Conversas vadias 32

Sejam bem-vindas, e bem-vindos, à trigésima segunda edição das “Conversas vadias”.

Desta feita, os vadios foram António de Almeida, Carlos Araújo Alves, José Mário Teixeira e João Mendes (que entrou em andamento). E, ainda, a assinalar, a ausência especial de António Fernando Nabais, por razões de sono estético.

Temas da vadiagem: o Orçamento do Estado; o cai ou não cai o Governo; o papel e o futuro dos partidos políticos da Esquerda à Direita; líderes partidários e candidatos; o papel(ão)do Presidente da República; os desejos íntimos (políticos) de António Costa; bazucas e bombas avulsas; impostos e serviços públicos; a crise e a transição energéticas e os caminhos da Europa; e Rabo de Peixe e o inquérito aos crismandos adolescentes (incluindo sobre sexo fora do casamento ou até mesmo com animais). Para finalizar, as habituais sugestões que contaram com cinema, música e televisão (lulas incluídas).

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Conversas vadias 32
/

Paulo Rangel, a crise política e a incompetência da direita

Apesar de situação delicada em que se encontra a esquerda e, em particular, o governo de António Costa, o PSD decidiu, uma vez mais, dar a mão ao regime vigente. Bem sei que Paulo Rangel tinha a coisa bem estudada, montou e pôs um prática um plano bem pensado e estruturado, e até contou com o contributo de altas personalidades do partido, que, de forma mais ou menos dissimulada, se prontificaram a apoiar o assalto ao castelo da São Caetano. Azar o deles, a política não é uma ciência exacta e as sondagens autárquicas não se confirmaram, oferecendo a Rui Rio um prémio de consolação que foi bem para lá do expectável e daquilo que está direcção do PSD podia aspirar. E que pôs em causa o plano de Paulo Rangel, que contava com um desaire nas Autárquicas para chegar, sem sobressaltos, ao topo da hierarquia do partido.

Sucede que já era tarde demais para Rangel recuar. E com o exército passista mobilizado à sua volta, com a perspectiva de regressar ao governo e de pôr as mãos na bazuca, colocar o plano em lume brando já não era opção. Vai daí, Rangel não teve outra opção que não fosse avançar. E Rio, com toda a legitimidade, decidiu defender a sua posição, depois de três anos e meio de travessia no deserto. É natural que não queira ser o António José Seguro de alguém que, ainda há meses, dizia estar de pedra e cal com o ainda líder do PSD. E com razão, diga-se. E escrevo isto com a certeza que Rangel está em melhores condições para derrotar Costa nas urnas.

[Read more…]

IRS e bazuca – preparação das legislativas de 2023

As alterações dos escalões de IRS a serem propostas para o OE 2022 incidirão, obviamente, sobre os rendimentos de 2022. Significa que a diminuição de impostos que venha a existir, seja em maior ou menor escala, será visível em 2023, algures entre Abril e Junho, na altura do reembolso.

Este anúncio terá impacto real nas vésperas das legislativas de 2023.

Quanto ao ouro do Brasil, perdão da bazuca, quero dizer, a oportunidade irrepetível (depois do dinheiro da CEE, fundos estruturais, etc.), digo, do PRR, neste ano já nada acontecerá. Para o ano será a apresentação e aprovação de projectos. Os quais se concretizarão em 2023. Ano de legislativas.

Ao se manifestarem contra o OE, PCP e BE já terão feito as contas eleitorais. O PS também.

Conversas vadias 30

Aos 30 dias de Conversas Vadias, declarámos solenemente que aceitamos patrocínios. Empreendedores e empresários, chegai-vos à frente, vadiai connosco. Com a presença dos quatro resistentes Carlos Araújo Alves, José Mário Teixeira, António de Almeida e de António Fernando Nabais, falou-se do artigo de Cavaco Silva no Expresso, do desperdício talvez endémico de dinheiros europeus, do empobrecimento e da pobreza que não são desígnios nacionais, a revolução verde, da bazuca, do CDS, de Nuno Melo, do CDS de Nuno Melo, da automutilação da esquerda mais preocupada em aguentar o governo e do alarmismo tudólogo à volta das aprendizagens perdidas, sendo que a sobremesa foi constituída por suculentas sugestões, que passaram pelo cinema, pelo vídeo, por leituras, coisas de causar diabetes só de ouvir.

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Conversas vadias 30







/

Conversas Vadias 26

Na vigésima sexta edição das Conversas Vadias, estiveram presentes os vadios João Mendes, Orlando Sousa, António de Almeida, José Mário Teixeira, Diogo Hoffbauer, Francisco Miguel Valada, Carlos Araújo Alves e António Fernando Nabais. Vadiou-se pelo primeiro lugar do campeonato nacional de futebol, criticou-se o modo como o PS está a tentar influenciar as eleições autárquicas, de bazuca na mão, passou-se por Ferro Rodrigues como carrasco e como vítima, aventou-se a possibilidade de ser necessário passar a usar fralda para combater a pandemia e fizeram-se sugestões de livros, de museus, de séries de televisão e de lições de vida que incluem o amor ao próximo, dependendo do próximo.

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Conversas Vadias 26







/

Pandemia evidencia a relevância da regionalização

A regionalização é ainda assunto de melindre e pouco consentâneo, mas os países regionalizados evidenciam características particulares que permitem à União Europeia conhecer e responder melhor às populações locais.
Ontem e hoje, por exemplo, ficámos a saber que a Região Autónoma da Madeira entrou, e bem, na “lista verde” da Irlanda, de Inglaterra e Escócia, situação que só poderá acontecer às duas regiões autónomas que temos, tendo o Continente agregado como um todo, com todas as NUTS (regiões) a influenciarem-se negativa e positivamente umas às outras.

Penso ser tempo de repensar com ponderação a questão da regionalização, sem esquartejar o país em quintais como tentaram outrora, mas tão-só reconhecer as regiões de Portugal que a União Europeia já reconhece.
Para mais, com a bazuca anunciada, faria todo o sentido que cada região pudesse decidir como investir para melhor rentabilizar os investimentos estruturais.
Entretanto, e a talhe de foice, parece muito bem avisado irmos rapidamente e em força para Sevilha!

Esqueceu-se dos escravos?

Marcelo pede que se aproveite a bazuca como não se aproveitou o ouro e as especiarias