O violento ataque do «Chega» de André Ventura aos Bancos e Grandes Grupos Económicos

Licínia vive aqui

966017
(c) Daniel Rocha/Público

Vai mas é trabalhar Ricardo Salgado!

Ricardo RSI

Imagem@Notícias ao Minuto

Para além da intensa actividade no âmbito do terrorismo financeiro, descobrimos esta semana que Ricardo Salgado é também um alegado mandrião, um parasita diriam alguns, pois ao invés de ir trabalhar, prepara-se para pedir o Rendimento Social de Inserção. Pelo menos é o que avança a imprensa cor-de-rosa e o PT Jornal.

Apesar de insultuoso para quem verdadeiramente precisa deste apoio social, é interessante ver o Dono Disto Tudo nesta posição, principalmente quando há exactamente dois anos atrás surgiam declarações deste sujeito que, relativamente à entrada de mão-de-obra estrangeira em Portugal para trabalhar em explorações agrícolas na zona do Alqueva, diziam assim:

Há imigrantes que substituem os portugueses que preferem ficar com o subsídio de desemprego (…) Se os portugueses não querem trabalhar e preferem estar no subsídio de desemprego, há imigrantes que trabalham, alegremente, na agricultura e esse é um factor positivo.

Tanto quanto sei, até porque metade da minha família vive no Alentejo profundo, continua a existir muito trabalho nos campos e escassez de mão-de-obra em algumas zonas da região. E nesta altura do ano, com as temperaturas a subir em flecha e o clima cada vez mais hostil para a labuta na aridez do Baixo Alentejo, estou certo que haverá um óptimo emprego à espera de Ricardo Salgado, o precário. A menos que, tal como as pessoas que criticou em tempos, Ricardo Salgado não queira trabalhar e prefira agarrar-se a um subsídio ao invés de, por uma vez que seja na vida, enveredar por um trabalho honesto. Nesse caso (e noutro qualquer) faço votos de que o seu pedido seja prontamente negado porque Portugal não está em condições de sustentar mais parasitas. Se não estiver bem pode sempre ir para a Comporta, brincar aos pobrezinhos. Com sorte, alguém há-de reconhecê-lo por lá e dar-lhe uma côdea de pão.

O que é uma susana valente?

fb11É decerto um espécime criado num dos viveiros das juventudes partidárias, o que lhe permitiu desempenhar papéis de relevo na política espinhense e no mundo das anedotas de louras. Na sua página de linkedin, usando uma língua semelhante ao português, apresenta-se:

Destaco o empenho, o rigor e a dedicação para ser bem sucedida e prestar uma efetiva e produtiva colaboração em todos os projetos que participo.
Capacidade de gestão de prazos e cumprimento de deadlines.
Organizada, responsável, capacidade de liderança, de gestão, maturidade, dinamismo, pró-atividade, de análise e de comunicação aliada a um forte espirito de equipa.

Palavras para quê? É uma mulher que participa projectos e que não só tem capacidade para gerir prazos como para cumprir deadlines. [Read more…]

RSI – rendimento social de inveja?

O CDS-PP fez do rendimento mínimo (agora chamado de rendimento social de inserção) uma bandeira.

E, se me permitem o abuso, caras e caros leitores, antes de continuar a mostrar a demagogia da velha direita, sugiro uma visita ao site da segurança social para ficar a saber mais sobre os 189 € / mês que os malandros recebem.

Paulo Portas, a cara da velha direita, não tem qualquer problema em se chegar à frente nas críticas ao RSI. Muitas delas, justas, mas como em quase tudo, o problema não está no conceito, mas na sua aplicação. Esta forma de apoio social é fundamental para que algumas pessoas, em situação de exclusão total consigam ter o que comer. E, quanto a isso, não vejo qualquer problema. Há abusos? Claro que sim. Então que se garantam as condições para que a fiscalização seja eficaz.

Mas, vamos a contas: na contabilidade do CDS foram depositados 1.060.250 euros, isto é, mais de 56 mil meses de RSI. Nas contas do Ministro, em média o RSI teve a duração de 22 meses. Fazendo as contas, os depósitos do CDS dariam para 2549 pessoas receberem o RSI durante 22 meses.

Os últimos dados indicam que há 330 mil pessoas a receber RSI, o que daria, se todos recebessem o valor máximo, qualquer coisa como 62 milhões de despesa mensal para o estado.

A despesa com o BPN corresponde a quantos meses de RSI? A mais de sete anos completos. [Read more…]

Voluntários à força

RSI: quem recebe obrigado a trabalhar

Tarrafal está de volta?

Foto de Paulo Pimenta

Foto de Paulo Pimenta

Em tempos conheci por dentro o Bairro S. João de Deus, o Tarrafal! Lembro-me de uma conversa com o Cardoso, responsável máximo pela rede de tráfico de droga no bairro. Dizia-me ele:

– “Professor, esta é única forma que esta gente tem de viver. Se chega a algum lado, é cigano e diz que é do Tarrafal, ninguém lhe dá emprego”. [Read more…]

Quem rouba aos pobres…

…pode dar aos pobres, mas é ladrão na mesma. Os 70 milhões do CDS explicados pelo José Vítor Malheiros.

Rendimento social de inserção: a próxima vítima

Em vésperas de concluir o 2º ciclo Cristina Oliveira da Silva escreve no Diário Económico, e o revisor concorda:

No período homólogo, eram precisamente este último grupo – os rendimentos de trabalho – que assumiam a liderança.

Também descobriu que 18% dos chulos do Rendimento Social de Inserção têm conta bancária, e 29% outros rendimentos como “acções, depósitos a prazo, contas-poupança ou outros.” Não se percebe se os 29% incluem ou não os 18%, e nem isso agora interessa para nada, como diria a grande Teresa de outros embustes.

Qual o valor dessas poupanças, e já agora quanto rendem, não é notícia. Notícia são os 18% que têm a lata de receber do estado tendo conta num banco. Que horror. Vão já pedir para a porta das igrejas, seus malandros (rosnar miudinho).

A rede viral dos jornalistas em vésperas da conclusão de qualquer coisa lá funciona: no I Cláudia Reis troca um cerca por um quase. Estão feitos ao bife, os quase 18%, os quase 29%  ou, o mais provável, os cerca de 47%, levam já com o corte do RSI, vão lá viver por conta dos rendimentos, cabrões de merda, e a partir de agora o pagamento é feito por transferência bancária, seus chulos, não tens conta? vai pedir para a porta da igreja, filhodaputa, moinante, gatuno (rosnar já muito grande). É por causa disto que este país não avança, não é Cristina Oliveira da Silva? (cães a ladrar muito alto, em primeiro plano).

Guerras, cortes orçamentais e outras desgraças

Afirmou ao Público de hoje o sr. Pedro Marques, secretário de estado da Segurança Social a quem se conhecem as anteriores profissões de “consultor“, “assessor” e “coordenador de comissão“, que em Agosto o Estado conseguiu reduzir em 10 milhões de euros a despesa com o RSI e poupou 2,8 milhões com o subsídio social de desemprego.

Conta ao I de hoje o sr. Santos Silva, ministro da Defesa:

Em 2010, o esforço nacional no Afeganistão rondou os 25 milhões de euros. Digo, e repito, que é um dinheiro muito bem gasto até ao último cêntimo.

Ou seja, em dois meses rouba-se aos muito pobres para fazer um ano da guerra dos ricos. Como entretanto o mesmo ministro anunciou que vamos enviar espiões para o Afeganistão e até para o Líbano, podemos anunciar em primeira mão que Obama já telefonou ao chefe do governo português, tendo ameaçado não meter os pés na cimeira da NATO se insistirmos em tal ideia montypyntoniana.

“Deixa-me perder as guerras com alguma dignidade“, terá afirmado. Conhecendo o anedotário dos nossos serviços de informação, compreende-se perfeitamente. Para quem ande esquecido recomendo este auxiliar de memória. E muito mais anedotas haveria para contar.

Orçamento de Estado 2010 #3:

Hoje o i faz uma bela pergunta: “Alguém gosta deste orçamento?”. Já sabemos que a Função Pública não gosta, tal como não vão gostar os doentes e os pobres. Desconfio que Belmiro de Azevedo, além de não gostar de cavaco, também não. Pelo menos a Moody’s dá o benefício da dúvida, o que já não é mau. Quem também não gosta é Pedro Passos Coelho (afirmou-o ontem na apresentação do seu livro, no Porto). Já Manuela e Portas certamente gostam, caso contrário não teriam alinhado.

Numa análise fria: Estamos tramados!