crianças, quatro mulheres, um homem e a Flora (uma cadela), fique sabendo que estavam em Vigíla Pela Educação!

p.s.: se, entretanto, se formou algum grupo, digam alguma coisa, gostava de saber. Obrigada!

A Mensagem: Maomé, o Mensageiro de Alá

A origem do islamismo através da vida de Maomé, nesta longa-metragem de 1976, protagonizada por Anthony Quinn e Irene Papas.
ficha IMdB
Carregue na imagem para ver o filme

Tema 3 do Programa: A formação da Cristandade Ocidental e a Expansão Islâmica
Unidade 3.2. – O Mundo Muçulmano em Expansão.

Legalização da cannabis


Pelo menos assim há um controlo sob a venda. Como estamos, há lucro garantido para criminosos.

Israelitas atacados em autocarro

Se o apartheid Israelita é mau, estes ataques cobardes não são melhores. Até agora seis mortos israelitas, na Bulgária.