Histórias para embalar ovelhas

(Passos Coelho efectivamente avisou ao que vinha senhor deputado. O vídeo do Ricardo Santos Pinto é a prova viva disso mesmo…)

Duarte Marques, qual cruzado passista, continua a usar do seu espaço gentilmente cedido pelo Expresso para simpáticas lições de propaganda social-democrata, conhecimentos quiçá adquiridos na universidade de Verão lá da jota, ora louvando Passos Coelho, ora veiculando falsidades, o que no fundo também se enquadra no acto de louvar o primeiro-ministro, esse exímio contador de mentiras.

Atrasado em relação aos opinion makers mais experientes do sistema, o senhor deputado trouxe-nos ontem a lengalenga do super Passos que deu uma nega ao cacique Salgado quando este já se arrastava pelas ruas da amargura. A imensa coragem dos cobardes que batem em quem já está no chão todo esmurrado e ensanguentado, fazendo disso algo épico, é de tal forma admirável que por momentos consigo ouvir um efusivo ruminar do herbáceo vindo das plateias que engolem este tipo de crap. Mas sobre isso já não há muito mais a dizer: cada um engole a porcaria que quiser e, convenhamos, para quem continua a venerar o PM aldrabão, engolir esta treta não nos deve admirar. O país que temos é em parte o reflexo desta gente que se rege por sistemas de dois pesos e duas medidas e que subalterniza a sua integridade em função do bem do superior interesse do partido, que na realidade se resume à manutenção do poder nas mãos da verdadeira elite que governa sobre a elite de políticos maleáveis.

Posto isto, o artigo de Duarte Marques não é mais do que um copy/paste de um discurso já gasto que assenta fundamentalmente na hipocrisia habitual de quem não só não assume os actos terroristas perpetrados desde o interior da sua estrutura como os tenta branquear. De quem enche a boca para falar de José Sócrates mas que se esquece dos Passos, dos Relvas, dos Branquinhos ou dos Dias Loureiros que se tem dentro de portas. De sujeitos para quem os assaltos levados a cabo pelas mais altas figuras do seu partido nada significam. De básicos propagandistas que falam em mudanças que não existem para atirar areia para os olhos do povo com as Legislativas no horizonte. Separar o trigo do joio senhor deputado? Não é abatendo um desamparado que isso se acontece. E o joio financeiro continua por ai à solta, não é por terem abatido um para dar o exemplo, ainda por cima um que muito provavelmente vai acabar por ver o seu processo prescrito, que alguma coisa mudou. Não mudou. Nada. Pare de enganar os portugueses, para isso já cá temos o seu chefe e o irrevogável.

Sim Duarte Marques, são sempre os mesmos. Mais ou menos metade vem do seu partido e outra metade do irmão gémeo socialista. A vossa elite esteve em peso ao serviço do agora renegado Salgado. Onde estava o seu dedo acusador nessa altura? Onde estava essa mudança de paradigma quando Ricardo Salgado comprou 2 milhões de acções da EDP ao mesmo tempo que o BESI assessorava a China Three Gorges que em 2011 acabou por ganhar o concurso de privatização da empresa? Onde estava o seu moralismo quando o dono disto tudo financiava o seu partido? E por falar na “teia de promiscuidade em que setores político, bancário e empresarial  viveram nos últimos anos”, onde estava o senhor deputado quando aquela teia chamada Tecnoforma foi exposta? Eu respondo-lhe: em lado nenhum.

Com que então “temos afinal um Primeiro-Ministro descomprometido, que não pertence às elites do costume”. Pára tudo: mas o senhor Passos Coelho não foi gestor da Fomentinvest e de não-sei-quantas outras empresas de Ângelo Correia? Empresas essas com ligações às elites do costume, das quais podemos destacar, que diabo, o próprio BES? E Miguel Relvas? E o consultor Dias Loureiro? Passos Coelho “Não busca populismo fácil”? Então que raio andou o homem a dizer aos eleitores durante a campanha para as últimas Legislativas? Que não era preciso aumentar impostos? Que não era necessário cortar salários ou pensões? Foi humor senhor deputado? Ou apenas mais histórias para embalar ovelhas? Deixe-se disso e vá mazé trabalhar!

P.S. – Permita-me citar o senhor deputado – “Apesar da espiral recessiva, da criminosa austeridade, de termos um bando de políticos incompetentes que nos governa, de termos um PM que foi líder da JSD, uma oposição irresponsável, apesar do caso BES….e sei seimlá que mais…a rating está a subir e os juros pagos pelos “tugas” a baixar!” – para lhe relembrar que os juros da dívida voltaram ontem a subir e que o défice orçamental das administrações públicas quadruplicou em apenas um mês. Ah, já me esquecia, a culpa é do TC. Como não podia deixar de ser. Afinal de contas são eles que legislam sem respeitar a lei portuguesa não é mesmo?

Comments

  1. Fernando Torres says:

    A ler com atenção, o título abaixo, e depois não digam que andam distraídos com os sunsets, em cada praia, um festival a cada canto, um punhado de artistas em cada terra, a soldo das tv’s, já para não falar da “cassete”, passada até à exaustão para ligar o 760, tal, tal, para o prémio fantástico, que pode ter ainda como cereja no topo do bolo o apresentador(a) a rebolar no chão no meio de um monte de confetis.
    Pobre país!

    Os mais abonados em dinheiro, giros, mas muitos vácuos e longe da realidade do país, vão para as grandes festas de passadeira vermelha, mais uma vez a soldo das tv’s, para o Algarve, onde milhares em pura histeria, quase orgásmica, lá estão horas a fio, para a foto da praxe, ou melhor, a selfie da moda.
    Podre país!
    Depois lemos coisas destas:

    António Costa diz que diferença entre PS e governo é apenas «no ritmo e na dose»

    Ler aqui:

    http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=721285

  2. fantunes says:

    um balde de merda no focinho desse deputado

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.