‘Trumpesque’ ban

A primeira página do jornal “The National” tornou-se viral depois de Theresa May ter excluído este jornal de uma conferência de imprensa. Assim vai a liberdade informativa.

“‘Trumpesque’ ban”, assim lhe chamou o jornal.

Caledonia 

Ouçamos a Rainha

Britain's Queen Elizabeth meets First Minister and SNP leader Nicola Sturgeon (R)  as she attends the opening of the fifth session of the Scottish Parliament in Edinburgh, Scotland July 2, 2016. REUTERS/Jane Barlow/Pool

Britain’s Queen Elizabeth meets First Minister and SNP leader Nicola Sturgeon (R) as she attends the opening of the fifth session of the Scottish Parliament in Edinburgh, Scotland July 2, 2016. REUTERS/Jane Barlow/Pool

 

“Vivemos e trabalhamos num mundo cada vez mais complexo e exigente, onde os acontecimentos podem suceder e sucedem a uma velocidade notável, e onde manter a calma e o auto-controlo pode ser difícil”.

 

 

Cantora pop humilha Donald Trump

DT

Um idiota será sempre um idiota.

Próximo país a aderir à UE:

(República da) Escócia.

O plano para matar a Nessie

A imprensa inglesa noticia hoje que o Museu de História Natural, em Londres, concebeu um plano monstruoso para capturar e assassinar o impropriamente chamado “Monstro” do Lago Ness, essa esquiva e pacífica criatura chamada Nessie, e que o caro aventador Francisco Miguel Valada em tempos me elucidou que é tido, pelos locais, como sendo uma menina.

O perverso director do Museu à data (estávamos nos primeiros anos da década de 1930) contratou “caçadores de cabeças” que teriam como missão rumar à Escócia, assassinar a Nessie e enviar a sua carcaça para que fosse exibida em Londres. Caso não conseguissem cumprir a missão com êxito absoluto, deveriam pelo menos enviar uma barbatana, um maxilar, um dente, qualquer troféu arrancado ao corpo da pobre criatura. [Read more…]

Estupefacção

58 52

Ontem, alguns habitantes do planeta Terra terão ficado estupefactos com esta sondagem da CNN. São coisas que acontecem — ou, como diz o Guardiola, “son cosas que pasan. Contudo, ao contrário dos espectadores da CNN, os leitores do Diário da República já estarão tão habituados a estrangulamentos e constrangimentos, na forma de contatos, fatos e seções, que muito provavelmente já não há estupefacção que os afecte. No entanto, como o Conselho Científico do Instituto Internacional da Língua Portuguesa garante não ter identificado nem estrangulamentos nem constrangimentos, é porque eles certamente não existem.

Sim, hoje, no Diário da República:

Curriculum Vitae atualizado, detalhado, datado e assinado, acompanhado dos documentos comprovativos dos fatos naquele descritos, nomeadamente em que contem a formação e experiências profissionais, respetivas áreas e duração (os fatos curriculares não acompanhados dos correspondentes documentos comprovativos não serão considerados);

(…)

A lista unitária de ordenação final dos candidatos, após homologação, é afixada no placard da seção de recursos humanos desta Autarquia e disponibilizada na sua página eletrónica em www.cm-castroverde.pt, sendo ainda publicado um aviso no Diário da República.

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

Escócia e o lobo mau

Não, não tenho a certeza de qual é a melhor escolha para os escoceses. A complexidade da questão e a ausência de propostas de caminhos e opções políticas para além da independência pura e simples levam-me a reservar entusiasmos e suspender a opinião, até por não dominar grande parte das variáveis em jogo. Além do mais, tenho as maiores reservas sobre o referendo como instrumento de deliberação democrática – por razões que podemos discutir noutro lugar e em diferentes condições.

Mas coisa bem diferente é não reconhecer o direito dos escoceses tomarem a sua decisão sem ameaças torpes vindas do poder – de todos os partidos parlamentares – político e económico inglês. Tais ameaças vêm de todo o lado. Até a União Europeia já resmunga ameaças. Mesmo Platini e a merdosa UEFA se sentem no direito de ameaçar! Os últimos dias têm sido um compêndio da arte de fazer uma campanha suja. [Read more…]

I wish a good day for freedom

O flower of Scotland
When will we see
Your like again
That fought and died for
Your wee bit hill and glen
And stood against him
Proud Edward’s army
And sent him homeward
Tae think again [Read more…]

Pela Alba independente, sonhar não é pecado

ESCOCIA-

Não acredito que o dia de hoje acabe com uma Escócia independente. Conheço tão bem a perfídia da Velha Albion, sou português, ou seja nativo de uma ex-colónia britânica (e às vezes ainda parecemos) que duvido sempre quando se trata de a derrotar.

Une-me aos escoceses essa mesma História, o Walter Scott que me sabe sempre ao travo doce do malte da infância, a parte Astérix das terras que os romanos não conquistaram, a gaita-de-foles catedral dos instrumentos e nem por isso o uísque, que os prefiro de outras paragens.

Mas acima de tudo sou escocês como sou palestiniano, basco e catalão, irlandês ou galego, filho de uma pátria conseguida com mais sorte que juízo e muito sacrifício, seja os dos que caíram no séc XIV ou nos levantamentos populares que forçaram a fidalguia ao golpe de estado de 1640 ou em tantas outras guerras mais esquecidas, e por isso solidário com os povos que outros sequestraram.. [Read more…]

Please say yes…

SCT

 

 

 

 

 

 

-Os assuntos de qualquer nação apenas a ela dizem respeito. Considero positiva a realização do referendo na Escócia. Como também defendo o mesmo princípio para o País Basco, Catalunha e nem me importaria que Portugal para satisfazer a vontade de muitos monárquicos realizasse uma consulta para decidir o regime político. No final há que respeitar o resultado. Principalmente os estrangeiros, como eu, era o que mais faltava ter uma palavra a dizer nos destinos de qualquer nação que não a minha. A Democracia pode ser uma maçada para alguns e nem sempre estamos de acordo com as consequências da livre escolha. Mas não existe sistema melhor. No entanto confesso estar a torcer por uma vitória do Sim à independência da Escócia.

Banca escocesa

Como é que se diz nos filmes? Não é uma ameaça, é um aviso.

Pandas

Em 1998   após um referendo , e pela primeira vez desde o inicio do Sec. XVIII  , a Escócia voltou a ter um Parlamento  . Foram logo estabelecidas as regras para as futuras eleições    de maneira a impedir que qualquer partido obtivesse uma maioria absoluta , pensando sobretudo no Scottish National Party (SNP)  que , para os defensores da União , vinha aumentando de popularidade de forma preocupante .

Porém em Maio de 2011 , e sob a liderança de Alex Salmond , para muitos o mais brilhante , sagaz e astuto politico do ainda Reino Unido , o SNP obteve uma retumbante vitória e a tal julgada impossível maioria . E fê-lo prometendo ao eleitorado  referendar a independência da Escócia   , quase certamente em Junho de 2014 . A escolha da data é tudo menos inocente , pois  será nessa altura que se comemoram os 700 anos da famosa batalha de Bannockburn e a vitória do pequeno exército Escocês , comandado por Robert the Bruce , Rei da Escócia , sobre uma muito mais poderosa força Inglesa .

É verdade que o First-Minister Salmond propunha que nesse futuro referendo constassem além do Sim ou Não à independência , uma terceira alternativa que seria algo de intermédio , uma “devolução máxima” dos poderes do Parlamento de Westminster ao Parlamento de Holyrood  ; tudo suficientemente vago que permitisse negociar e negociando manter a integridade do Reino Unido . [Read more…]