As prioridades de Pedro Passos Coelho

Passos aldrabão Finalmente Sou um Gajo Desempregado

Montagem@Finalmente Sou Um Gajo Desempregado

Entre ir além das imposições da troika e garantir a todos os portugueses o Direito à Vida, consagrado nesse documento aborrecido que dá pelo nome de Constituição da República Portuguesa, o primeiro-ministro não parece ter dúvidas. Salvar vidas sim senhor mas com juizinho.

Não deixa de ser caricato ver um primeiro-ministro ter esta postura face a problemas reais da dimensão da Hepatite C quando a sua esposa enfrenta uma doença tão abominável como o cancro. Teria Passos Coelho a audácia de usar o mesmo argumento quando em 2011, obcecado com o poder, debitava falsas promessas à velocidade da luz? Yeah right…

Comments

  1. Marquês Barão says:

    Se tivesse um bocadinho de pudor não chamava para aqui a doença da mulher do primeiro ministro. Um assunto de natureza politica trata-se com elevação independentemente de apoio ou critica á velocidade da luz.

    • Nightwish says:

      Devia ser obrigada a usar o serviço público, para ver o que é bom.


    • Pudor? Eu fiz uma mera referência e não me parece que a mesma tenha sido, de forma alguma, desrespeitadora da situação da senhora por quem não nutro qualquer tipo de sentimento negativo. Isso é paleio de saco caro Marquês Barão. A ideia aqui foi comentar a montagem em cima e a introdução desta “variável” é totalmente legítima. Paleio de saco? Não obrigado.

  2. rui geraldes says:

    Constituição da República? Aposto que ele nem sequer leu essa coisa.


  3. Nunca na vida o senhor Coelho pensou chegar a primeiro-ministro. Só neste país é que uma personagem destas, outrora coladora de cartazes, de pólo aos ombros e a pentear o cabelo para o lado (usando os dedos da mão), pode subir a um cargo destes. Nem no Burundi tal coisa se viu. Muito fraquinho!

    • Marquês Barão says:

      Bom critério para exclusões. O Guterres por exemplo também bota os dedos no cabelo para assentar a marrafa.


      • Então, eu explico-me melhor: BETINHO, foi o que Passos sempre foi. Não subiu a pulso, mas a “Passos” largos à custa de quem lhe foi dando emprego por encosto.

        • Marquês Barão says:

          A começar na assembleia da república é tudo pulsos doridos e calos nas mãos.


          • Concordo. A maior parte dos parlamentares não subiu a pulso. Mas, felizmente, alguns deles (em todas as bancadas) terão alguma capacidade para nos governar. Não é o caso do atual primeiro-ministro.

Trackbacks


  1. […] Mortes nas urgências, o triste episódio da escassez de medicamentos para tratar a Hepatite C, episódio esse que nos permitiu perceber que o primeiro-ministro valoriza mais o cumprimento do plan…, ou o declínio do SNS, apesar da propaganda regurgitada por Pedro Passos Coelho, são apenas […]


  2. […] preços incomportáveis mas que até queria oferecer umas quantas unidades do comprimido. Isto apesar da posição do primeiro-ministro relativamente a este problema ser muito clara. E tal como os impolutos ministros, também Ricardo Salgado se há de safar e regressar em breve […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.