O virtuosismo democrata-cristão de Nuno Magalhães

Nuno Magalhães

Fotomontagem@Uma Página Numa Rede Social

A vida privada dos responsáveis políticos não deve ser alvo de escrutínio, mesmo quando estamos a falar daquele lixo não-reciclável que o Parlamento vai acumulando em algumas esquinas do edifício, aquele que nem com soda cáustica sai. Afinal de contas, se não os queremos lá temos sempre a hipótese de levantar o cu do sofá e deixar de votar na abstenção.

Contudo, emergem por vezes situações muito específicas onde aspectos da vida privada de alguns destes indivíduos nos permitem perceber algumas tomadas de posição enquanto dirigentes políticos. Ou, como é o caso, nos deixam ainda mais confusos. Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS-PP e titular indiscutível no F.C. Nãoexistealternativaàausteridade, encontra-se a ser julgado por se negar a assumir a paternidade de uma criança de 4 anos, paternidade essa que, segundo o Correio da Manhã, foi já comprovada através de 2 testes de ADN.

Este é o mesmo Nuno Magalhães que deu voz à “orientação firme de voto contra” o projecto-lei sobre a co-adopção levada ao Parlamento pelo Partido Socialista há um ano atrás. Na arena política, Nuno Magalhães defende que uma criança deve ter um pai e uma mãe. Já na sua vida privada, o centrista parece não ter problemas de ver o seu próprio filho privado do pai. Ou seja, todas as crianças devem ter direito a um pai e uma mãe, excepto o desgraçado do filho de Nuno Magalhães. E se a mãe encontrasse outra mãe para ocupar o espaço vago deixado pelo deputado? Será que virtuoso cristão se oporia com a mesma firmeza com que se opôs ao projecto socialista?

Palavra da salvação. Glória a vós Senhor!

Dia dos Não-Pais

Perto de celebrarmos o Dia da Mãe, vem-me à memória que, há uns tempos, Vítor Belanciano (jornalista do Público) escreveu sobre um grupo de cidadãos (França e Bélgica) que pretendiam criar o dia dos não-pais…

Quer-se criar um dia para tudo. Até o Dia do Cão se quis criar na Assembleia da República Portuguesa! Lembrei-me que tinha guardado, pelo seu tema absurdo, uma notícia que saiu no Espaço Público há cerca de 6 anos: [Read more…]

As crianças crescem

imagem noticias

(texto em quatro andamentos, escrito velozmente ao som de Tchaikowsky)

Para o meu primo consanguíneo Pablo Morales Redondo, falecido anteontem

Pequena introdução

Éramos 21 primos consanguíneos, filhos de cinco imãs e de um único irmão. As nossas férias ou eram na nossa quinta de Laguna Verde, sempre juntos, ou nas várias fazendas da família. Sempre juntos, agrupados apenas por grupos de idades. Pablo era o rei dos primos, o mais velho, o mais elegante, o mais sábio. Sabia partilhar a sua sã alegria com os seus pais e as suas irmãs. Ironias do destino: nasceu num primeiro de [Read more…]

Os heróis do Chile: Os pais

os heróis do Chile

The Isleys

 para o sem nome Iturra Isley, , o nosso neto, que deve nascer em breves dias, ainda dentro desta semana, filho da nossa filha Camila e o seu marido Felix Isley, irmão de May Malen….

Dentro de breves dias, o nosso sexto neto deve nascer. Na época da minha jovem paternidade, os pais varões nada tínhamos para fazer. No dia em que a nossa filha mais velha nasceu, pedi, supliquei, chorei ao médico, para estar ao pé da minha mulher enquanto nascia o bebe. Nem meio minuto de licença para estar na sala de parto. [Read more…]

A impossivel subordinação

Para Paula Iturra van Emden, que me ensinou a sentir e não apenas a pensar

1. A ideia

É quase evidente, é quase uma verdade que grita, o facto dos pequenos serem educados pelos adultos como se a eles pertencessem, como se fossem da sua propriedade, até uma coisa, diria eu. Uma coisa que deve ser estruturada conforme as formas de pensar e agir dos adultos. Um dever, o estruturar, o comportamento infantil à maneira que o adulto entende o mundo. Tenho observado ao longo dos meus anos de trabalho de campo, o facto da subordinação dos mais novos aos adultos, no lar ou nas instituições para as quais são enviados para aprenderem a teoria da cultura do seu grupo social. Uma subordinação definida por mim já há alguns anos, como a sujeição sem alternativas, na medida em que o adulto ao pretender retirar ao mais novo as várias alternativas retira-lhe, assim, a capacidade de optar. Até ao ponto de existirem adultos que escrevem o que deve ser feito, e quando, para organizar o processo de subordinação que estruture a personalidade. [Read more…]

Os meus pais não são pessoas*

Pai repreende filho

Nem sempre os adultos falam entre si das suas crianças. Quando falam fazem-no por causa duma instituição os requisitar durante o dia para avaliar o seu comportamento nos estudos, a sua conduta, o seu comportamento pessoal nas suas emoções e interacção com os outros, adultos ou crianças. Fala-se das crianças entre mãe – avó e filha – mãe, entre amigas, entre mães de crianças companheiras. O tema da conversa é sempre o comentário de o que fazer para as educar. Para as apresentar melhor perante os outros, para entender melhor as capacidades de dinamizar a concorrência com o resto da miudagem, hoje tão importante para os habilitar para a vida. Ou, fala-se das crianças entre os pais, tentando entender melhor as suas ideias e os seus objectivos. [Read more…]