Agora, passado este tempo todo?

PJ efectua buscas nas casas de Mário Lino, Paulo Campos e António Mendonça
Devem encontrar grande coisa! Novamente se comprova que meter a Justiça a funcionar deve ser o maior desígnio nacional.

Robalo fresquinho….

Presidente da Refer confirma contactos de ex-ministros sobre empresas de Godinho.

Quem se mete com o P Sócrates…

“Quem se mete com o PS, leva”, sentenciou há anos o truculento socialista, agora gestor da Mota-Engil, Jorge Coelho. A ameaça visava, então, gente exterior ao partido. Hoje, é mais abrangente. Levam também os que ousam desafiar o PS de Sócrates, com honestidade e verdade. Caso de Ana Paula Vitorino, uma socialista com mais de 20 anos de militância.

Ana Paula Vitorino denunciou ao Ministério Público que “Mário Lino, então ministro das Obras Públicas, lhe tinha dito que Godinho era “amigo do PS”, tentando sensibilizá-la para os problemas do empresário”.

Dos interesses do sucateiro e de quem mais esteja envolvido no caso ‘Face Oculta’, embora com a tradicional lentidão da justiça portuguesa para este tipo de processos (com o BPN e gente afecta ao PSD é o mesmo), acabará por ser divulgada parte da verdade, esperamos. Custa, no entanto, saber que uma ex-governante honesta e corajosa, capaz de enfrentar interesses espúrios, tenha sido afastada dos órgãos de topo do partido: secretariado e comissão política . Tão só porque se atreveu a agir com seriedade.

Contínuo, pois, a perguntar: “Que PS é este?”. E, desta vez, respondo: é o PS do eucalipto  José Sócrates. Prefere sacrificar uma militante de irrepreensível postura e desde sempre socialista, favorecendo a posição de Mário Lino, ex-militante do PCP, cujo currículo nunca engana. Ou dito à francesa: “Jamais!”. [Read more…]

Não há crise, o homem estava de fato e gravata

uma imagem que está a fazer furor na Assembleia da República: Mário Lino a tirar a pastilha elástica da boca e a colá-la no tampo da mesa, na parte de baixo. Foi precisamente isso que ele fez na comissão de inquérito quando lhe pediram para parar de mascar. E até há uma foto da dita pastilha esmagada no tampo.

contado pelo Correio Preto

O rebanho, a família PS, o pregador no deserto e o carnaval

O PS parece preferir a fuga para a frente quando se sente acossado. O ataque é a melhor defesa, postulam os socialistas, esperando encontrar Cavaco encostado ao seu reduto defensivo. Talvez seja esta a forma de desviar as atenções relativamente aos recentes escândalos envolvendo o governo e meios de comunicação social e aos reais problemas do país, como é o caso do desemprego, que atinge, pela primeira vez, os 10%.

Os acionistas da PT, por sua vez, esperam que Granadeiro e Zeinal Bava se expliquem sobre o caso da “alegada” compra da TVI. Para que as atenções não se desviem do caso, contribuem também os trabalhadores da PT, dispostos a tirar a limpo as revelações do Sol sobre o envolvimento da empresa nos planos de controle dos media por parte do governo. Sempre alerta para tirar partido dos momentos de crise está Joe Berardo, nem que seja para ir lançar pequenas provocações e minar o terreno, enquanto no deserto vai pregando Mário Lino, de quem ninguém parece sentir saudades. Mais dia, menos dia, é vê-lo num destes lugares.

O Carnaval ameaça durar 365 dias por ano. Aproveite e faça furor.

Sócrates regressa em forca, Mário Lino é o último a saber

Mário Lino que tutelava a PT diz que essa coisa de a PT comprar a TVI é uma patranha. Depois de Granadeiro se sentir corno, Mário Lino assume o papel do esposo traído que só acredita se vir os amantes na cama,e confirmar que não se encontram apenas a dormir.

Sócrates mandou dizer que o Carnaval acabou, convocou os órgãos do partido (dizem que por sms, mas parece má língua), e vai aparecer.

Mas tinha desaparecido? E eu a pensar que o homem ainda andava por aí.

Não sei em que livro de citações decorou ele que a sorte protege os audazes, depois perceberá que as fugas em frente aumentam a dimensão do tombo na hora em que ocorre. Ainda tem tempo. A Quaresma começa na 4ª feira.

ASE (Acção Social Escolar) sem 180 milhões

.
E A DANÇA DOS MILHÕES CONTINUA
.

Ex-ministro Lino, mais conhecido por «jamais» (lido com a melhor pronuncia francesa), retirou, nos seus últimos tempos como ministro, dinheiro da ASE (cento e oitenta milhões de euros) para pagar o Magalhães. O ex-governante, até já confirmou a notícia, E a JPSá Couto deve estar muito contente e agradecida. Com tantas coisas ocultas que por aí há, terá o sr Lino algo a ver com as faces escondidas?
No meio de tantos desvarios, mais este até nem é nada de especial. Afinal, que são cento e oitenta milhõezitos de euros cá para os porteguesitos, ou para a ASE, ou no meio de tantos milhões com que o nosso governo se (nos) governa? Só me confunde um bocadinho que, sendo o nosso Primeiro tão bom a governar-nos (se), como terá ele permitido que fossem sonegados à ASE os milhões que tanta falta lhes poderão estar a fazer? Não haveria outro sítio de onde os tirar? Das pontes, das auto-estradas, do comboio, do aeroporto, da frente ribeirinha da capital, sei lá, dos dinheiros que a Europa mandou para a área metropolitana do Porto, do que vão gastar para levar o espectáculo dos aviões de cá de cima para lá para baixo, qualquer coisa, menos à ASE?

Claro que eu faço estas perguntinhas e o nosso Primeiro nem se vai dignar explicar seja o que for. Mas disso, estamos nós todos já habituados. São hábitos que se vão entrosando em nós, assim a modos como se vão desentrosando de nós, os dinheiritos que andam por aí, movimentados por ministros, directores, sucateiros e outros influentes mandantes.

.

Fundação «À Vara»

.
FORAM TRINTA MILHÕES AUTORIZADOS POR LINO
.
Antes de abandonar o Governo, o ministro Mário Lino autorizou a transferência de 30 milhões de euros para a Fundação para as Comunicações Móveis (FCM).

A fundação, constituída pela TMN, Vodafone e Optimus em Setembro de 2008 – por iniciativa do Governo -, com dotação inicial de 61,5 milhões de euros (25 milhões dos operadores e 36,5 milhões transferidos pelo Estado dos resultados de 2007 e 2008 da Anacom), acabou 2008 com um passivo de quase 600 mil euros.
Entre as despesas do exercício contabilizam-se as remunerações dos três membros do conselho de administração (72 mil euros em três meses), a realização de eventos (107 mil euros), consultores (83 mil euros) e Internet (130 mil euros), entre outras.

Deve ser uma fundação «tipo Vara»… ou senão reparem nos três «boys», membros do conselho de administração, que recebem qualquer coisa como 24.000 € por cada um dos quatorze meses do ano. Reparem ainda no que receberam os consultores, e o valor pago na realização de eventos e em ligações à Internet.
Poderemos vir a saber quem são os membros e os consultores, ou isso é um segredo com face oculta?

.

Não queria estar na pele do juiz

Há por aí um juiz português que, se tem ambições de carreira, já deve estar a tremer. Esse juiz é aquele que, a partir da próxima semana, vai dirigir os interrogatórios a Armando Vara, Paulo Penedos e, muito provavelmente, José Penedos.

Como se viu no caso Paulo Pedroso, quem se mete com o PS leva e, até hoje, nunca mais o juiz Rui Teixeira foi promovido. O mesmo acontecerá, muito provavelmente, ao juiz que decidir enviar para julgamento aqueles figurões do PS. E ao juiz que decidir condenar os arguidos.

É por isso que, já se sabe, nada vai acontecer de especialmente relevante neste caso. Por mais provas que haja ou que dizem que há.

Sócrates e Vara: Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és

Provavelmente, nada acontecerá a Armando Vara, apesar de ter sido constituído arguido no âmbito da operação «Face Oculta». A Polícia Judiciária e as primeiras instâncias do Ministério Público e dos Juizos fazem o seu papel mas, quando entram em cena outras figuras, mais graúdas, os processos simplesmente são travados. Daí até à prescrição ou ao arquivamento, vai um pequeno passo.

Para a Justiça portuguesa, os poderosos nunca são culpados. Corrupção ou tráfico de influências? Veja-se Lopes da Mota.

Quanto a Armando Vara, todos se lembram da forma como foi obrigado a demitir-se do Governo por causa da Fundação para a Prevenção e Segurança e das irregularidades cometidas. Nada que o tenha afectado especialmente – regressado à Caixa Geral de Depósitos, passara automaticamente de simples empregado de balcão a Administrador do Banco.

Alguns anos antes, em 1990, criara a Sovenco – Sociedade de Venda de Combustíveis. Como sócios, José Sócrates e Virgílio de Sousa. Curiosamente, estão todos a contas com a Justiça em processos de corrupção – Vara com a «Face Oculta», Sócrates com o Freeport, Virgílio de Sousa já condenado a prisão por corrupção no Centro de Exames de Condução de Tábua.

Todos estes escândalos acabaram com a carreira política de Armando Vara, mas nem por isso a sua influência política diminuiu, traduzida agora no mundo dos negócios. Da Caixa Geral de Depósitos, passou para o BCP pela mão de José Sócrates. Já estava no Banco privado quando foi promovido, na Caixa, à categoria mais elevada do vencimento, com efeitos a partir do momento em que regressar. Sim, porque antes de sair foi-lhe concedida uma licença sem vencimento.

E agora isto. 

Através de escutas e movimentações da conta bancária, o Ministério Público tem provas de que Armando Vara recebeu 10 mil euros para intervir directamente junto do ministro Mário Lino na entrega de negócios a grandes empresas privadas.

Haverá certamente uma justificação, porque, como é óbvio, estamos em presença de mais uma campanha negra.

E Mário Lino?