Acção e reacção

A Terceira Lei de Newton será, por ventura, a de mais simples compreensão, ao alcance de todos, mesmo dos que não tenham estudado física: a toda acção há sempre uma reacção oposta e de igual intensidade; ou as acções mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas em sentidos opostos.

Explica coisas complexas, tais como a natureza de algumas respostas.

acção e reacção

Mas não explica tudo, como se comprova pelas declarações de um certo sujeito, que prefere ignorar que a maior actividade de defesa da lei por parte do Tribunal Constitucional tem origem, precisamente, no governo que mais leis inconstitucionais tem, propositadamente, feito. [Read more…]

O adiantado

Nunca gostei de Braga de Macedo, nem como ministro nem como comentarista. O seu descomunal ego esmagava-lhe o mérito que eventualmente tivesse (e que, valha a verdade, independentemente de questões muito técnicas, nunca lhe vislumbrei). Mas só hoje constatei que o homem pode portar-se como um verdadeiro canalha, ao ver-lhe uma intervenção num forum internacional sobre a Constituição da Republica Portuguesa.

Lambendo os pés – pelo menos – aos donos, mentiu, conspirou contra os interesses do seu próprio país, exibiu a moral de um rato de esgoto. E era a esta criatura que alguns jornalistas muito populares cá na praça chamavam “adiantado mental”.

A prosa de Paulo Portas embotada pelo Expresso

Estava o meu fim-de-semana (com hífenes, claro) a decorrer tranquilamente, quando alguém teve a excepcional ideia de me dar a ler um texto publicado hoje, na Revista do Expresso, em que Filipe Santos Costa nos indica que Paulo Portas terá escrito,

em Agosto de 1988, sobre Miguel Cadilhe,

Quem promete números tem de os cumprir. Quem fala algarismos tem de ser exato. Quem faz a política do rigor não pode desconversar.

em 1992, sobre o Tratado de Maastricht,

(…) é a própria conceção de uma Europa de negociação e respeito que está em causa dando lugar à chantagem dos mais fortes sobre os mais fracos (…)

em 1993, sobre Braga de Macedo,

Não há um número certo não há uma conta exata não há uma previsão verificada.

e, no último texto como director d’O Independente, em 1995,

O objetivo do défice obriga a renúncias sociais que o eleitor nem sonha ou então a uma vaga de despedimentos na administração pública.

Terei começado a ler episodicamente O Independente poucos meses depois das linhas sobre Cadilhe [Read more…]

Catroga e a EDP não são pentelhos!

A fama de Catroga ganhou mais popularidade desde a célebre entrevista à SIC Notícias. Ousou empregar a expressão “pentelho” e o rubicundo homem, queira ou não, em conversas sociais passou a ser alcunhado como o “gajo do pentelho”.

No lugar de “pelo púbico ou pubiano”, Catroga preferiu o calão para afirmar que não é homem de causas menores, sem importância ou valor. Comprovando tratar-se, de facto, de um predestinado para viver os prazeres do sublime e da renúncia de ninharias, temos agora a sua nomeação como presidente do Conselho Geral e de Supervisão Eléctrica na EDP, função em que auferirá 639 mil euros anuais, ou seja 45 mil euros mensais a acumular a mais de 9.600 euros de pensões.

Ainda segundo o jornal “i”, Catroga defende-se e argumenta que descontou 40 anos para o sector privado e 20 para o sector público. Se estes períodos fossem complementares – sem qualquer coincidência entre os mesmos – então o rubro mas leonino ex-ministro teria trabalhado desde os 9 anos. Nasceu em Novembro de 1942. Se assim não for, o homem sempre foi um sábio da acumulação e continua a acumular à grande e à francesa.

Mas atenção, para ajudar à festa a EDP também é há muito um reino da megalocefalia: grandes cérebros (Mexia, Catroga, Celeste Cardona, Braga de Macedo, Teixeira Pinto e não sei quantos mais), remunerações regulares e prémios chorudos e, para concluir, elevados preços e taxas cobradas aos consumidores. Agora digo eu: “Na EDP, nada de pentelhices!”.