O lado errado da história

O Canadá mandou  uma delegação  de grande peso político ao funeral de Mandela:  o actual primeiro ministro, Steven  Harper, e três antigos primeiros ministros, os conservadores Brian Mulroney e Kim Campbell, e o liberal Jean Chrétien. A Mandela, desde que saíu da prisão e acabou com o apartheid, foi oferecida a cidadania canadiana, com passaporte e toda a parafernália burocrática inerente. Era, pois, um homem a quem o Canadá amava  e a quem honrava. O governador geral não foi ao funeral porque a chefe do estado canadiano, Raínha Isabel II,  já  estava representada pelo Príncipe Carlos. O mesmo se diga da Austrália e da Nova Zelandia. A Commonwealth não é uma treta: funciona e tem poder.

Brian Mulroney, em entrevista que todo o país viu, explicou o tratamento dado a Mandela: “em todas as situações, temos de ter o maior cuidado para não ficarmos do lado errado da história”.  E disse bem, porque é importante um país ficar do lado certo. Nenhum povo gosta de ficar do lado errado. Por uma daquelas travessuras em que a política é fértil, depois de Mulroney os barões do seu partido, o conservador, trataram de tornar impossível a eleição da primeira ministra provisória Kim Campbell, uma senhora que teria proporcionado ao país um enorme salto qualitativo, graças à sua notável qualidade política e cultural, o que representou uma garantida e duradoura estagnação. O Canadá não gostou de ter perdido o comboio da história e esse mal estar é cada vez mais evidente.

Entre nós, durante muitos anos, pessoas de bem, entre as quais Paiva Couceiro e Norton de Matos, tentaram que Salazar encarasse de frente a independência das colónias e, portanto,  recebesse, mesmo que discretamente, os chefes naturais das etnias e os dirigentes dos movimentos pró-independência. O ditador recusou, iracundo, e quem deu esses conselhos caíu em desgraça, tendo-se visto mesmo enxovalhado pela Pide. O ditador colocou-se, e ao país, do lado errado da história, com os resultados sangrentos e dramáticos que sabemos. Tinham-se poupado muitos milhares de vidas e biliões em dinheiro que, investido, teria feito de Portugal um país próspero e moderno. Em democracia, o país voltou a ficar do lado errado ao não referendar a descolonização, em Portugal e nas colónias. Todos perderam com esse procedimento.

Em 1986, Portugal entrou formalmente para o clube europeu sem referendo à sua população, mantendo essa ausência de referendo todas as vezes que foi discutido um novo tratado. Foi abusivo e errado. Os resultados estão à vista: uma União Europeia dirigida por não eleitos que fazem gato sapato de todos os países do sul, para começar, uma União Europeia completamente economicista e neoliberal, leia-se sem princípios morais e completamente focada no empobrecimento progressivo dos povos que os não eleitos consideram inferiores e sem voz.

Consumado o abuso e abertas linhas de crédito abundantes, o governo português de então, liderado por Cavaco Silva, não se deu ao dever de consultar a população, as suas forças vivas, quanto a prioridades de investimento. Munido de certezas, o homem que nunca tem dúvidas nem se engana desprezou a agricultura e o mar, a educação e a saúde, a investigação científica e o conhecimento, as energias alternativas  e as indústrias de ponta. Preferiu o betão e as autoestradas, para prazer e proveito de mestres de obras, gasolineiros e bancos.Estavam as portas escancaradas à mediocridade e à corrupção.  Portugal ficou outra vez no lado errado da história.

Portugal continua no lado errado da História, porque caíu nas garras de um governo de obediência cega à Alemanha, essa que impinge submarinos (caríssimos) e exige que o nosso país empobreça. É preciso que o nosso país saia dessa posição, que restaure os valores morais e culturais do seu código genético. O seu povo não pode continuar a ser enganado, explorado e roubado por aqueles que vivem disso por lhes faltar engenho e arte para viverem de si mesmos.

Comments

  1. nightwishpt says:

    Eu concordava mais que seria o lado errado se todos os outros países não fossem pelo mesmo caminho, até os escandinavos.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.