Finalmente uma boa notícia

enfermeiraParece que a política do governo começa por fim a produzir os seus frutos de forma assinalável. Sobretudo no plano da sustentabilidade da Segurança Social.

As más línguas do costume diziam que os despedimentos em massa e o desemprego não ajudavam nada ao equilíbrio de contas da Seg. Social.

Essa corja de viperinos extremistas insinuava que haver menos pessoas a descontar e mais a receber (apesar de pouco estas últimas), estava para o equilíbrio das contas como um turista com destino ao Porto apanhar o comboio para Faro.

Ou que fazer emigrar a população em idade fértil não era uma boa ideia para assegurar a estabilidade do sistema e a inexistência de broken links geracionais. Vontade de maldizer está bom de ver.

Os ingleses estão muito contentes com os nossos enfermeiros.

Os alemães pelam-se pelos engenheiros que nós formámos.engenheiros

E, todos juntos, pelam-se pelos descontos que uns e outros fazem para as respectivas seguranças sociais. E pela produtividade que entregam. E pelas crianças que irão certamente contribuir para o futuro dos seus sistemas.

Entre outros assets exportamos pessoas qualificadas e férteis e isso contribui para o equilíbrio da balança, de qualquer coisa, de alguém, algures!

bebés

É ou não é uma oportunidade, cambada de velhos do Restelo?

Que ignorantes, pá!

A população de portugal diminue, como também amar

 

Longe de mim alarmar a população de Portugal. Mas as estatísticas reveladas hoje pela imprensa dizem que a população de Portugal começa a diminuir. Há três motivos, no meu ver: o primeiro, a falta de futuro dentro do país: o segundo, não há dinheiro para comer, menos ainda para pagar um parto e alimentar mais uma boca, finalmente, essa falta de futuro leva o povo a emigrar, especialmente os profissionais mais novos que não têm colocação em sítio nenhum. A licença pela que tanto lutaram é

[Read more…]

Antropologia da criança. O que era, já não sou. Ou talvez torne a ser o que era.

amanecer

Para a Sevilhana que me fez e teima em viver!

 Digo ensaio com palavras, para não aborrecer o leitor com o elegante palavrão de ensaio com conceitos, que usamos no restrito âmbito da academia. Onde moram os eruditos. Que falam das análises, como se a realidade fosse um modelo feito de conceitos. E não a experiência quotidiana da afetividade e dos tostões. Essas duas moedas de troca entre seres humanos, que acaba por formar o elo fundamental do social: a família, que ouvi comentar a um grupo de garotos e garotas, que falavam na rua. [Read more…]

Os heróis do Chile: Os pais

os heróis do Chile

The Isleys

 para o sem nome Iturra Isley, , o nosso neto, que deve nascer em breves dias, ainda dentro desta semana, filho da nossa filha Camila e o seu marido Felix Isley, irmão de May Malen….

Dentro de breves dias, o nosso sexto neto deve nascer. Na época da minha jovem paternidade, os pais varões nada tínhamos para fazer. No dia em que a nossa filha mais velha nasceu, pedi, supliquei, chorei ao médico, para estar ao pé da minha mulher enquanto nascia o bebe. Nem meio minuto de licença para estar na sala de parto. [Read more…]

Bebés vão passar a nascer com n.º de contribuinte, decretou o governo

Ao que conseguimos apurar, o número de contribuinte irá já na pontinha, sendo o seguinte diálogo uma realidade do novo quotidiano:

– Querida, querida, estou quase…. ai…… passa aí o cartão de contribuinte….

Soubemos ainda que, com a  introdução da medida, o uso do preservativo será considerado fuga ao fisco. Com efeito, a camisinha constitui impedimento a que uma futura fonte de receita se concretize, facto punível por lei.

A discriminação do Aero-Om, a gota cor-de-rosa


Soube, pelo post do Carlos do Carmo Carapinha, no 31 da Armada, que a Fernanda Câncio acha uma insuportável discriminação os pensos rápidos serem apenas da cor da pele dos brancos. E que anda a pensar em lançar uma campanha para obrigar os fabricantes de pensos rápidos a fazerem-nos também pretos, amarelados e de todas as outras cores que fazem a diversidade do ser humano.
Carlos do Carmo Carapinha aponta outros exemplos de discriminação, como o Betadine, as suturas e os pensos higiénicos. João Gomes de Almeida, no Estado Sentido, aponta os dildos e as personagens dos gelados Olá. No Blasfemias, José Manuel Fernandes considera (injustamente) que é a causa mais ridícula do ano.
Enquanto reflectia sobre este momentoso assunto, fundamental para os destinos do país e da Humanidade – qual Orçamento de Estado, qual eleições brasileiras… – lembrei-me de uma das maiores discriminações da actualidade: o Aero-OM, a milagrosa gota cor-de-rosa que se dá aos bebés quando eles estão a chorar.
E é discriminatório porque é cor-de-rosa. E um rapazinho, todo vestidinho de azul, é obrigado a tomar uma gota cor-de-rosa só porque chora? Acho escandaloso e penso que o laboratório que o produz, a OM Pharma, devia oferecer também a cor azul como alternativa.
Com a indecente discriminação do Aero-OM, Fernanda Câncio não se preocupa. Claro, aquilo é um blogue de causas fracturantes e para elas é perfeitamente natural que um menino use coisas cor-de-rosas. Desde o dia em que nasceu.

O padre apaixonou-se, e então?

Lá em Celorico toda a gente quer explicações do padre que se apaixonou por uma gaiata da terra. Mas que explicações?

Apaixonou-se, ponto, fez o que tinha a fazer, foi viver o seu amor que Cristo abençoa, não tem que dar explicações a ninguem. Olha , vi-a e fiquei como um bêbado à porta de uma taberna, sem saber se ía a sair se a entrar. Não é o que acontece a todos?

Qualquer daquelas pesssoas pode dar as explicações que espera do padre, a não ser que acreditem que o jovem padre falava todos os dias com o Senhor, o que lhe aconteceu com ele aconteceu com todos, é como um polícia vestido à paisana ao domingo, não sabe se mantem ou não a autoridade.

Querem saber como é que as pessoas se apaixonam? Isso queremos todos, a gente até se apaixona por pessoas que nunca viu, há lá explicações!

Mandem é rezar umas missas pela felicidade dos jovens, acolham-nos na vossa terra, exijam muitos meninos e ofereçam-se para padrinhos.

E, não esqueçam, naquela filosófica dúvida que nos traz os copos a mais, estamos sempre a entrar…

Os bébés ibéricos

Em 1993/4 andei por Elvas para lançar o novo Hospital. O problema é que havia na cidade uma bela maternidade (Mariana Martins)  e para haver hospital era preciso fechar a maternidade.

 

Já naquela altura o número de partos era muito inferior aos necessários para manter uma equipa de profissionais  "com mão". Foi uma luta tramada. Claro que a reacção das pessoas era contrária,  mas não podemos decidir pela emoção, tem que ser pelos números, pela experiência .

 

Tínhamos Portalegre a 60 Kms e Évora a 90 Kms, e ainda Badajoz a 15 Kms. Muitos Elvenses me confidenciaram que nos casos dificeis já íam a Badajoz, ao hospital moderno, bem equipado ali à mão. O próprio hospital de Elvas foi construído numa dimensão que levou em atenção essa proximidade.

 

Hoje já não há nenhum drama em os Elvenses irem ao outro lado da fronteira, pelo contrário, é com prazer que leio, que a Administração regional de saúde tem vários protocolos e parcerias com as autoridades fronteiriças. Só, assim, é possível comprar e manter os caros equipamentos médicos necessários à prática de uma medicina moderna e eficaz.

 

Agora é perceber que no interior do território tambem há "fronteiras" que têm que ser ultrapassadas, pois de outra maneira o SNS não é viável economicamente, nem poderá garantir os níveis assistênciais que todos necessitamos.

 

Lembro-me bem, quando se ouvia na TV telefonemas a destruir a política de saúde de um homem excepcionalmente bem preparado, Correia de Campos,  valia tudo, escutas em directo e nunca ninguem foi acusado de utilizar os telefonemas para a luta política.

 

Desde então, não há política de saúde, os lobbies e as corporações mandam novamente, está tudo à manjedoura.

 

Temos um Estado entregue a forças não eleitas democraticamente, e que têm um poder que amordaça quem quer apresentar trabalho.

 

Estão lá há muito e renovam-se sempre com o mesmo objectivo. Essas forças sabem de onde vêm as quebras do segredo de justiça e quais são as "notícias" que aparecem nos jornais e nas TVs!

 

Mas ninguem pergunta, ninguem lhes vai à mão!

 

%d bloggers like this: