Da revolta de um filho…

… cuja mãe foi assassinada pelo gang que se senta nas cadeiras ministeriais.
Este texto veio ter comigo no Facebook e tem que ser conhecido. Foi, pelo que percebi, escrito a quente pela revolta de um filho que viu a sua mãe morrer em consequência das acções da corja que manda neste país. Até quando?
Nota: Embora se trate de um texto público, foi pedida autorização ao seu autor para aqui a incluir. Noémia Pinto


O texto que se segue é de João Carlos Silveira, filho de Maria Vitória Moreira Forte, nascida em  Idanha-a-Nova, no dia 10 de Fevereiro de 1925 e assassinada em Almada no dia 17 de Janeiro de 2015.

10941877_10203158973481244_5682059663682763368_n

Peço desculpa pelo que vou dizer mas ESTOU MUITO REVOLTADO!
A minha mãe acaba de falecer há uma hora e meia, no Hospital Garcia d’Orta e, depois de ter dado entrada cerca das 11:00 horas da manhã, só foi vista cerca das 20:15 horas, depois de inclusive eu ter participado de um Médico, para mim indigno da profissão que diz que professa e depois de muitas outras peripécias na Urgência deste Hospital!
Independentemente de todas as queixas que possa ter, de muitos “profissionais” que trabalham nesta Urgência, o culpado maior da morte da minha mãe é filho da outra senhora, que dá pelo nome de Pedro Passos Coelho e o gang dos seus lacaios!

Eu hoje vi de tudo naquela urgência… A título só de exemplo, à hora de almoço, as Voluntárias que davam sopa aos doentes em espera a certo ponto deixaram de dar, inclusive à minha mãe, porque já não tinham mais tigelas de plástico para servir sopa… Portanto, quando se acabaram as tigelas, acabou-se a sopa…
Independentemente de todas as queixas que possa ter, de muitos “profissionais” que trabalham nesta Urgência, a verdade é que são muito poucos para atenderem tanto doente… O Serviço de Saúde está uma miséria e o nosso querido filho daquela senhora, Coelho cada vez vive melhor!
Não há profissionais suficientes, não há material suficiente, não há camas suficientes, não há macas suficientes (um dos Bombeiros que levou a minha mãe esta manhã, ao chegar e ao mudar a minha mãe da maca da ambulância para outra maca, confessa-me que a outra maca também é dos Bombeiros de Cacilhas, que já lá têm algumas há vários meses, pois o HGO não tem macas suficientes…)
Como é possível que um conhecido que trabalha no HGO, cerca das 22:00 horas, ao tentar saber no sistema informático como estava o processo da minha mãe, tenha dado com a informação de que a minha mãe tinha tido alta à revelia do parecer do Médico, por vontade própria, com ela deitada numa maca, nos corredores da Urgência ligada ao oxigénio????
Como é possível que cerca das 00:00 horas, ao voltar para junto da maca, vindo da Sala de Espera (de estar a falar com o meu sobrinho) tenha dado com ela com dificuldades respiratórias e a senhora do lado me ter dito que já tinha chamada a atenção das Enfermeiras para isso e, que uma tinha ido lá abrir mais a pressão do Oxigénio, eu olho para o Manómetro da Botija e o mesmo estava a ZEROS e ninguém via que a botija já não tinha oxigénio nenhum???!!!
Estou revoltado, por tudo aquilo que passei, assisti e vivi hoje no HGO!!!
Como á possível que a Médica que atendia a minha mãe, cerca da meia noite, à 1:30 horas da manhã me dissesse:
Olhe, a sua mãe não está bem para ir para casa mas também não a posso internar, pois não tenho camas disponíveis… Assim, vai ter que ir ficando por aqui…
Isto não é possível a não ser num país de Terceiro Mundo, ou num país governado por verdadeiros gatunos, que não têm compaixão por quem está a sofrer, por quem tem (fazia dia 10 de Fevereiro) 90 anos, por quem precisa de ser atendido quando chega ao Hospital, por isso vai a uma Urgência, e não mais de 8 horas depois…
É UMA VERGONHA!

Comments

  1. António says:

    Eu ainda hoje disse a um amigo que se me aparecesse à frente o passos coelho nem lhe tentava bater, só dizia umas coisas. Mas depois de ler isto… nem consigo escrever o que estou a pensar. Quanto aos profissionais, infelizmente há alguns, não sei se são muitos, que chegam ao ponto de se comportar como autómatos, o que até poderia não ser mau para os pacientes se fossem autómatos bem feitos e não se tornassem negligentes (prova de que afinal ainda são humanos).


  2. é de facto uma vergonha.
    outra vergonha: na escola onde estou num contrato de inserção (já em si uma vergonha), uma criança de 11anos desmaiou na sala de aula. uma menina brasileira. uma menina calma, daquelas que não perturba a aula. por isso se calhar a professora sou deu com ela no chão. a criança não está inscrita num C.Saúde. chamam o INEM, a criança tem a tensão alta e diz ter problemas cardíacos. chamam a mãe (pq a menina deu o número, na escola não há nr da mãe correcto). a mãe chega e recusa a ida à urgência. porquê?
    ninguém sabe. nem ninguém quer saber. se calhar estão ilegais e ninguém quer causar problemas, quer para a mãe, quer, e principalmente para si próprio. não houve qq contacto com a segurança social. … quantas crianças estarão nesta situação?
    o que mais me surpreende é ninguém querer saber, e ninguém se revoltar, a não ser os atingidos, é ter-se perdido completamente a solidariedade, é acharmos que escrever no facebook vai tornar de alguma forma a coisa pública e que alguém nos ajudará
    estamos sós

    • Tiago Vasconcelos says:

      Não percebi aonde quer chegar. Acha que se deve legalizar todos os imigrantes ilegais, é isso?


      • Não. acho que a escola não se pode excluir deste problema, tal como o Ministério da Saúde no caso do seu amigo do facebook
        e quando começarem a morrer crianças nas escolas? algumas já desmaiam de fome…é um país do 3º mundo, mas todos com net, e 50 canais de tv, quem sabe um tablet

  3. Tiago Vasconcelos says:

    O Passos Coelho tem costas largas. Agora até é responsável pela competência dos profissionais que trabalham num hospital e pelo facto de os utentes insistirem em entupir as urgências com problemas que poderiam ser tratados num centro de saúde!
    Passos Coelho também é responsável por alguns portugueses acharem que o Estado Português conserva capacidade de continuar a gastar generosamente apesar da dívida pública ter quadriplicado (sim quadriplicado) desde 1995,


  4. Reblogged this on O Retiro do Sossego.

  5. Manuel Carlos Patrício says:

    Ir aos Centros de Saúde que têm sido fechados a um ritmo assustador ficando os poucos que restam quase sem médicos e sem enfermeiros e com horários reduzidos de atendimento?
    Sei do que falo porque eu e a minha família ficámos sem médico de família.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.