Não sabes o que é um Golden Shower, Bolsonaro? O Trump ou o Frota explicam-te

JB.jpg

Jair Bolsonaro, o fascista que chegou ao Planalto nos ombros do fundamentalismo evangelista e do conservadorismo mais puritano, fanático e hipócrita que existe por aqueles lados, decidiu brindar os seus milhões de fãs e seguidores com um video onde podemos ver um folião, em plena loucura do Carnaval brasileiro, a enfiar um dedo no rabiote, a que se seguiu o agora famoso golden shower. E parece que a coisa não caiu muito bem entre os seus mui devotos apoiantes, que não ficaram nada satisfeitos com a publicação, que consideraram obscena e um atentado às suas crianças, que pelos vistos já nascem com contas nas redes sociais. [Read more…]

Nossa Senhora da Censura

Fotografia Fecebook/Gate 7

Devido à intervenção da Igreja, o cortejo do Carnaval de Torres Vedras vai ficar privado da imagem de Nossa Senhora da Bola, criação satírica de Bruno Melo. Ou seja, quem se mete com a Igreja continua a levar. [Read more…]

A semana que passou

O entrudo veio à rua e confirmou-se que a terça-feira de Carnaval é dia de chuva, antecedido e precedido de abundante sol. Más notícias para as nádegas com Parkinson, como lhes chamou Bruno Nogueira.

carnaval

Tivemos uma semana pródiga em disfarces, com os nossos políticos a usarem máscaras, mesmo para além da quarta-feira de cinzas. Foi o que aconteceu hoje, quando o nosso ex-Primeiro-Ministro afirmou não conhecer “nenhum facto que, há (sic) luz das disposições legais, impeça o governador Carlos Costa de fazer o seu mandato.” Disfarçou-se de  despercebido, ao fazer de conta que não percebeu que os documentos da reportagem “Assalto ao Castelo” trazem para a ordem do dia uma questão que tinha ficado por responder: Porque é que o governo PSD/CDS reconduziu Carlos Costa como Governador do Banco de Portugal, sabendo o que se sabia na altura?

Mas este não foi o único folião da semana – já lá vamos, logo depois de sublinhar uma mais coisita. [Read more…]

La cucaracha

Há coisas que uma pessoa não pode fazer em Espanha e uma delas é tomar café. A não ser, claro, que o café seja de marca portuguesa. Tenho, por isso, uma pequena lista de lugares onde sei que posso pedir um café sem riscos de maior e lanço mão dessa lista sempre que necessário. Na manhã de Carnaval, estava eu a tomar o pequeno-almoço num desses sítios já conhecidos, quando entra um grupo de mulheres vestidas de Thermomix. Eram quatro cinquentonas, descaradas, de risada sonora e língua afiada. A Thermomix, talvez não saibam, é uma instituição em Espanha, uma máquina liquidificadora e processadora de alimentos, dessas que fazem sopas, sumos de fruta, pão, soufflés,  queques fofos. As folionas traziam uns chapéus muito vistosos, com frutos, peixes, salsichas de plástico, e no peito uns botões com diferentes velocidades, mesmo a jeito para que os homens atrevidos lhes perguntassem se podiam dar ao botão. Podiam ser quatro “chicas Almodóvar”, ou pelo menos a isso aspiravam, embora os chapéus remetessem inevitavelmente para a “Pequena Notável” de Marco de Canaveses. [Read more…]

Um bom dia para tirar a máscara…

… e colocar outra.

Ainda vai a tempo de experimentar.

Lusofonia arrasa no Carnaval do Rio

Escola vencedora foi financiada pelo mais recente membro da CPLP, o regime do carniceiro Teodoro Obiang.

Admitem-se Deficientes com ausência de Braço ou Perna (m/f)

zen_spa_satori

“com capacidade de imitar monstros como zombies, psicopatas, fazer sons e feições assustadoras, etc…”

Apontamento em sábado de Carnaval

Se não fosse a RTP nem me apercebia que é Carnaval, tão ausente essa tradição está do Canadá inglês. Assim, tomei o pequeno almoço ao fim da manhã e de seguida fui ao cineminha do meu bairro ver O Filho de Deus, ontem estreado, confesso que curiosa de ver Diogo Morgado num filme sério de grande fôlego. Gostei, da interpretação dele e do filme. É natural, sou cristã, o filme sensibilizou-me. Mas se o não fosse, ninguém me poderia tirar a simpatia e o orgulho  por um compatriota jovem que, a exemplo de milhares doutros, teve de rumar ao estrangeiro porque na Pátria os chamados poderes públicos são exercidos por gente ignara, bronca, tosca, que tem vindo a espezinhar tudo quanto lhe cheire a Cultura, a Ciência, a Pensamento. Oxalá todos os nossos jovens encontrem a sua hora de oportunidade no estrangeiro. Ao menos isso.
[Read more…]

É carnaval…

O Carnaval deixou de ser feriado. O Turismo ficou a perder. A realidade é outra: hoje, dia de carnaval, as escolas não trabalham, parte das câmaras municipais não trabalham e o país fica parado ou a meio gás. Ou seja, o carnaval deixar de ser feriado é uma treta! Todos ficam prejudicados com esta medida: os que trabalham e os que não trabalham.

Bom senso é o que falta….

Querem Obrigar-nos a Não Trabalhar!

GENTE SÉRIA E TRABALHADEIRA

Os Verdes, gente trabalhadora e virada para o bem comum, quer ajudar o povo Português a viver bem. Dessa forma, entendem estes senhores que devemos ser obrigados a não trabalhar no dia de Carnaval.

Abençoado esquerdismo, rótulo que cada vez mais é sinónimo de … (não, não digo que é feio).

Presidentes de Juntas de Freguesia do Porto atravessaram a ponte ou…

Luís Filipe Menezes em férias

No Público de hoje Menezes é visto como inconsequente.

Não poderia estar mais em desacordo. O sr ex-Presidente de Gaia, candidato a Presidente do outro lado do rio, é completamente consequente.

Ontem, sábado, inaugurou um pavilhão desportivo onde estiveram presentes inúmeros Presidentes de Junta, bem como responsáveis de associações e clubes da cidade.

Pequeno detalhe: os Presidentes e responsáveis eram do Porto.

Pequeno detalhe dois: a inauguração era em Gaia.

Mais consequente que isto…

Tristezas não pagam dívidas.

Não deixa de ser curioso que, em tempo de crise, a principal discussão das últimas semana tenha sido sobre o Carnaval. O país nunca deixou de rir, mesmo quando o mais natural fosse estar a chorar. Portugal é um imenso alfobre de piadas, humoristas e artistas circenses. Os políticos são malabaristas, o cidadão aquele Zé Povinho boçal, anafado, risonho e borracho. De resto, um país que se identifica com tamanha criatura, que ri de tudo, mesmo quando está prestes a perder a casa, a perder o emprego e a ficar sem comer, só pode ser um povo escolhido. Ele não precisa de quem o guie, abomina os políticos e os governantes, mas adora assistir às manigâncias deles, entre uma talhada de melancia e um copo de vinho verde.
Na Grécia está tudo a ferro e fogo, lá onde a comédia foi inventada e vive lado a lado com a tragédia. Cá, os homens vestem-se de mulheres e mangam do primeiro-ministro, que lhes tirou o feriado. Um feriado de e para brincar. É assim este quadro, que de tão ridículo chega a ser grandioso. Às vezes aparece alguém a dizer-se o novo D. Sebastião (Afonso Costa, Salazar, Mário Soares, Cavaco Silva…), mas não é preciso. Em 500 anos a coisa até tem corrido bem, dadas as circunstâncias. É uma gestão curiosa que nunca resultará em tumultos: os políticos e as elites roubam as duas fatias maiores do bolo, o povo – conquanto o político não se roube mais de dois terços anui – e reparte entre si a última fatia. É um roubo absolutamente democrático e consentido: uma mão lava a outra e as duas lavam as dos outros.
A coisa nunca resultará como na Grécia, em incêndios, feridos e ódio. Quando muito, por cá, mataremos um ou outro político à gargalhada, com matrafonas, gigantones e carros alegóricos. As nossas pistolas são bisnagas com água.

Gaia com Carnaval e com neve

Passos disse e Menezes nem pensou duas vezes – foi para a neve  e deixou a casa entregue ao seu Vice. Choveram as explicações! Com mais ou menos fartura todos perceberam que em Gaia houve um feriado do tamanho da lista de potenciais candidatos ao lugar do Presidente que não vai continuar. Ainda se tentaram construir pontes entre as duas cidades, para ver se poderíamos estar na presença de BUDA+PESTE…

Estamos então num outro ponto – Menezes quer saltar para o Porto, um salto do tamanho da ponte.

Um pincho que Rui Rio não vai dar no sentido inverso.

E por cá?Como é que fica?

Marco António estava na linha da frente, mas preferiu dar um saltinho maior e ir para o governo. O Filipinho, entenda-se, o filho do Sr. Presidente, era o senhor que se seguia – ele, que candidato a deputado visitou escolas públicas em dia exame nacional, distribuindo canetas aos pequenos e promessas aos docentes.

Era… Era, mas não é porque não daria muito jeito uma disputa entre pai e filho pelas margens do Douro.

Sobra uma terceira escolha – será que irá para a neve no próximo Carnaval?

Seria natural num processo de transmissão de poderes tão pouco acertada.

O Carnaval dos contratos colectivos

Disse o ministro da destruição da economia que a culpa de o país não ter cumprido o encerramento da terça-feira de Carnaval é dos contratos colectivos.

Agora percebo a verdadeira intenção da coisa (além de mostrar serviço a uma troika em visita): colocar a contratação colectiva do trabalho na berlinda.

É um velho sonho da concertação social, que por natureza se concerta sempre para o mesmo lado. Num mundo perfeito cada trabalhador é chamado ao patrão, ou aos “recursos humanos”, e metem-lhe umas folhas de papel à frente. Assine aí se faz favor, se não assinar a porta da rua é a serventia da casa, e já agora à saída mande entrar as centenas de candidatos ao seu emprego que estão lá fora à espera.

Mais de um milhão à espera já, têm só falta o resto, ou pelo menos retirar os sindicatos do assunto, que sobre uma comissão de trabalhadores espevitada é muito mais fácil exercer represálias.

Por estas e por outras, onde se lê austeridade, produtividade e flexibilidade deve ler-se trabalho sem direitos e aumento da prepotência e dos lucros, é tudo a mesma coisa.

A Troika no Carnaval do Porto

Exemplar: Carnaval em Gaia

Pode ler-se hoje no Público: “O presidente da Câmara de Gaia, o social-democrata Luís Filipe Menezes, não vai estar hoje na autarquia, apesar de não ter dado tolerância de ponto aos funcionários, ao contrário do que fez Rui Rio no Porto. Menezes está a gozar umas curtas férias na neve.”

Parlamentares do PCP e do BE estão bem uns para os outros

Calaceiros
Não passam de uns calaceiros que tudo fazem para não trabalhar.
Envergonham qualquer trabalhador digno desse nome.
Mas o Parlamento, quer estes senhores queiram quer não, vai estar a trabalhar, mesmo que falem, e falem, e falem, e falem.

Carnaval nas escolas

As relações laborais são reguladas pelo código do trabalho ou código laboral ou pacote laboral, seja lá o que lhe quiserem chamar. Há também contratos coletivos e no caso dos Professores há um documento  – o Estatuto da Carreira Docente – que é uma espécie de contrato coletivo para quem trabalha nas escolas públicas.

Um dos pontos (artigo 91º) refere-se às interrupções letivas, isto é, às paragens previstas no calendário escolar: momentos em que os alunos não têm aulas e que são quase sempre confundidas com férias de professores por quem anda menos atento.

E, para o ano escolar 2011/2012 o calendário escolar é claro – “Interrupção letiva entre 20 e 22 de Fevereiro de 2012, inclusive.” [Read more…]

Volta a Portugal em Blogues: Aviscosidades com Foral


«Estarreja já é primeira!” …não se sabe bem em quê, exactamente; Sempre é melhor que ser terceira pois é uma posição imponente. Quando Estarreja começar a ficar mal pegamos na classificação e viramo-la ao contrário.»
É assim que o blogue regional de Estarreja Aviscosidades com Foral dá as boas-vindas aos internautas portugueses. Um blogue ao qual cheguei por ter citado o Aventar no momentoso caso da presença da Fanny no Carnaval de Estarreja.
Com uma regularidade assinalável, o autor debruça-se sobre os problemas do concelho de forma impagável e tendo como alvo, não raras vezes, a Câmara Municipal. Para mim, que não estava a par da actualidade de Estarreja, foi difícil conter as gargalhadas perante uma escrita mordaz e irónica e com um sentido de humor que não costumo ver com frequência. Recomendo vivamente.

Carnaval

Por JOÃO PINTO

Carnaval é um “conjunto de brincadeiras e festejos que ocorrem nesses dias” ou por “grande divertimento ou festa”. A fazer fé nesta definição, o Entrudo, ao contrário do que se diz nos órgãos de comunicação social, já começou e foi antecipado pelos partidos políticos.
Em vez do tradicional dia de Carnaval, os partidos políticos decidiram que haverá 15 dias de Carnaval. A comunicação social, os sindicatos, o Governo e muitos portugueses não quiseram ficar de fora desta brincadeira. Se correrem bem estes 15 dias, os partidos políticos, acompanhados pelos sindicatos, comunicação social e muitas personalidades importantes da nossa sociedade, prometem continuar a fazer palhaçadas e brincadeiras depois do dia de Carnaval.

Com tantos dias para gozar a verdadeira folia (ainda faltam 15 dias para o dia de Carnaval), como é que alguém pode ter a coragem de pedir mais um dia?

Será que, ao tomar a decisão de não dar tolerância de ponto no dia de Carnaval, o Governo apenas quis dizer “vamos arregaçar as mangas, já brincaram muito este ano”? Será que esta atitude do Governo tem como objetivo principal proibir as palhaçadas em Portugal? Será que os partidos da oposição e os sindicatos consideram que as brincadeiras são um direito adquirido? E a Constituição, será que prevê as palhaçadas?
Será que esta medida é anticonstitucional? Estas perguntas sugerem, em forma de brincadeira, mais umas conversas carnavalescas.

Por falar em Carnaval

Carnaval, carnaval, carnaval

Depois de anos como assunto oficioso, a parvalheira é agora tema oficial das discussões políticas deste país falido. E quanto custa o pagode? Usando um trabalho do Público sobre o carnaval de 2011, vemos que quatro municípios (Ovar, Mealhada, Torres Vedras e Loulé), só em dinheiro vivo, deram para esse carnaval 950 mil euros, ao qual se somou apoio logístico e humano, este num valor não especificado. Noutro ponto de vista, em ajustes directos entre 2009 e 2011 (detalhes; dados recolhidos com o auxílio do site Despesa Pública),  2,882,505.67 € saíram directos do bolso dos contribuintes para a folia.

[Read more…]

Até Parece que o 1º de Dezembro ou o 5 de Outubro São Menos Importantes que a Terça-Feira de Carnaval

UMA CAMBADA DE PARVALHÕES

Quando o senhor Primeiro Ministro anunciou que não iria haver tolerância de ponto para o funcionalismo público, brinquei com o assunto colocando a canção de Jacques Brel “Ne me quittes pas”.

Estava longe de imaginar que os responsáveis políticos nacionais colocassem essa questão na ordem do dia e do fim de semana, de tal modo que pareceria que nada mais fosse importante.
Eu entendo que os responsáveis pelo Carnaval e “corso” carnavalesco das terras onde ele se verifica anualmente e traz muita gente para assistir, tenham aproveitado os 15 minutos de fama que esta atitude do governo lhes deu, e bradassem aos céus, arrepelando os cabelos, gritando que desta forma iriam cair numa desastrosa falência.
Eu entendo que os políticos de carreira, que nada mais sabem fazer do que isso, mandatados pelos seus chefes, viessem para a praça pública, lançar invectivas contra o governo e contra o seu responsável máximo.
Eu entendo que sindicalistas, [Read more…]

Não se percebe, não!

Nem pão nem circo

Louvo a decisão de Passos Coelho: quem tira o pão em coerência também deve tirar o circo. Agora, e em coerência, espero os veementes protestos da Igreja: o Carnaval é uma festa tão religiosa como o Natal, ambas de origem pagã e a seu tempo adoptadas pelo cristianismo versão Vaticano.

O facto de esta medida apenas atingir a função pública (no privado, porque não se trata de um feriado, cada um sempre fez o que entendeu), tem um toque de crueldade socrática em ritmo de samba. E lá chegaremos ao fim do ano como o país da Europa que mais dias e horas trabalha e menos por isso recebe. Uma combinação perfeita para a festa final: esta gente vai sair vestida de alcatrão e penas, o traje mais que merecido. Vai ser um carnaval.

Ah Carnaval, Ne Me Quitte Pas

NÃO HAVERÁ TOLERÂNCIA DE PONTO NO CARNAVAL, CUSTE O QUE CUSTAR

.
NINGUÉM PERCEBERIA SE ASSIM NÃO FOSSE!

Ne me quitte pas

Não à Fanny no Carnaval de Estarreja!


A população de Estarreja está em polvorosa e desatou a lançar petições na internet. Porque o desemprego cresce no concelho? Porque a terra tresanda?
Não, o bom povo de Estarreja fez valer os seus direitos cívicos porque a Fanny da Casa dos Segredos vai ser a próxima starlet do seu famoso Carnaval. Primeiro apareceu uma petição contra a sua presença, agora apareceu uma a favor. Neste momento, o sim à Fanny no Carnaval vai à frente com 545 signatários, contra 295 apoiantes do não.
Infelizmente para todos eles, estas petições não têm efeitos legais. O Nuno Resende explicou-o bem a propósito de um assunto bem menos sério, a destituição do Presidente da República.

Carnaval em Portugal

Mais um ano, mais um Carnaval que na maior parte do país, é estrangeiro, sendo que neste ano, e por causa da crise e das crises, a contenção de despesas tenha obrigado a que sejam muito menos os artistas do outro lado do Atlântico convidados a ‘abrilhantar’ as festas.

Continuam no entanto por aí uns senhores, e uma parte significativa da população, a fazer corsos, à moda do Brasil, com as miúdas nuínhas e tudo, a desfilar debaixo de chuva e cheias de frio, e a tentar dançar samba, despidas com as roupas do Carnaval do Rio.

Até quando?

Por muito bonito que seja, por muito alegre que seja, não é nosso, não é da nossa tradição, não está bem.

Felizmente ainda há por aí umas terras onde se faz o dito à nossa moda, com as nossas tradições a imporem a sua valia. São todavia uma pequena gota no charco da nossa vida.

Mais um ano, mais um Carnaval importado apesar de cada um lhe chamar ‘à moda da sua terra’.

Tenho saudades dos outros tempos. [Read more…]

O Carnaval é sempre que um político quiser

Por mero acaso, o Entrudo coincidiu com mais um festival carnavalesco concebido e protagonizado por notórios elementos da nossa classe política.

Há gente formada em Direito que, obrigatoriamente, sabe que não se elegem Primeiros-Ministros, mas sim deputados para o Parlamento de cuja representatividade partidária votada em maioria sai a formação do Governo. É esta a concepção da nossa Constituição. A mesma que é sempre tão enaltecida a par das conquistas de Abril e do cravo na lapela, mas que depois, tal como a Bíblia, é “interpretada” conforme as conveniências.

O desafio da moção de censura lançado por destacados militantes do PS, além de espelhar desespero de causa patético, configura um insulto à inteligência. Não é o Governo que está sob suspeita, mas sim o seu Chefe que, repito, pode ser perfeitamente substituído nos termos da nossa Constituição.

Tal não acontece porque se vive numa hipócrita fantasia de Carnaval, em que Chefes de Partidos e Chefes de Governo são a mesma pessoa, e se quer convencer que tal não afecta o regular funcionamento do Parlamento. Evidentemente que afecta, pois que cumpre ao Parlamento vigiar e sindicar o Governo, e logo o Chefe de Partido maioritário é o Chefe do Executivo. Além de que, numa situação como a que se vive agora, esta perversão só serve os interesses da dramatização: se cai o Chefe de Governo cai o Chefe de Partido e é o caos! Santíssima Trindade!

Mas o PSD não podia ficar atrás. Mais concretamente, Paulo Rangel, que insiste na ideia que a sua candidatura é sustentada na ruptura. Mas em ruptura com quem? Com a actual Direcção do PSD que apoiou e enalteceu? Ou com a ruptura da unidade do PSD?

Este burlesco momento político que se vive é bem revelador das fragilidades e incongruências da nossa intelectualidade política.

Isto é puro Carnaval: máscaras e fantasias. Mas falta-lhe a graça do samba, pois que por cá o que temos é triste fado.

O rebanho, a família PS, o pregador no deserto e o carnaval

O PS parece preferir a fuga para a frente quando se sente acossado. O ataque é a melhor defesa, postulam os socialistas, esperando encontrar Cavaco encostado ao seu reduto defensivo. Talvez seja esta a forma de desviar as atenções relativamente aos recentes escândalos envolvendo o governo e meios de comunicação social e aos reais problemas do país, como é o caso do desemprego, que atinge, pela primeira vez, os 10%.

Os acionistas da PT, por sua vez, esperam que Granadeiro e Zeinal Bava se expliquem sobre o caso da “alegada” compra da TVI. Para que as atenções não se desviem do caso, contribuem também os trabalhadores da PT, dispostos a tirar a limpo as revelações do Sol sobre o envolvimento da empresa nos planos de controle dos media por parte do governo. Sempre alerta para tirar partido dos momentos de crise está Joe Berardo, nem que seja para ir lançar pequenas provocações e minar o terreno, enquanto no deserto vai pregando Mário Lino, de quem ninguém parece sentir saudades. Mais dia, menos dia, é vê-lo num destes lugares.

O Carnaval ameaça durar 365 dias por ano. Aproveite e faça furor.

%d bloggers like this: