O autocarro de António Costa e outras coisas que o regime paga com o nosso dinheiro

Costabus

Existem autarcas que não percebem que os sites ou as contas em redes sociais de que a autarquia ou freguesia que governam dispõem não podem nem devem ser utilizadas para fins eleitoralistas que sirvam os seus partidos. Para isso existem as páginas das estruturas locais dos seus partidos ou mesmo as suas páginas pessoais. Colocar aquilo que a todos pertence ao serviço do partido A ou B é um abuso e uma manifestação expressiva de falta de maturidade democrática que ilustra bem aquilo que se passa em muitas autarquias deste país, transformadas em instrumentos ao serviço da manutenção do poder das castas do costume.

Os responsáveis socialistas da freguesia de Lardosa, distrito de Castelo Branco, parecem estar entre os acima descritos. Mais do que colocar autocarros à disposição daqueles que pretendessem marcar presença no comício de António Costa, fizeram uso da página de Facebook da freguesia que, ao invés de se limitar a comunicar actividades e assuntos de interesse para os habitantes de Lardosa, surge aqui instrumentalizada pelo Partido Socialista, que oferece a boleia para o comício e ainda garante um petisco. E ainda que seja o PS a pagar a despesa do autocarro e do petisco, é vergonhoso que um partido use recursos que não lhe pertencem para fins meramente eleitoralistas.

Mas não pensem que isto é caso isolado e exclusivo de socialistas. No meu concelho, a Trofa, a instrumentalização de meios de comunicação da autarquia é também uma realidade, mudando apenas os protagonistas, que neste caso são uma fotocópia da coligação PàF. Não se oferecem boleias para comícios de Pedro Passos Coelho – tanto quanto sei – mas a disseminação de propaganda na página do Facebook da Câmara Municipal da Trofa não é novidade por cá.

De resto, a coligação PSD/CDS que por cá temos assemelha-se, em muitos aspectos, ao que de pior as tropas de Passos Coelho e Portas fazem em Lisboa: ajustes directos suspeitos, que vão desde a empresa até há bem pouco tempo detinha um jornal local criado durante a pré-campanha das últimas autárquicas, extremamente simpático para o actual poder político, que por sua vez lhe ofereceu cerca de 24 mil euros para um concurso de fotografia medíocre e uma revista que pouca gente saberá por onde anda até aos ajustes directos no valor aproximado de 66 mil euros feitos à designer desse mesmo jornal, que coincidentemente foi contratada para ser designer de um festival de cinema organizado pela autarquia que, apesar de ter sido uma boa iniciativa, custou 60 mil euros e esteve às moscas; perfis anónimos no Facebook, Marias Luz locais para fazer o trabalho sujo que certos bandalhos não podem fazer ou lá se ia a falsa imagem de honestidade e seriedade que procuram incutir nos trofenses; obras públicas calendarizadas em função de períodos eleitorais como circular à Trofa, alternativa-remendo que visa retirar o tráfego da N14 do centro da Trofa, reconduzindo-o para outra zona central e habitacional do concelho, que foi anunciada há poucos meses, publicada e Diário da República no final da passada semana e cuja conclusão, caso os prazos sejam cumpridos, acontecerá em cima das próximas autárquicas. Que conveniente!

A título de curiosidade, e para fechar o assunto, adivinhem lá quem tem contado com o apoio incondicional da concelhia do PSD Trofa, uma das maiores do país, na distrital portuense do partido: isso mesmo, Marco António Costa. E quem é que a CM da Trofa contratou em regime de avença? O amigo Bolota Belchior, contratado pela autarquia e por uma empresa municipal cuja directora, para além de esposa de um destacado militante do PSD local, foi nomeada pelo executivo PSD/CDS-PP após a sua eleição. Já agora, sabem quem é exerce funções no conselho de administração da Infraestruturas de Portugal, empresa que engoliu a Estradas de Portugal, fundamental no processo da circular? Adriano Rafael Moreira, um dos “homens de mão” de Marco António Costa denunciados pelo meu colega Paulo Vieira da Silva às autoridades. Tudo coincidências, claro!

Enfim, podia continuar por muitas linhas, mas estou certo de que nas vossas terras não faltarão este tipo de coincidências. Entre petiscos e favores, autocarros e ajustes directos, os tentáculos do bloco central são monstruosos e açambarcam tudo em seu redor. Não admira que ganhem eleições.

Comments


  1. Ou, heil a puta que te pariu?

  2. Ferpin says:

    Não deixa de ter piada que vá buscar a imagem do FB duma freguesia do PS que nunca ouvi falar, e depois a coisa quando entra pelo PSD vai crescendo para uma conhecida câmara, e para as nomeações dos amigos do Marco António.


    • Caro apoiante do PàF, com todo o respeito, note que os textos que eu escrevo vão pelo caminho que eu quiser. Não querendo ler tem um óptimo remédio, não lhe parece?

      Mas tem piada? Óptimo, é sempre bom proporcionar alguns sorrisos aos nossos leitores, mesmo aos que não gostam de mim.

      • Ferpin says:

        Não quis perceber o que digo ou está a gozar?

        Você titula que o estado paga o autocarro do Costa, e depois percebe-se que nem sabe se o que titulou é verdade ao pôr a hipótese de o Costa pagar ele o autocarro e o único mau uso da coisa pública ser o uso de sites oficiais (que na minha opinião já é grave, mas na sua duvido que tenha moral para o fazer depois de tanta manipulação dos média como é este artigo)

        Portanto, se eu apoiasse o par de aldrabões não me queixaria do seu conceito de verdade nas notícias.

  3. Rui Silva says:

    Não devemos esquecer que a própria campanha é paga pelo contribuinte, através do montante do dinheiro dos impostos que os políticos determinam dar a si mesmos para a campanha.

    cumps

    Rui SIlva