Sócrates: a última carta

da prisão.

Imperfeito

Começa-se por tropeçar num tempo verbal: o pretérito imperfeito. Quem já não está connosco gostava, ria, comia, ia, costumava. O presente já não é possível porque o nosso presente não o é para ele, e apenas nos resta mantê-lo entre nós com esse artifício do pretérito imperfeito, situado num passado repetido na nossa memória, transformado num presente que é agora também imperfeito porque não existe. Digo “ele gosta” e logo me dou conta da impossibilidade, habituo-me à imperfeição do pretérito, obrigo-me a corrigir o tempo verbal como se o rigor gramatical fosse um auxiliar de cura, uma terapia, quase um amigo. “Ele gostava”. [Read more…]

A palavra *confiança*

é muito recorrente na propaganda política. Já foi escolhida pelo PSD (em 1995, com Durão Barroso, por exemplo) e também pela CDU, nas autárquicas de 2013. Há certamente muitos mais exemplos, de campanhas de todos os partidos políticos, em que a palavra *confiança* foi a estrela. É uma palavra muito apetecida pelo marketing político. Mas a nós, aos eleitores, dá-nos para desconfiar dela.

Num momento em que o PS está especialmente exposto à (compreensível) desconfiança que lhe dedicam tantos eleitores (e não, não me refiro à estafada história mal-contada da bancarrota do País, que a actual coligação e demais odiadores profissionais do PS lhe atribuem, como uma saca de culpas que apenas aos socialistas coubesse carregar), sobretudo desde a detenção de José Sócrates, é caso para perguntar: não se arranjava mesmo mais nada? Uma palavra normal e honesta, como por exemplo *recomeçar*?

confiança_PS_02_2015

Há uma distância cada vez maior, e até mesmo dolorosa de ver, entre o discurso político (velho) e os anseios dos cidadãos. Está tudo errado, nessa comunicação. Penso mesmo que a escolha da palavra *confiança* espelha o projecto eminentemente desconfiável do PS. Do PS bloco-centralista, que prefere sempre aliar-se aos outros sociais-democratas do PSD – e até mesmo aos seus neoliberais -, em vez de viabilizar (através de uma prática política diversa da que tem seguido) consensos à esquerda, que é onde, ainda assim, estão os únicos outros socialistas portugueses. O PS tem essa natureza híbrida.

Urge uma ruptura com toda esta linguagem, de que é exemplo também a frase inacreditável que afirma que *Sócrates Sempre*. Não há reforma possível, dado o adiantado estado de decadência deste discurso. [Read more…]

Algumas breves considerações sobre o PSD e não só…

Caro Paulo, o PPD foi fundado nos escombros da União Nacional, aproveitando a estrutura local que estivera até aí ao serviço do antigo regime, grande parte dela mais funcional que política. Numa primeira fase a matriz era de transição para o socialismo, depois começou a falar-se em social-democracia europeia, invocando várias vezes o liberalismo. O resultado foi um “catch all party” ao centro, à semelhança do PS, sendo tacitamente aceite por todos que um é mais centro-direita e outro centro-esquerda. À sua direita o CDS procurou um espaço central do espectro político, reclamando princípios de democracia-cristã europeia. A clivagem ideológica existe desde o 25 de Novembro à esquerda do PS, de resto a proximidade é total. O PS já conseguiu estar coligado no governo com CDS primeiro e PSD, na altura já mudara o nome, depois. A legislatura que agora termina, representa a 3ª vez que PSD e CDS formam governo. [Read more…]

Porque os sociais-democratas estão-se afastar do actual PSD.

O programa eleitoral da coligação PSD / CDS está muito longe da matriz social-democrata que defendo e que esteve na génese fundação do PPD / PSD pelo Dr. Francisco Sá Carneiro.

Lamento que o programa da coligação tenha uma marca mais forte do CDS do que do PSD. Um exemplo paradigmático é o Estado aparecer como assistencialista sendo que o desenvolvimento social é defendido à custa da contratação pública.

Entendo a social-democracia como uma ideologia em que o estado social deve assentar em três pilares basilares, a saúde, a educação e a segurança social. E estes pilares devem ser garantidos pelo Estado. Se assim não for estamos perante um regime assistencialista em que o Estado apenas paga aos coitadinhos dos pobrezinhos. Esta é uma visão inaceitável hiper-redutora do papel do Estado.
[Read more…]

O nome da Maria

Maria de Belém vai candidatar-se à presidência da República. Compreende-se, que diabo. Com aquele nome, a tentação é irresistível. Imaginem um título na nossa imprensa: “Passa a ocupar o Palácio de Belém a Dra. Maria do mesmo”…

Do dia mundial da fotografia

cunhal por eduardo granjeiroNo Dia Mundial da Fotografia [19 Agosto], permitam-me que homenageie um dos meus fotógrafos favoritos (Eduardo Gageiro) e, de caminho, o modelo, elemento da foto tantas vezes esquecido por anónimo e desconhecido. Não é este o caso, no entanto…

António Costa pisca o olho a Manuela Ferreira Leite

Será mesmo pela “identidade de pontos de vista muito significativa” ou apenas devido ao facto da senhora causar mais estragos no governo sozinha do que o PS em bloco?

Damage Control

Carlos Peixoto

O deputado social-democrata Carlos Peixoto, eleito pelo distrito da Guarda, um dos mais envelhecidos do país, tornou-se viral com um célebre artigo de opinião no jornal I, entretanto desaparecido na neblina da internet, onde afirmava, entre outras tiradas insultuosas, que “A nossa pátria foi contaminada com a já conhecida peste grisalha.“.

As reacções de indignação não se fizeram esperar, mas o agora cabeça-de-lista pelo mesmo distrito escusou-se na altura a comentar a polémica que o próprio criou. Remeteu-se ao silêncio, quem sabe se na esperança que o tempo e a avalanche de informação que nos é diariamente servida fizessem o seu trabalho. Enganou-se. Para o bem e para o mal, as campanhas eleitorais não perdoam, nos cartazes como nas afirmações idiotas. [Read more…]

Não é jornalismo José Gabriel, é demência

e se achas isto grave, o que dizer do 72º lugar do ranking ser entregue ao senhor Aníbal?