Nem o Charlie é Charlie

Charlie Hebdo despediu cartoonista em 2009 por gozar com os judeus

Comments

  1. Pedro Santos says:
  2. CaricaLaroca says:
  3. LindaMenina says:

    E já agora, nem o Aventar é Charlie. Perguntem lá ao Cardoso porquê.


  4. é o problema de se publicarem notícias não confirmadas.

    Trazer isto à baila é como ir para um casamento falar dos antigos namoros dos noivos.

    O caso passou-se entre Siné (grande amigo do Charb, do Cabu e do Wolinski) e o então director Philippe Val, cujo, por ser antigo director já não é director há mais de 5 anos.
    Philippe Val despediu Siné unilateralmente sem o consentimento da redacção do jornal (como lhe permite a lei fancesa) e contra a opinião da redacção.
    Quem morreu não foi Philippe Val, mas Char, Cabu, Wolinski, amigos do Siné cujo só pode fazer uma declaração de pêsames por se encontrar em estado grave no hospital.

    Publicando esta notícia, não somente estamos ofendendo Siné como a memória dos seus amigos mortos.

    VERIFIQUE SEMPRE AS SUAS FONTES E A ACTUALIDADE DAS SUAS NOTÍCIAS ANTES DE AS PUBLICAR


    • E a solidariedade não conta???? Convidaram-no a voltar????

    • JeSuisCharlieetSiné says:

      Ofendendo o Siné como a memória dos seus amigos mortos ??
      Essa é muito boa.
      A moralidadezinha no seu pior. Era contra este tipo de moralidade castradora que os dos Charlie Hebdo sempre lutaram.
      E morreram, porque alguém também achou que estavam ofendendo alguém.


      • não me faça de parvo
        os que vêm com essa história é que são da tal moralidadezinha.
        incomoda-os a liberdade sem limites que era o apanágio do Charlie Hebdo e vêm com estas calúnias para enganar incautos.

        Só que eu conheço esta malta desde o tempo em que o Charlie era apenas Mensal, mera separata do Hara Kiri.

        A mim não me engana, percebe ?


  5. compreendo que o beatério amante do políticamente correcto ande em polvorosa porque 2 a 4 milhões de franceses vieram para a rua dizer alto e bom som que se marimbam para o beatério e que aceitam ser “ofendidos” em nome da liberdade de expressão.

    é uma das razões porque gosto de viver neste país.
    A liberdade aqui fala sempre mais alto.

  6. Ricardo Santos Pinto says:

    A menos que se goze com os judeus, claro.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.