Modus operandi – II

RA
É impossível tentar passar uma mensagem de “confiança”, pedir “respeito pelas pessoas” e simultaneamente usar imagens sem o conhecimento dos próprios e pior, mentindo quanto ao testemunho, pois as situações são falsas. Seria assim tão difícil contratar pessoas reais dispostas a oferecer o seu testemunho? Provavelmente não, mas levaria mais tempo e daria mais trabalho. É mais fácil telefonar entre gabinetes do aparelho partidário e tratar rapidamente do assunto entre boys e girls…
O lado trágico desta história não é a falta de competência da campanha do PS, mas saber que muitos destes boys and girls ocupam há décadas lugares de nomeação política e se preparam uma vez mais, para tomar conta dos destinos do país. O que explica muito do estado em que Portugal se encontra…

Comments

  1. Pedro says:

    António, um “profissional” (aqueles a que se refere o gajo desse cartaz ai em cima), não é um que contrata “pessoas reais”, como é óbvio, mas sim um que contrata outros profissionais, ou até boys, sem que o público se aperceba.
    Continua a fazer uma grande confusão entre a competência ou azelhice para conduzir uma campanha, com a capacidade para governar.


    • Conheço infelizmente demasiado bem a tralha partidária, do PS e não só, para ficar cada vez menos surpreendido com incompetências que resultam da ligeireza de processos. O pior é que são os mesmos que depois preenchem lugares de serviço público, normalmente através de nomeação política, com as mesmas práticas e falta de resultados. O resultado é Portugal em 2015. Acredita mesmo na competência e capacidade do PS para governar? Cá estaremos nos próximos anos, porque não tenho dúvida que apesar de tudo vai vencer as legislativas. E ninguém que possua algum grau de exigência e rigor, mesmo que ideologicamente mais à direita ou até vote na coligação governamental, pode lamentar que PSD e CDS passem a ficar sentados nas bancadas da oposição…

      • Pedro says:

        “Acredita mesmo na competência e capacidade do PS para governar?”

        Não sei, ainda tenho dúvidas. Mas isto não tem nada a ver com a porcaria dos cartazes. Olhe, um óptimo profissional, que vale o seu peso em ouro, é aquele que conseguir convencer a malta que este governo que lá está é o mais competente em 40 anos. Esse sim, contratava-o para departamento de marketing de uma empresa minha. Olhe, por exemplo, aquele tal Mauro Xavier, que não faço ideia de quem seja, trabalho se continuar com aquele tipo de pressão sobre o PS. Ganda Mauro. Mas isto pouco tem a ver com governação, certo? Não?


        • Completamente de acordo, mas conhece alguma empresa de sucesso que tenha um excelente departamento de marketing, com áreas de produção, comercial e financeira deficientes? É que costuma ser um todo, de contrário apenas se podem conseguir resultados esporádicos…

          • Pedro says:

            Esporádico? Ui… no comércio e produção houve sempre muita gente a enriquecer de forma permanente a vender banha da cobra. Ganhar eleições assim é que é esporádico, mas tem de se aguentar pelo menos quatro anos, paciência.

          • Nightwish says:

            A Microsoft, por exemplo…


          • Realmente não pensei nessa, desta vez rapidamente nos colocamos de acordo…

          • Nightwish says:

            Acaba por acontecer a qualquer grande empresa, seja quando contracta muito rapidamente, seja quando adquire outras empresas de tamanho razoável. Inevitavelmente, as várias equipas internas acabam umas contra as outras e começa o culto do powerpoint para mostrar quem trabalha mais.
            Se calhar fica surpreendido se eu lhe disser que o continente nem sabe se o cartão lhe dá lucro ou não.


          • Não fico surpreendido, porque o objectivo do cartão não é lucro, mas fidelização de clientes.


  2. Esse é que é o drama por trás dos eleitores; não terem alternativas credíveis para não se abster-em ou engolir outra vez o sapo e irem votar nos aldrabões da ultima vez.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.