Kramer contra Kramer

É sem surpresa que se verifica a tentativa de fazer do Comendador Joe Berardo o “bode expiatório” da gigantesca rapina de que foi – e é – objecto o povo português.

Quem tenha assistido à audição do empresário na II Comissão de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, terá ficado a pensar que de um lado estavam os representantes da República e do Estado Português, e do outro lado um milionário habilidoso procurando iludir as suas responsabilidades. Mas não foi isso que sucedeu. Na verdade, de um lado estava o Estado a fazer perguntas e do outro estava também o Estado, representado pelo senhor Comendador Joe Berardo, a responder a essas perguntas de modo juridicamente adequado. Ou seja, estava o Estado a fingir que inquiria o Estado e este a fingir que respondia.

Não é fácil, convenhamos, descobrir um caminho virtuoso neste jogo de espelhos. Mas pior é continuar a permitir a grotesca impunidade daqueles que, em nome e representação do Estado e da República, são cúmplices da rapina e da destruição do património comum, rapina e destruição que servem depois como argumento falacioso para esmagar os direitos da população que é seu dever servir.

Comissões de Inquérito

“A Comissão de Inquérito não deve ser usada de ânimo leve”, diz o depurado Duarte Pacheco para justificar ausência de pedido, por parte do PSD, para uma  comissão de inquérito sobre as transferências para offshores durante o anterior governo. Depois,  claro, de querer esticar o caso Centeno/Domingos com uma comissão de inquérito para ler SMS. Percebe-se a dor. Parece que quem com ferros mata, com ferros morre. Ao longo do tempo, temos visto as comissões de inquérito serem palcos para mediatizarem a luta partidária, em vez de locais de esclarecimento. O que ainda se torna mais claro perante justificações de conveniência dias depois do circo montado à volta dos SMS.

Por menos que se goste, os partidos que suportam o governo teriam também procurado explorar a situação em que Centeno se meteu, caso estivessem na oposição. E seriam igualmente acusados de estarem a esticar o caso, como acontece com PSD e CDS, que se agarram à CGD por não terem mais nada de jeito para fazerem oposição. Da mesma forma, também o PSD e CDS se agarrararian a esta situação das offshores caso estivessem no governo e se se tivessem deparado com este furo por parte do anterior governo. É a luta política e vir falar em não usar comissões de inquérito de ânimo leve, como fez o deputado Pacheco, não passa de uma tentativa de fuga ao escrutínio. [Read more…]

Um enorme embaraço para PCP e Bloco

avjs

Não votei no PS mas votaria de boa vontade num projecto que envolvesse, em regime pré-eleitoral, uma aliança entre os três partidos que hoje concertam posições na Assembleia da República. Se é para estarmos sob chantagem da Europa, reféns do terrorismo financeiro, antes um governo que garanta alguma dignidade aos portugueses do que uma caranguejola de sabujos da precaridade, a salivar por mais empobrecimento e pelo desmantelamento do Estado Social.

Agrada-me particularmente que esta aliança não tenha descaracterizado os partidos que a constituem, em especial PCP e Bloco, que não deixaram de colocar o executivo de Costa contra a parede sempre que tal se exigiu, sendo o caso mais recente aquele que envolveu a tentativa de descida da TSU como moeda de troca para o aumento do salário mínimo. Ao contrário deste PSD, com a sua espinha dorsal de caracol, PCP e Bloco sempre foram contra tal possibilidade e, porque não são um CDS oportunista, assim se mantiveram. A medida foi chumbada, Costa apresentou um plano B e a questão parece agora resolvida. [Read more…]

Perigo iminente de golpe de Estado em Portugal

PSD em negociações com o BE sobre o objecto da comissão de inquérito à CGD. A geringonça absoluta.

A elevada probabilidade do Dono Disto Tudo se safar

RS sorri

Sabemos bem como acabam estas histórias. Muito aparato e abundância de informação que parece anunciar que desta vez é que vai ser, mas no final do dia o mais provável é ninguém ser responsabilizado. Oliveira e Costa e Dias Loureiro vivem uma vida tranquila, após terem arrastado o país para o buraco fraudulento do BPN, cuja factura para os contribuintes já terá ultrapassado os 6 mil milhões de euros. Nada lhes aconteceu. João Rendeiro também vive em liberdade, após a hecatombe do seu BPP, que tendo ficado mais barato para o pagador do costume, ainda custou algumas dezenas de milhões ao erário público. Hoje diverte-se na BlogosferaJardim Gonçalves até chegou a ser condenado a dois anos de cadeia por crimes de manipulação de mercado e falsificação de documentos mas, como sabemos, as elites podem sempre pagar uma fiança avultada, neste caso 600 mil euros, e ficam imunes às decisões judiciais. Ter dinheiro coloca-nos, efectivamente, acima da justiça. Até porque a maioria dos criminosos não consegue açambarcar tanto.

[Read more…]

Mariana Mortágua

O elogio dos liberais da Bloomberg para a estrela maior da comissão de inquérito ao caso BES (versão Expresso).

Comissão de Inquérito? Vou antes cortar o cabelo

JGui

Foto@Correio da Manhã

A amnésia tem sido uma das maleitas predominantes nas várias audições da Comissão de Inquérito ao caso BES. Aparentemente, ninguém se lembra de rigorosamente nada do que por lá se passou. Às vezes, fica mesmo a sensação que nenhum destes sujeitos lá trabalhava. Como diria Mariana Mortágua, tudo amadores.

Segundo a edição de hoje do Expresso, amnésia poderá também ter sido a justificação para que o empresário José Guilherme, o tal que deu uma prenda de 14 milhões de euros, em numerário, a Ricardo Salgado (outro com longo historial de problemas de memória), se tenha esquecido de passar pela Comissão de Inquérito ao caso BES, para a qual notificado, alegando motivos de saúde e o facto de estar em Luanda para não comparecer na comissão parlamentar. Contudo, e pela relação comercial de 40 anos que mantém com o barbeiro Aurélio Robalo, José Guilherme conseguiu contornar estas vicissitudes e dar um salto a Lisboa para aparar as pontas. Podia ter-se lembrado de passar na comissão mas é possível que estivesse com pressa. First things first.

Chiça!

Já não era sem tempo de surgir alguém que sabia o fazia e que sabe o que fez.
Só podia ser de Angola.
Durante os dez anos que estive à frente do BES Angola mantinha-me informado sobre tudo o que lá se passava. Assumia as minhas decisões“, afirmou Álvaro Sobrinho, na sua intervenção inicial na comissão de parlamentar de inquérito (CPI) do GES/BES.

Pânico na Comporta

O contabilista apareceu e quer falar.

Com o alto patrocínio dos socialistas europeus

Juncker escapa à comissão de inquérito sobre o caso Luxleaks. Tudo está bem quando acaba bem. Na UE como em Portugal, o bloco central une-se sempre que é preciso.

Com o bloco central quem paga é você!

tax payers banks

José Ramalho, vice-presidente do Banco de Portugal, a entidade supervisora que não supervisiona coisa nenhuma, disse ontem na comissão de inquérito do BES que seriam os bancos a pagar a factura do Novo Banco. Muitos contribuintes respiram de alívio ao ouvir estas palavras, pois não percebem que a Caixa Geral de Depósitos também é um banco, que por sinal é público e como tal de todos nós. Outros percebem isso mas esquecem-se que a contribuição de cada banco para o fundo de resolução é proporcional à sua quota de mercado e a CGD, nem de propósito, é quem tem a maior. Fica o lembrete. Seja o PS, seja o PSD, seja o BPN ou o BES, quem paga a factura, de uma maneira ou de outra, é sempre o mesmo. Sim meu caro, é você. Mas não se preocupe que o Sócrates está preso na cela nº44 e comeu cozido à portuguesa ao jantar. Se o Sócrates está preso é porque está tudo bem.

Comissão de inquérito ao caso BES ainda não começou

mas já promete ser uma anedota com o desfecho habitual. Para já ficamos com as recusas do Banco de Portugal, da CGD e do Novo Banco em disponibilizar os documentos requeridos pelos deputados. À vontade do freguês!

Estranha forma de afrontação do poder

Submarino

Pedro Passos Coelho, líder dos ministros coitadinhos que pedem desculpa e mais recente Calimero da política portuguesa, tem apostado no discurso do homem vertical que está debaixo de fogo porque afrontou interesses poderosos. À parte do banqueiro Salgado, e apenas após este ter caído em desgraça, não se conhecem ainda esses poderosos interesses que o rapaz da Tecnoforma afrontou. A menos que queiramos assumir como real o discurso de alguns radicais de direita que catalogam os sindicatos como interesses poderosos da sociedade portuguesa. Terão o seu poder mas, tanto quanto se sabe, ainda não chamam boys do PSD ou do PS para os seus conselhos de administração, não influenciam a legislação nem beneficiam de prescrições milionárias em regime de total impunidade.

Posto isto é interessante ver a postura dos partidos da maioria na aparente recta final do mediático e polémico caso dos submarinos. Há duas semanas, os deputados da maioria, na habitual defesa dos seus interesses pessoais e partidários, decidiram chumbar a vinda de Paulo Portas à comissão de inquérito por considerarem a sua presença “desnecessária”. Já na Quarta-feira ficamos a saber que, no entender de PSD e CDS, os trabalhos da comissão de inquérito que investiga a aquisição de equipamentos militares como os submarinos ou os blindados Pandur estão terminados. Isto apesar de, segundo revelou o jornal Público, se estar mais perto do que nunca de descobrir o destino final dos 30 milhões pagos pelos alemães à ESCOM. Sabemos pelos jornais que uma parte acabou dividida entre os pobrezinhos da Comporta. Mas diz-se por ai que houve mais alguém a receber uns milhões. Terá sido o irrevogável? [Read more…]

apanhem-nos, se puderem

apanhem-nos se puderem

Todas as respostas de Sócrates à Comissão do Caso PT/TVI

São estas as 21 páginas de mentiras respostas de José Sócrates à Comissão de Inquérito do caso da compra da TVI pela PT.
Dr. Joao Bosco Mota Amaral
Presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar Relativa a Relação do Estado com a Comunicação Social e, nomeadamente, a actuação do Governo na compra da TVI
Senhor Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito
Senhoras e Senhores Deputados desta Comissão
Antes de dar resposta a todas e a cada uma das 74 perguntas que me foram formuladas por esta Comissão Parlamentar de Inquérito, desejo fazer a seguinte declaração inicial:
Tudo o que de essencial tinha a dizer sobre o assunto que ocupa, há várias semanas, esta Comissão Parlamentar de Inquérito, como antes ocupou a Comissão de Ética, já o disse e é do Inteiro conhecimento de todos os Portugueses e de todos os senhores Deputados. E disse-o publicamente, no dia 24 de Junho de 2009, diante da maior de todas as comissões deste Parlamento: o Plenário da Assembleia da República, onde vou quinzenalmente para responder, com frontalidade, a todas as perguntas que os Deputados de todos os partidos queiram dirigir ao Primeiro-Ministro.
Recordo que, na Sessão Plenária da Assembleia da Republica do dia 24 de Junho de 2009, perguntado sobre se o Governo tinha sido “ouvido” sobre a hipótese de compra pela PT de uma parte minoritária do capital social da Media Capital e se estaríamos a assistir a uma “mudança editorial” da TVI, o que disse ao Parlamento – e agora mantenho, por ser verdade – foi o seguinte:
“0 Governo não dá orientações nem recebeu qualquer tipo de informação sobre os negócios que têm em conta as perspectivas estratégicas da PT”.
Como é patente, ao fim de semanas de inquirições esta Comissão não recolheu um único testemunho conhecedor dos factos, um único documento preparatório do negócio ou qualquer outro elemento de prova que contraditasse aquilo que afirmei ao Parlamento – pela razão simples de não ser possível provar o que não aconteceu. [Read more…]

O curriculum de Rui Pedro Soares

Via Raiva Escondida

A propósito das declarações de Carlos Barbosa, segundo o qual Rui Pedro Soares não tinha aptidões mas tinha padrinhos, facto que muito incomodou o PS, confira-se o curriculum daqueles que eram até há bem pouco tempo os homens-fortes da PT.

Curriculum de Henrique Granadeiro

Licenciado em Organização e Administração de Empresas pelo Instituto Universitário de Évora; chefe da Casa Civil de Ramalho Eanes; embaixador e representante permanente de Portugal junto da OCDE;  Presidente do IFADAP; Presidente da Fundação Eugénio de Almeida; Administrador da Sojornal; Presidente da Comissão Executiva da Lusomundo Media; Administrador da Portugal Telecom; Presidente do Grupo PT em 2006; Chairman do Grupo PT.

Curriculum de Zeinal Bava

Licenciado em Engenharia Eléctrica e Electrónica pelo University College London; CEO da Portugal Telecom, SGPS, S.A.; CEO da TMN – Telecomunicações Móveis Nacionais, S.A.; CEO da PT Comunicações; Presidente do Conselho de Administração da PT Sistemas de Informação; Presidente do Conselho de Administração da PT Inovação; Presidente do Conselho de Administração da TV Cabo Portugal, S.A.; CEO da PT Multimédia — Serviços de Telecomunicações e Multimedia, SGPS, S.A. (2003/2007); Presidente do Conselho de Administração da Previsão — Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. (2003/2007); Presidente do Conselho de Administração da PT PRO — Serviços de Gestão, S.A. (2003/2008); CFO da Portugal Telecom, SGPS, S.A. (2000/2006); Director e Gestor de Relações Públicas para Portugal da Merrill Lynch International (1998/1999); Director Executivo da Deutsche Morgan Grenfell (1996/1998); Director Executivo da Warburg Dillon Read (1989/1996).

Curriculum de Rui Pedro Soares

Licenciado em Gestão de Marketing no IPAM; Vereador (sem Pelouro) na Câmara Municipal de Lisboa; Candidato à Presidência da JS; Assistente do PS no Parlamento Europeu; Dragão de Ouro; Funcionário do Banco Cetelem; Administrador executivo da “holding” Portugal Telecom; Administrador Não-Executivo da Tagus Park.

%d bloggers like this: