Carta do Canadá – Estes dias inquetantes


Há uma menininha em Alepo, obrigada a viver no meio da guerra, que escreve um diário e conta como corre o seu tempo de martírio. Um dia destes, em pleno bombardeamento, pôs as mãozitas a tapar as orelhas e perguntou ansiosa: “Deus, estás a ouvir”? A imagem correu mundo e devia pôr de rastos os que fazem a guerra, dum lado e do outro da trincheira, se eles ainda tivessem um resquício de consciência, de pudor, de vergonha. Mas a guerra continua no desgraçado Médio Oriente e um pouco por onde recursos naturais são motivo de cobiça, um pouco por todo o lado onde se dá largas ao fanatismo mais criminoso.  Dolorosas as reportagens que mostram os milhões de refugiados desses países a encherem os caminhos do mundo, os acampamentos de acaso, as crianças violadas e raptadas, o abandono por parte dos países ricos, a intolerância e a raiva pregada por arautos ansiosos de ditadura. Apenas os países mais economicamente fragilizados, como Portugal, a Grécia e  Itália, os acolhem com o pouco de que dispõem.  A Europa, que se quis exemplo de democracia e civilização, ergue muros e dá largas à discriminação. Fora da Europa, também os Estados Unidos exibem um muro e ouvem promessas doutro por parte dum candidato a presidente da República, o Trump da ignorância, da estupidez, do descaramento, o membro dum partido que não se afligiu com isso e apenas se sobressaltou quando vieram a lume sórdidas aventuras sexuais. Este é o Partido Republicano e a sua bitola moral.

O mundo está a sofrer a ditadura do dinheiro, a religião da banca, servidas por políticos neoliberais que não passam de capachos de forças obscuras, salvo raras e honrosas excepções. Natural é, pois, que os povos temam o pior e desconfiem de todos os comparsas da política global.

E assim se compreenderá a esperança com que foi recebida a eleição de António Guterres para o cargo se secretário geral das Nações Unidas. Porque todos puderam ver o bom e empenhado trabalho que fez como Alto Comissário para os Refugiados.  Não se permitiu cruzar os braços e descansar, antes andou numa roda viva por todos os lados onde multidões de infelizes precisavam de ajuda. Não se poupou a esforços para angariar fundos. Trabalhou como um escravo. É um verdadeiro cristão e um justo. São legítimas as esperanças nele depositadas.  Não colhem as crónicas, que fedem a vómito de vinho, com que alguns pretendem denegri-lo – como,  no tempo em que Guterres foi primeiro-ministro, fizeram, de forma injusta e cruel, mesmo quando se sabia que tinha a sua mulher entre a vida e a morte. Mas essa falta de respeito está-lhes no ADN.  Quando Sócrates tinha acabado de perder o pai e o irmão, atiraram-se a ele como num verdadeiro linchamento esses críticos que vivem bem em todos os regimes e situações.  A nomeação de Guterres deve ser para eles um insulto, como para outros o é um orçamento aprovado, uma descida do desemprego, um défice prometido a Portugal e Bruxelas. No nosso país, há sempre uma corja de serviço. Mas o povo que trabalha, sofre e paga impostos, não é dessa laia.  Sabe dar valor a quem o tem.  E sente-se honrado quando um de nós é convidado a ajudar o mundo.

Comments

  1. anónima says:

    “Fora da Europa …”
    Pensei que fosse falar da Rússia, uma vez que começou a falar da Síria e de Alepo.

  2. E ainda mais Rússia na Siria: http://www.abrilabril.pt/alepo

  3. anónima says:

    Lendo este post, e já depois do meu último comentário, pedia-lhe a sua opinião: porque é que a actuação da Rússia no plano internacional é tão pouco escrutinada e discutida ao contrário da atuação da UE e dos EUA? Quando, no caso particular de Alepo, a Rússia é conivente (participa diretamente?) no bombardeamento de populações civis sem qualquer preocupação com “danos colaterais”?
    Não há abaixo-assinados, petições, manifestações junto à embaixada, …? Na sua opinião, porquê?

    • anónima says:

      É impressionante como a simples formulação de uma pergunta, ainda sem resposta, tem 2 rate downs! A uma pergunta!

  4. A.Silva says:

    Há uma menina em Alepo que é abjetamente objecto de manipulação por criminosos que querem destruir o seu povo, a Síria. Criminosos pagos por dementes monarcas do golfo e armados pelos países da nato.

    E depois há quem se preste a replicar esta abjecta, nojenta e criminosa farsa.

    • anónima says:

      “Criminosos pagos por dementes monarcas do golfo e armados pelos países da nato.”
      De resto, nada a dizer.

  5. fleitao says:

    Anónima e outros:
    Porque não falei da Rússia por ter indicado “fora da Europa”. Fico perplexa: a Rússia não está na Europa? Não tinha dado por essa deslocação. E para onde foi? Ou será que se entende por Europa apenas a União Europeia?
    O meu post pretendia apenas trazer de novo à superfície o problema dos refugiados e o acerto da eleição de Guterres para o cargo de secretário geral da ONU. Apenas isso. Não ter conseguido fazer-me entender, é falha minha: escrevo mal, é o que é.
    Quanto ao papel da Rússia no trágfico embróglio da Síria, faço parte dos que aguardam algo que esclareça o teor das negociações com os USA. Falharam? Onde e porquê? Ou a Rússia saltou por cima de tudo na sua fidelidade a Assad e no seu desejo de marcar presence imbatível no Médio Oriente?
    John Kerry deve essa explicação ao mundo.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s