11.09.2001 – o dia que marcou o mundo para sempre.

11.09.2001

Esta foto mostra uma criança a caminhar, hoje, num parque em Winnetka, nos Estados Unidos da América, entre algumas das três mil bandeiras colocadas em memória das vidas perdidas nos ataques de 11 de Setembro de 2001.

Foi precisamente há 14 anos. O primeiro avião embatia, às 8h46, hora de Nova Iorque, contra a Torre Norte do World Trade Center. Este foi o primeiro dos quatro atentados levados a cabo nesse dia. Os outros foram contra a Torre Sul do WTC de Nova Iorque, às 9h03, um outro contra o Pentágono, às 9h37 e por fim um, às 10h03, em Shanksville, na Pensilvânia.

Em 77 minutos morreram 2996 pessoas, tendo ficado feridas 6291 pessoas, oriundas das mais diversas nacionalidades e credos. Este foi um ataque coordenado pela organização terrorista Al-Qaeda, liderada por Osama bin Laden.

A partir deste dia nada mais foi igual no mundo. Foram muitas as mudanças. O terrorismo passou a ser um dos alvos mais importantes dos EUA e da grande maioria dos países desenvolvidos do mundo ocidental. As nossas vidas também mudaram. Passamos todos a ser muito mais vigiados e controlados por muito que até às vezes não pareça. Passamos a viver debaixo de um enorme ” Big Brother “,  já narrado por George Orwell no seu livro, publicado em 1949, intitulado Nineteen Eighty-Four.

Os Estados Unidos responderam aos ataques do 11 de Setembro com o lançamento de uma guerra ao terrorismo, invadiram o Afeganistão para derrubar os Taliban, que abrigavam os terroristas da al-Qaeda. O mundo reforçou a sua legislação anti-terrorismo e ampliaram os poderes para uma aplicação mais rápida e efectiva da lei.

Osama bin Laden passou a ser o homem mais procurado do mundo e a sua  morte ocorreu no dia 2 de maio de 2011 durante a Operação Lança de Neptuno. No mesmo dia Barack Obama anunciou, ao mundo, que Osama bin Laden tinha sido abatido e morrido num esconderijo na cidade de Abbottabad, no Paquistão.

Apesar da morte de bin Laden o terrorismo passou a ser uma constante do nosso mundo. Muitos foram os ataques terroristas perpetrados durante todos estes anos apesar de um alerta mundial permanente. Entretanto algumas variáveis foram alteradas e hoje a maior ameaça terrorista surge a partir do  auto-proclamado Estado Islâmico, sendo que existe uma  forte suspeita que possuem armas químicas que estão a ser usadas contra civis e combatentes curdos na Turquia, na Síria e no Iraque. Multiplicam-se as imagens de corpos peles queimadas, com bolhas e de crianças e adultos com dificuldades respiratórias. Existe um convencimento generalizado que estes ataques são perpetrados pelos jihadistas  com gás mostarda produzido pelos próprios. Os tempos que se avizinham serão com toda a certeza muito difíceis também a este nível.

Comments

  1. Nightwish says:

    “O mundo reforçou a sua legislação anti-terrorismo e ampliaram os poderes para uma aplicação mais rápida e efectiva da lei.”
    E para o abuso da lei, como ter prisões secretas, listas de todo o tipo, racismo, espiar e guardar para sempre as comunivações dos próprios cidadãos, ter tribunais e leis secretas, entre muitos outros.
    A ameaça terrorista continua a ser a que sempre foi, praticamente nula quando comparada com outras causas de acidentes e mortes, mas assim é mais fácil espalhar dinheiro pelos amigos e controlar o povo.


  2. E depois? Tudo sardinhas minha senhora!

    No link que nos conduz ao Pentágono verifica – se que o edifício está em óptimas condições, pelo que o mesmo só teria interesse se a foto nos mostrasse a “fortificação” esventrada com o impacto do tal avião.


  3. Será oportuno relacionar os milhares de mortos no Iraque, Siria e Libia, bem como a onda de refugiados por todo o mundo e UE, com esta miserável visão de vingança do 11-9 e atuação dos angolsaxonicos na “luta antiterrorista”; realce a isenção que sofre uns dos aliados deles mais activos no apoio ao terrorismo =a Atabia saudita e o seu Wabismo salafita.. os anglosaxonicos sempre se deram bem com a discriminação positiva (para os cofres, claro)