Odorico Paraguaçu é o Secretário de Estado da Energia

Odorico Paraguaçu é uma personagem aparentemente ficcional (porque é a realidade que, de tão absurda, parece verdadeira ficção). Odorico ganhou as eleições para a prefeitura de Sucupira, graças ao seu verbo e à promessa de criar um cemitério. Este espaço, depois de inaugurado, ficou às moscas, porque as pessoas insistiam em não morrer, para raiva e desgosto do prefeito.

João Galamba, uma criação socrática reciclada por António Costa, deslocou-se ao concelho da Guarda, na qualidade de Secretário de Estado da Energia, e, anunciando investimentos na região de uma empresa chinesa conhecida por EDP, levantou o queixo na direcção dos munícipes, exigindo-lhes que consumam mais, quase anunciando que, caso não o façam, serão mal agradecidos. Se coubesse ao Estado abrir bordéis, sendo Galamba secretário de Estado da prostituição, imagino o que estaria a exigir, neste momento, aos habitantes da Guarda.

Já se imagina, entretanto, nos lares egitanienses, as reprimendas que os pais passarão a dirigir aos filhos: “Então tu, minha besta quadrada, vens para a sala e apagas a luz da cozinha? Tu queres a ruína da Three Gorges, queres que o senhor Mexia tenha menos uma gravata  e que o senhor Galamba receba um puxão de orelhas do senhor primeiro-ministro? Vá lá acender a luz e aproveita e liga dois aquecedores, já! O que é que disseste?! Estamos no Verão? Ó rapaz, tu até me tiras do sério, pá! Vais já de castigo para o teu quarto e ligas o computador, a televisão e a playstation! Eu que veja que está escuro, meu animal!”

Dias Gomes está às voltas na tumba, triste por descobrir que, afinal, a realidade é um guionista verdadeiramente genial: Galamba será menos tétrico, mas não fica atrás de Odorico.

Mexia em dinheiro sujo

Não sei se trata de um verbo ou de um nome.

O presidente executivo da EDP, António Mexia, foi constituído arguido na investigação do Departamento Central de Investigação Criminal e Acção Penal (DCIAP) aos contratos entre o Estado e a EDP sobre rendas garantidas (os chamados CMEC). A notícia, avançada pela TVI e pela SIC Notícias, foi confirmada pelo PÚBLICO e mais tarde pelo próprio DCIAP. [PÚBLICO]

Sei que se trata de uma empresa estratégica para o país, que foi privatizada e que tem uma figura de topo a ser investigada.

Presidente da EDP constituído arguido

Para não perder a face, a China tem três dias para o mandar arrumar os papéis.

Porto – 13h00 – Rotunda da Boavista

Concentração em frente à EDP em solidariedade com os moradores do Bairro do Lagarteiro.

No Mexia não se Mexe, Mexam lá no Mexilhão

Estes rapazes são muito fortes com os fracos. Já com os fortes…

E Passos, como aqui se vê, não tem vergonha nenhuma.

Também tenho achado o Mexia muito parado

Autarca de Pombal critica Mexia por falta de energia

EDP e a Escravatura Amarela

É tudo um sonho mau.

Conhece o Vale do Tua?

CRISTINA SEIXAS
Conhece Belo Monte? e o Vale do Tua? Não temos pronuncia “adocicada” mas temos, na mesma gente com alma.
Aos poucos, a nossa alma,  vai ficando vazia, devastada por cada terraplanagem, por cada abate, por  cada dia que passa
As fragas aqui “sussurravam” silêncios, agora “gritam” dinamitadas pela mão suja dos interesses podres dos Senhores deste país…Para quem durante toda a vida trocou “olhares ” com esta paisagem, agora dói, uma dor que vem do fundo, de quem nos está a mexer nas entranhas, sim dói como se nos arrancassem a alma. Só não percebe isso quem não conhece, porque quem não conhece não pode gostar, não pode defender. Só assim nos podem chamar de “radicais”, sim, viver cá entre explosivos e com esta dor que devasta virou radical…
Porque é que as figuras públicas portuguesas não nos ajudam? Somos portugueses…dá trabalho? Fica mal? Não é “fixe”? Somos “portuguesinhos” esquecidos? sem coragem? Onde está o orgulho na cultura, no património, no ambiente, nas nossas gentes, na nossa história? O Tua tem tudo isso e muito mais.
Há anos que gritamos para não nos matarem o Vale do Tua, não nos matem!! ACORDEM!!!! Venham ao Tua, falem do Tua, O TUA precisa de AJUDA!!!
Sábado juntem-se aos movimentos de cidadãos e ambientalistas às 15 horas em Foz Tua, VAMOS DAR A CARA PELO VALE DO TUA enquanto é tempo.
O silêncio e a inércia é a maior cumplicidade deste crime.

Mexia acredita que Elvis está vivo e garante que tem um unicórnio na cavalariça

Mexia recusa que o preço da electricidade seja um problema para as famílias e empresas

Catroga e a EDP não são pentelhos!

A fama de Catroga ganhou mais popularidade desde a célebre entrevista à SIC Notícias. Ousou empregar a expressão “pentelho” e o rubicundo homem, queira ou não, em conversas sociais passou a ser alcunhado como o “gajo do pentelho”.

No lugar de “pelo púbico ou pubiano”, Catroga preferiu o calão para afirmar que não é homem de causas menores, sem importância ou valor. Comprovando tratar-se, de facto, de um predestinado para viver os prazeres do sublime e da renúncia de ninharias, temos agora a sua nomeação como presidente do Conselho Geral e de Supervisão Eléctrica na EDP, função em que auferirá 639 mil euros anuais, ou seja 45 mil euros mensais a acumular a mais de 9.600 euros de pensões.

Ainda segundo o jornal “i”, Catroga defende-se e argumenta que descontou 40 anos para o sector privado e 20 para o sector público. Se estes períodos fossem complementares – sem qualquer coincidência entre os mesmos – então o rubro mas leonino ex-ministro teria trabalhado desde os 9 anos. Nasceu em Novembro de 1942. Se assim não for, o homem sempre foi um sábio da acumulação e continua a acumular à grande e à francesa.

Mas atenção, para ajudar à festa a EDP também é há muito um reino da megalocefalia: grandes cérebros (Mexia, Catroga, Celeste Cardona, Braga de Macedo, Teixeira Pinto e não sei quantos mais), remunerações regulares e prémios chorudos e, para concluir, elevados preços e taxas cobradas aos consumidores. Agora digo eu: “Na EDP, nada de pentelhices!”.

Mexia, o homem eléctrico

Vídeo-montagem do Calimero Sousa, via Educação do meu Umbigo

Zangam-se os compadres…

As relações entre o Primeiro Ministro e o Dr. Mexia já tiveram melhores dias. Uma compra de tecnologia de muitos milhões a uma empresa estrangeira, sem contrapartidas para o cluster nacional, azedou o Engº Sócrates. E desta vez com razão. O Dr. Mexia anda em roda livre, investe milhões nos US e no Mar do Norte, nada lhe importando que o cluster que nasce em Viana do castelo, seja um pilar essencial da estratégia de modernização do país.

Acresce que esse dinheiro investido lá fora, faz falta cá dentro, e uma empresa pública monopolista que pratica preços superiores à média europeia, não pode utilizar o “cash flow” assim obtido fazendo de conta que não tem nada a ver com as políticas do governo. Até porque deve grande parte desse dinheiro ao facto de estar encostado ao governo e operar num mercado que não encontra em mais lado nenhum. Monopolista com preços ao consumidor mais caros e gozando da cobertura do Estado.

Eu gostava era de ver estes gestores armados em gestores internacionais, investir com o dinheiro deles, dos próprios, isso sim, seria caso para admirar. Aposto que telefonava primeiro ao primeiro ministro, não fosse o seu (dele) dinheiro desaparecer com o vento dos aerogeradores que compra lá fora sem cuidar do interesse nacional.

Corta!

…a energia, claro, e se possível poupa um trunfo!

Parecer gratuito a Sócrates e a Mexia

Excelências,

O problema que as remunerações do Dr. Mexia estão a levantar ao Engº Sócrates é grave. Desde logo porque a inveja cá no nosso país faz sempre caminho, depois porque o Dr. Mexia, ao defender o que é seu, embora legitimamente, colocou em dificuldades o Primeiro Ministro de Portugal ao não aceitar a redução do vencimento, traduzindo a questão a um problema interno da empresa.

Ora a EDP é uma empresa que tem um accionista de referência que é o Estado, pois é este que lhe permite estar sozinha no mercado da electicidade e praticar um preço duas vezes superior ao que é praticado no resto da Europa. Sem isso, o Dr. Mexia jamais  (não é piada…) conseguiria ter os resultados (lucros) que apresenta, ano após ano. Mas tambem seria injusto negar ao Dr. Mexia a possibilidade de ganhar um vencimento ao nível do que está habituado (sempre em empresas públicas…estão a ver, o teclado a fugir para a verdade)

Nunca na minha vida de consultor,  estive perante um problema que não tem saída, como parece ser o caso,  mas após muito porfiar encontrei a solução.

O sr Engº Sócrates muda o sr. Dr. Mexia para uma das empresas que dão enormes prejuízos ao Estado ( aquelas que estão debaixo do tapete…) pode ser a CP, e continua a pagar-lhe o mesmo, ou mesmo mais, do que ganha na EDP se o Dr Mexia atingir um de dois objectivos ( não estou aqui para enterrar ninguem…)

1 – diminui em 50% o prejuízo anual

2 – os comboios passam a andar no horário previamente combinado com os clientes, no acto da compra do bilhete.

Aí têm como numa só jogada (digna de um mestre de xadrez) resolvemos todas as questões. O sr. Primeiro Ministro não torna a ser enxovalhado pelo Dr. Mexia que continua a ganhar o mesmo, o país começa a resolver um problema (o da CP) que de tão grave, ninguem fala dele, calam-se os invejosos e, este vosso criado, com a riqueza de curriculum que esta solução demonstra, é colocado na próxima lista para a  administração da EDP!

Afinal, ganhamos todos, até a EDP, pois eu compreendo bem que não preciso de ganhar tanto como o Dr Mexia, ao ponto de me chamarem “obsceno”. Ficamos pelos três milhões/ano!

Atentamente, e ansiosamente à espera de ver V. Exªas respirarem de alívio, sou

Luis Moreira

Economista, Gestor e Consultor*

PS:* só para que V.Exªas fiquem descansados quanto à possibilidade de o meu curriculum (ou a falta dele…) possa ser soezmente atacado como foi o do Dr. Rui Pedro Soares .

Cavaco apaga Mexia!

Face ao discurso de Cavaco Silva, em que aflorou a questão das desigualdades no país, Mexia vem dizer que o que ganha (3.5 milhões de euros) é um assunto interno da empresa. São os accionistas que têm o poder de lhe fixar a remuneração.

É mentira Dr. Mexia, no caso dos monopólios e das empresas públicas não é esse o entendimento, mas no seu caso é ainda pior, porque quem lhe paga os vencimentos milionários são os seus clientes que pagam a electricidade duas vezes mais cara que os clientes europeus.

Percebe, Dr. Mexia, se os preços resultassem de um mercado competitivo onde o mérito fizesse a diferença, os accionistas não ganhavam nem metade do que ganham e, por isso, não lhe fixavam o vencimento milionário que aufere.

Olhe que nós pagamos mas não somos estúpidos!

Jornal Expresso: as contas do Prof. João Duque

O actual ISEG, antes a velhinha escola de ‘económicas’ do Quelhas, em Lisboa, também sofre efeitos da erosão do tempo. É uma fatalidade da sociedade portuguesa, fazendo emergir, em vários quadrantes, gente de valor mediano, para não dizer medíocre. Reproduzo contas da EDP, para sustentar as ideias adiante expressas.

Como exemplo, lembro que, entre os notáveis históricos do ISEG, se contam os Professores Mira Fernandes, Bento de Jesus Caraça, Jacinto Nunes e muitos, muitos outros, entre os quais, o actual Presidente Cavaco Silva.

Nos tempos correntes, ao que parece em consonância com a ampla degenerescência nacional, a histórica escola é dirigida pelo Prof. João Duque, assíduo comentador da SIC Notícias e colunista do ‘Expresso’, suplemento de Economia.

Na edição do passado Sábado, o Prof. Duque subscreve, no referido suplemento e destaque na 1.ªpágina do “Expresso”, o artigo ‘Ele Mexe com a Inveja’. Do princípio ao fim, o texto é bastante infeliz; começa por uma confissão de inveja do autor e termina a concluir que, afinal, os prémios do Mexia foram um benefício para os cofres públicos. Brilhante!

A incoerência só pode ter duas causas: ou fruto de incapacidade de análise, ou mera manobra escatológica destinada a influenciar a opinião pública.  

Argumenta João Duque que, com o pagamento dos prémios a Mexia, o Estado arrecada uma receita em sede IRS – e eventualmente em contribuições para a Segurança Social – maior do que a verba que arrecadaria se não houvesse lugar aos prémios em causa; ou seja, as receitas excedem o IRC sobre o eventual lucro tributável, não descontado dos ditos prémios.

[Read more…]

Eu ía já embora Dr. Mexia…

O governo, face à reacção da sociedade civil, ante os escandalosos vencimentos dos seus gestores nas empresas em que participa, vai determinar a sua redução. Já deu ordens para nas Assembleias Gerais (estamos em Abril…) os seus representantes forcem a redução dos prémios e mais mordomias.

Pelas contas que alguns já fizeram, António Mexia verá, o que leva para casa todos os meses, reduzido em 1/3 o que mesmo assim dá acerca de 2.0 milhões de euros.

Eu se fosse o Dr. Mexia ía-me embora, aceitava um dos vários lugares que já lhe ofereceram lá fora a ganhar muito mais e onde não há o pecado da inveja.

A ser verdade, se isto não for “compensado” por uma qualquer forma longe das vistas dos invejosos, era já…

Seja um empreendedor Dr. Mexia!

Se é justo porque será que nós portugueses pagamos a electicidade mais cara da Europa?

É que a empresa que dirige é um monopólio, ou perto disso, faz o que quer e sobra-lhe tempo. Nestas condições, o que se esperava, é que o preço da electricidade baixasse, ao menos para o nível  das suas congéneres europeias já que cá em Portugal não tem com quem se comparar.

Mas mesmo que a EDP fosse um caso exemplar a que título é que ganha 8 000 euros à hora e não ganha 10 000? Ou vinte mil? Ou 5 mil ? ou  mil? O seu vencimento foi -lhe atribuído porque quem lho pode atribuir ganha muito mais do que ganharia se estivesse num mercado competitivo, concorrêncial e onde não convivesse com todas as mordomias que o estado concede à sua empresa.

Mas há uma maneira honesta e séria de saber se ganha ou não um vencimento justo. Saia da empresa e permita que o seu sucessor transforme aquela empresa de categoria mundial, numa empresa de vão de escada. Já viu o que seria todo um povo a pedir-lhe para voltar?

E, entretanto, vá para um país a sério, que não tenha 2 milhões de pobres, um país onde as regras são iguais para todos, onde a sua empresa pode falir ou pode mudar de mãos mais rapidamente do que o tempo que demora a contar o dinheiro ao fim do mês. Enfim, um país que não seja o mais injusto da UE, onde a diferença entre o que ganha e o que ganham milhões de outros seres humanos, não seja a maior de todas.

Ou então, Dr. Mexia, em vez de se deitar numa cama feita por muitos antes de si, tenha uma ideia inovadora, arranque com uma empresa do zero, detecte um produto ou um serviço de que ninguem se lembrou, arranje mercado, resolva os problemas técnicos, durma mal porque tem que pagar aos fornecedores, enfim seja um empreendedor. É uma pena que um homem com as suas capacidades que merece ganhar um vencimento obsceno, se perca numa empresa que qualquer um é capaz de gerir.

Vá para fora, Dr. Mexia ! A glória, espera-o !