Quem manda no PSD? Passos Coelho ou Marco António?

Tomada de posse do XX Governo Constitucional

A SIC fez ontem notícia do caso em que o deputado Miguel Santos se terá recusado a fazer o teste de alcoolemia invocando a imunidade parlamentar. O texto que publiquei na passada segunda-feira e que serviu de base aos meus pedidos de abertura de inquéritos ao sr. Ministro da Administração de Interna e ao Director do DCIAP, relativamente a este caso que envolve o deputado do PSD, ainda não obtiveram qualquer tipo de resposta.

O pedido que também fiz anteontem ao Presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, para retirar a confiança política e abrir um processo disciplinar a Miguel Santos também ainda não obteve qualquer resposta. Aliás outras missivas que, nos últimos meses, tenho enviado, através de email, para o Presidente do PSD também não têm obtido qualquer resposta.

Parece-me que perante as muitas situações que são públicas é caso para perguntar: afinal quem manda no PSD é Pedro Passos Coelho ou Marco António Costa?

Talvez fosse muito útil ao nosso País saber quem é o presidente de facto do PSD. Os portugueses mereciam ter esta resposta para poderem saber com o que contar do Partido Social Democrata até porque uma coisa é Passos Coelho, outra coisa completamente diferente é Marco António.

Estou convicto que os portugueses terão estas mesmas dúvidas e partilharão das minhas opiniões e preocupações no que diz respeito à verdadeira e efectiva liderança do PSD.

foto@rr

Comments

  1. urubu says:

    Votaste nos dois !! Mandam os dois.

  2. doorstep says:

    E cá pra mim quem manda nos dois é o irrevogável, que vê mais com os dois de cima fechados do que a dupla com os seis abertos…

  3. Santiago says:

    O Relvas mandava no Passos, o MAC manda no Relvas logo, por maioria de razão o MAC manda no Passos e o Paulo ajudou a elegê-los.
    Se o marido bate na mulher ou vice-versa o melhor a fazer, para além da parte policial, é os dois seguirem caminhos diferentes, logo, para bem da sua honestidade intelectual e nossa sanidade mental, desfilie-se de uma vez do PSD e entre, ou não, num outro projeto político.

    • joão lopes says:

      eis a resposta tipica que se esperava da actual direção do PSD.ou seja,quem não concorda com o grande lider(quero la saber que seja o MAC) …rua.

  4. Rui Moringa says:

    Sr. Paulo Vieira da Silva,
    Leio com muita atenção o que escreve porque tenho consideração por si, como cidadão, na missão que decidiu empreender.
    Não nos conhecemos mas isso, não é, para aqui, relevante.
    O título do seu texto é, apenas isso, um título que procura uma resposta à interpelação mais geral sobre o ensurdecedor silêncio que têm merecido as suas missivas dirigidas aos dirigentes do PSD.
    O sr sabe, com toda a certeza, que quando as questões, as perguntas são incomodas, são votadas ao silêncio de quem lhes deveria responder.
    Percepciono que sabe que não esperaria que lhe respondessem, mas mesmo assim, pergunta, interpela.
    Do meu ponto de vista faz bem.
    Santo António, como não obtinha resposta para as suas interpelações da parte dos seus concidadãos, foi pregar aos peixes.
    Aqui, no Aventar, os leitores podem ser, simbolicamente, os peixes.
    Alguns comentários perecem-me lateralidades relativamete ao que está em causa na sua “luta” que já disse (escreveu, também) qual era.
    Deus o ajude.
    Pela minha parte lê-lo-ei com atenção e consideração.
    Da mediocridade não reza a história…Ou se reza, será uma história mediocre, não gloriosa.
    Cumprimentos.

  5. marau56 says:

    Claro que que é o Marco António! Ele e o Relvas!

  6. martinhopm says:

    Diz o comentador: «(…)uma coisa é Passos Coelho, outra completamente diferente é Marco António.»
    Será que está a ver bem o problema? Nota alguma diferença?!
    Repare, mesmo sendo você um importante militante do partido, não lhe deram cavaco. O que é que esperava?! Se não lhe respondem a si, menos respondem a vulgares cidadãos, pagadores de impostos, como é o meu caso. Escrevi cartas a Maria Luís Albuquerque, em 14 de Maio; a José Matos Correia, em 07 de Setembro; a Pedro Passos Coelho, em 10 de Outubro; a Luís Montenegro, em 13 de Outubro e as respostas que recebi foram iguaiszinhas à sua.

  7. Laurinda Freitas says:

    Quem manda no PSD e em Portugal, são meia duzuia de grupos económicos e a banca…


    • E como somos um povo fora do normal consentimos tudo, um dia destes vamos acordar e reparar que a democracia que temos não nos inclui pois ainda não elegemos ninguém, com respeito aos politicos que temos, fazem parte de um sistema que não presta por tanto não prestam.

  8. práfrentex. says:

    mais uns dias e ninguém votou nesta cambada . É o costume .


  9. Se há homens sombra que nos partidos manobram em silêncio, nao o podemos garantir enquanto nao houver provas concretas de tal situaçao. Sá Carneiro, por exemplo, tinha vârios inimigos dentro do partido que manobravam nas suas costas, como o que impediu que o Cessna estacionado no aeroporto de Faro desco-
    lasse para Lisboa a fim de o transportar para o Porto, na noite fatídica. Quem o afirma é o Cid, amigo do defunto Primeiro-Ministro, no seu livro de investigaçao ao * atentado * de Camarate. Lembro-me que uma das condiçoes para aderir ao PSD, era a de nao estar comprometido com o regime anterior. Hoje, porém, sabe-se que o nosso Presidente era informador da polícia política, esteve no partido, foi ministro das finanças de Sá Carneiro e chegou até aqui. O que, penso eu, nao teria sucedido
    se a verdade fosse dita. Quanto ao caso de figura, parece-me que Marco António é o homem da sombra, que faz e desfaz ministros, e que o Dr. Passos Coelho está muito longe de ter as suas capacidades políticas. Simplesmente, como nas grandes revoluçoes, os que aparecem na frente acabam pour sucumbir
    às maos dos seus verdadeiros mentores. E se tudo continuar como duranre estes últimos quatro anos, é muito natural que ainda antes do fim da próxima legislatura o vejámos num cargo
    que nunca antes pensáramos. Aguardemos…Para já, penso que PassosCoelho está a ser cozinhado em lume brando, antes do grande incêndio. Um verdadeiro político nunca agiria como ele tem agido sem que ninguém o incomodo. Até ao dia do trambolhao.