Nossa Senhora da Censura

Fotografia Fecebook/Gate 7

Devido à intervenção da Igreja, o cortejo do Carnaval de Torres Vedras vai ficar privado da imagem de Nossa Senhora da Bola, criação satírica de Bruno Melo. Ou seja, quem se mete com a Igreja continua a levar.

O ser humano será, segundo dizem, o único animal que ri. Não chego a perceber se a Igreja se dá mal com o humano, com o animal ou com o riso, mas fico com a impressão de que lida mal com esta trindade, em nome da outra.

As instituições, de uma maneira geral, dão-se mal com o riso, com a ridicularização. O Carnaval é uma prova disso mesmo, porque é uma falsa tolerância, um escape controlado, um alívio anual da pressão, tal como um professor pode dizer a uma turma para rir ou falar durante cinco minutos.

A Igreja tem vindo a perder poder sobre a sociedade civil, sempre contra a sua vontade. Só a contragosto, e de modo muito mal disfarçado, é que aceita que os estados sejam laicos, porque, no fundo, sonha com o controlo total. É um projecto de poder que se esconde por puro pragmatismo.

Sempre que pode, a Igreja continua a dar provas da sua pequenez, especialmente quando alguém resolve rir-se de Deus ou dos santos. Ao censurarem a sátira, estão a inferiorizá-los, como se fossem seres demasiado frágeis para que se possa brincar. Na realidade, Deus e os santos são do tamanho de quem os adora: o homem é um animal tribal e não aceita que se brinque com os símbolos da sua tribo, o que mostra que, na religião, na política e no desporto, não somos mais do que macacos engravatados. Ou de sotaina.

Comments

  1. Ana A. says:

    Pois é!

    É que os votantes católicos devem ser bastantes lá na autarquia.

    E nestas parcerias laico-católicas é mais avisado agradar a gregos e a troianos, não vá o diabo tecê-las…


  2. Uma mistura de tacanhez intelectual e idiota beatice.
    .

  3. Mário Reis says:

    A igreja tinha tanto a ganhar se utilizasse neoblanc… e deixasse a água benta

  4. antero seguro says:

    Pessoalmente não estou nada de acordo que se brinque com valores de carácter religioso com os quais embora tenhamos o direito de não aceitar não devemos achincalhar quanto mais não seja por respeito para com os outros. O autor desta brilhante ideia lá conseguiu os seus 5 minutos de fama.

  5. Luís Lavoura says:

    Neste post fala-se da Igreja, mas ao que parece tratou-se de uma intervenção somente do padre da paróquia de Torres.
    Não se deve confundir a Igreja com um padre.
    A Igreja em geral não será tão tacanha e intolerante como alguns dos seus membros.

    • António Fernando Nabais says:

      Está pulsão censória é regra nas instituições e a Igreja não é excepção. Diria mesmo que a censura lhe está na massa do sangue. No texto, até fui mais longe e declarei, de modo não completamente explícito, que a censura é intrinsecamente humana, porque tentamos, de uma maneira geral, calar quem brinca com os nossos valores.

  6. Miguel Bessa says:

    Muito mau sinal!
    Demonstração da falta de inteligência de quem tem de recorrer à censura.

    De qualquer forma, e já que era uma critica á futebolização da sociedade, era giro ter uma Nossa Senhora vs um Alá! Entre censurar ou um atentado? Eu sei de que lado estou.

    • ZE LOPES says:

      Eu cá preferia o Bolsonaro, vestido de gladiador, com um escudo com o Coronel Ustra estampado e uma lança a lutar com dois leões ao mesmo tempo no Campo Pequeno. Circo por circo, este seria muito mais divertido!.


  7. é a Bida, se até o sistema informático das finanças está sobre a influência do Espírito Santo!

  8. JgMenos says:

    Toda a nova idiotice é inovação criativa…!


  9. Talvez não tenham gostado que se gozasse com a moderna religião nacional!…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.