Era uma vez o défice açoreano, que afinal é quatro vezes maior que o anunciado pela junta de salvação regional

Há duas semanas, o governo regional dos Açores, que resulta de uma coligação entre PSD, CDS e PPM com acordos de incidência parlamentar com IL e CH, anunciou que o défice de 2021 se havia situado nos 92,6 milhões de euros, 2,1% do PIB regional. Duas semanas volvidas, o INE revela que o buraco nas contas públicas da região autónoma se fixou afinal nos 360 milhões, quatro vezes o valor apresentado pelo executivo Bolieiro.

Para quem tinha um plano infalível, que era uma espécie de salvação regional dos Açores para acabar com o nepotismo socialista e com a “mama” dos beneficiários de prestações sociais, a gestão da coligação de direita é uma desilusão. Seja nas contas públicas, seja na nomeação de boys e familiares para a administração pública local. Valeu a pena mandar o cordão sanitário às urtigas, não valeu?

A vingança de André Ventura

Foto: Eduardo Costa/Lusa@Público

Quero começar por endereçar os merecidos parabéns a Rui Rio, que teve visão e habilidade política para mandar o cordão sanitário às urtigas e escancarar os portões da democracia para a entrada da extrema-direita. Um ano depois, o resultado está à vista: perdeu eleitorado para os extremistas, viu o seu junior partner ser canibalizado, a ponto de ficar ligado às máquinas, e o acordo para os Açores está na iminência de cair à primeira birra de André Ventura, que andou a mendigar ministérios num hipotético governo PSD, não conseguiu e lá se vingou no arquipélago. Lição nº 1 da extrema-direita: a extrema-direita não tem palavra: move-se, única e exclusivamente, pela destruição da democracia, pelo ódio e pela agenda pessoal do seu dono. [Read more…]

José Manuel Bolieiro é o novo Carlos César

Durante 20 anos, entre 76 e 96, os Açores foram governados pelo PSD, com Mota Amaral na liderança do executivo regional até 1995, ano em que foi eleito deputado da nação, sendo substituído por Alberto Romão Madruga da Costa. Em 1996, o tabuleiro inverte-se e o PS sobe ao poder, onde ficou até 2020, primeiro com Carlos César, que liderou o arquipélago durante 16 anos, sendo sucedido por Vasco Cordeiro, que completou dois mandatos, tendo falhado a reeleição em Outubro passado.

Durante estes 44 anos, e apesar de apenas ouvirmos falar dos “primos” de Carlos César, a verdade é que o governo regional dos Açores, tal como o da Madeira, sob domínio jardinista, foram, ininterruptamente, palco de um festim insular de contratos por ajuste directo ou concursos públicos viciados, nomeações decorrentes de lealdades e favores partidários, sem olhar ao mérito ou à competência e restante regabofe a que por cá estamos habituados a ver nas mais variadas autarquias, onde, tal como nas regiões autónomas, o poder quase-absoluto dos caciques é a lei. [Read more…]