Estamos lixados

Sim, o governo detesta os portugueses, que retribuem o desamor desde há muito. Mas os divórcios, creio eu, não dependem regra-geral dessas paixões, bastando que uma da partes tenha interesses importantes para si a defender para que a outra fique amarrada. Havendo comunhão de bens e terceiros interessados, então é um problema do diacho. Entretanto, António José Seguro é aplaudido freneticamente pelas bases do PS, glorificado por Deus sabe o quê, enquanto discursa em pose de guerreiro. Se ainda fosse Quixote… De um lado o regresso aos mercados, do outro a demagogia mentirosa e ainda por cima socialista. A propaganda partidária na sua versão decadente, no Portugal imortal sempre anacrónico, no exacto momento em que a democracia participativa entra nas agendas, por não mais ser possível nalguns outros países da UE ignorar a força transformadora da participação cidadã e da decisão política esclarecida. Estamos lixados. Sai-nos realmente caro tanto subdesenvolvimento. Sai-nos ao preço do sangue e da fome. É preciso desenvolver a partir de baixo, a partir do começo de cada vida humana – a partir da Educação e da Cultura, a partir do valores que verdadeiramente fazem evoluir as sociedades, com verdade, e coração, com homens e mulheres rectos, livres, íntegros, capazes de representar os outros, ambicionando conquistas duradouras que servirão outros que não eles, e não casas, carros, reformas douradas e outras glórias ridículas que lhes sobreviverão, eternizando as injustiças.

Comments


  1. Lá no fundo quem tem razão é o Ulrich, ainda vamos ver muito sem-abrigo por aí, a aguentar a aguentar..

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.