O virtuosismo democrata-cristão de Nuno Magalhães

Nuno Magalhães

Fotomontagem@Uma Página Numa Rede Social

A vida privada dos responsáveis políticos não deve ser alvo de escrutínio, mesmo quando estamos a falar daquele lixo não-reciclável que o Parlamento vai acumulando em algumas esquinas do edifício, aquele que nem com soda cáustica sai. Afinal de contas, se não os queremos lá temos sempre a hipótese de levantar o cu do sofá e deixar de votar na abstenção.

Contudo, emergem por vezes situações muito específicas onde aspectos da vida privada de alguns destes indivíduos nos permitem perceber algumas tomadas de posição enquanto dirigentes políticos. Ou, como é o caso, nos deixam ainda mais confusos. Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS-PP e titular indiscutível no F.C. Nãoexistealternativaàausteridade, encontra-se a ser julgado por se negar a assumir a paternidade de uma criança de 4 anos, paternidade essa que, segundo o Correio da Manhã, foi já comprovada através de 2 testes de ADN.

Este é o mesmo Nuno Magalhães que deu voz à “orientação firme de voto contra” o projecto-lei sobre a co-adopção levada ao Parlamento pelo Partido Socialista há um ano atrás. Na arena política, Nuno Magalhães defende que uma criança deve ter um pai e uma mãe. Já na sua vida privada, o centrista parece não ter problemas de ver o seu próprio filho privado do pai. Ou seja, todas as crianças devem ter direito a um pai e uma mãe, excepto o desgraçado do filho de Nuno Magalhães. E se a mãe encontrasse outra mãe para ocupar o espaço vago deixado pelo deputado? Será que virtuoso cristão se oporia com a mesma firmeza com que se opôs ao projecto socialista?

Palavra da salvação. Glória a vós Senhor!

Adopção e co-adopção por casais homossexuais

Queria só dizer-vos, deputados que hoje chumbaram estas propostas, que o futuro vos recordará como gente que teve oportunidade de corrigir uma desumanidade e escolheu perpetuá-la. É uma carga pesada para a maioria das costas, mas vocês merecem-na bem.

Contra-semântica, co-adopção e contra-senso

dia9b_dup1

Mark Rothko, Entrance to Subway [Subway Scene],1938, Collection of Kate Rothko Prizel (http://1.usa.gov/13sD0jg)

I try to deny myself any illusions or delusions, and I think that this perhaps entitles me to try and deny the same to others, at least as long as they refuse to keep their fantasies to themselves.

Christopher Hitchens

***

Ao ler “Implementar as ações [sic] necessárias à harmonização gráfica da língua portuguesa e da terminologia técnica, nos termos dos acordos estabelecidos”, na página 59 do documento estratégico orientador Agenda para a Década (Agenda para a Década ou Agenda pára a Década?), fiquei a matutar naquilo: “harmonização gráfica da língua portuguesa”.

“Harmonização gráfica da língua portuguesa”?

Interceptar?

“Harmonização gráfica da língua portuguesa”?

Aspectos? Perspectiva? Concepção? Facções? 

“Harmonização gráfica da língua portuguesa”?

Excepcionais convertido para excecionais? Percepção convertido para perceção? Aspecto  convertido para aspeto? Aspectos convertido para aspetos?  Perspectiva convertido para perspetiva? Perspectivas convertido para perspetivas? Concepção convertido para conceção? Respectivas convertido para respetivas? Respectivos convertido para respetivos? Confecções convertido para confeções? Receptivos convertido para recetivos? Ruptura convertido para rutura? Receptiva convertido para recetiva? Facções convertido para fações? Receptividade convertido para recetividade? Respectivamente convertido para respetivamente? Receptor convertido para recetor? Infecciosas convertido para infeciosas? Excepcional convertido para excecional? Recepção convertido para receção? Rupturas convertido para ruturas?

“Harmonização gráfica da língua portuguesa”?

“Harmonização gráfica”?

“Da língua portuguesa”?

Depois de lida a Agenda para a Década (Agenda para a Década ou Agenda pára a Década? — a dúvida mantém-se), debrucei-me sobre o texto  [Read more…]

Uma oportunidade perdida

O João José Cardoso já citou aquilo que o Carlos Reis, militante do PSD, escreveu na sua página de facebook (ver post anterior). Já aqui escrevi o meu espanto pela “marcha-atrás” do PSD nesta matéria e até recordei o que sobre o tema defendia o presidente do partido. Contudo, Carlos Reis comete um erro crasso: a orientação sexual de quem quer que seja não é para aqui chamada.

No resto, discordo em absoluto deste retrocesso do PSD. Foi uma oportunidade perdida.

Co-adopção por casais do mesmo sexo chumbada no Parlamento

Assim se vê que a consciência dos deputados – de alguns deputados – é mais permeável às consequências políticas do que às necessidades das crianças.

Na reunião, uma deputada social-
democrata emocionou-se e
anunciou perante os colegas que
decidiu mudar o seu sentido de
voto de favorável para a abstenção,
depois de ter sido contactada por
estruturas do partido nesse sentido.
Segundo relatos feitos ao PÚBLICO
(a reunião decorreu à porta
fechada), o líder da bancada do
PSD, Luís Montenegro, referiu que
os deputados têm liberdade de voto
por se tratar de uma questão de
consciência, embora devam
ponderar as consequências políticas
e partidárias sobre a viabilização
do diploma.[P]

A condução deste assunto por parte do PSD, desde o pseudo-referendo até esta ameaça velada,  é vergonhosa e conducente à desacreditação do Parlamento. E os deputados, mais uma vez, demonstraram que o são do partido e não da nação. Bastam cinco, já que para coro e coreografia se arranja mais barato usando uma foto de fundo.

Funcionou na perfeição

agora

Em cheio. O método de engonha que os tristes da JSD assumiram como seu, mesmo no culminar do processo, teve o desenrolar esperado. É isto a política portuguesa. Pelo caminho constata-se, mais uma vez, que não temos Deputados da Nação mas sim deputados do partido. Demitiram-se perante a desautorização? Claro que não. A vida custa a todos e a vidinha é demasiado preciosa a quem nada mais tem. Que se lixem as crianças.

Metam-se na vossa vida

copyright_joana_villaverde_2009

Ninguém tem nada a ver com isso, mas a Joana (mãe da Carolina e da Constança) e a Patrícia casaram-se uma com a outra. O casamento foi no Alentejo, e no bolo podia ler-se liberté, égalité, fraternité. Anabela Mota Ribeiro foi falar com a família toda, e pelos vistos está tudo óptimo. «É igual. Mãe, pai. Mãe, mãe. Pai, pai. O principal para as crianças é sempre o amor.»

O referendo – ontem, hoje e amanhã:

No dia em que Pedro Passos Coelho apresenta a sua candidatura a presidente do PSD aos militantes do Norte de Portugal e um dia depois do que aconteceu na Assembleia da República, deixo aqui palavras antigas sobre o tema ditas por Pedro Passos Coelho. As mesmas que lhe ouvi num dos jantares com blogues realizado em Lisboa (e depois reproduzido na comunicação social):

 

Captura de ecrã 2014-01-18, às 02.49.31

 

É por isso que ainda não percebo o que se passou.

Um estranho referendo

Existem matérias onde o confronto “direita vs esquerda” não entra. A co-adopção é um deles. Por isso mesmo, subscrevo este artigo da deputada Isabel Moreira (do PS).

Sem que tal possa servir de justificação para o Blasfémias apelidar esta casa de “blogue neo-esquerdista”. Meu caro Amigo Rui, um blogue onde escrevem, entre outros, perigosos gajos de direita (que são leitores do Blasfémias) como o Carlos Osório, o José Magalhães ou mesmo eu, nunca será “neo-esquerdista” 🙂

O que é que a Igreja percebe de crianças?

Sim, há aqueles padres que gostam muito de criancinhas e assim. Mas tirando isso, o que é percebem do assunto?

Vamos todos entregar crianças a casais homossexuais

Tenho 2 filhas bebés, lindas. Espero que não venham a ficar órfãs enquanto são pequeninas. Se por algum azar ficassem, família e amigos seriam os primeiros a chegar-se à frente.
Mas de uma coisa tenho a certeza. Se não houvesse ninguém disponível e a solução fosse a adopção por estranhos (a institucionalização nunca), preferia mil vezes que fossem entregues a um casal homossexual (masculino ou feminino) do que à Maria Teresa Alves e ao seu marido.
No fundo, compreendo os medos da senhora, inculcada que tem sido dos fantasmas da homossexualidade pelo beatério de que certamente faz parte. Da mesma forma que compreendo a posição de Luis Villas-Boas, do Refúgio Aboim Ascenção. A ele, interessa-lhe ter um exército de institucionalizados. No fundo, é o seu ganha-pão.
No meio disto tudo, uma palavra para a maturidade democrática revelada pelo Parlamento e pela sociedade portuguesa em geral, que não dá um pataco por toda esta polémica. As suas maiores preocupações são outras e o facto de casais de homossexuais poderem vir a co-adoptar não é certamente uma delas.

Sou contra a *co-adoção de crianças por casais do mesmo sexo

Estava sossegado a tomar o meu café, depois de umas páginas sobre o Cícero e o Timeu de Platão, quando, sei lá bem porquê, comecei a ler as notícias do dia e me deparei com um título fundador (já S. Tomás de Aquino lembrava, no De Ente et Essentia e bem acompanhado pelo Estagirita, que “[q]uia parvus error in principio magnus est in fine”). Decidi, muito rapidamente, trazer de novo ao Aventar aquela que é, aparentemente, uma das mais enigmáticas bases do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90): a XVI.

Segundo o Público, «[d]epois de Áustria, Finlândia, Alemanha e Israel, Portugal é o quinto país onde a co-adopção de crianças por casais homossexuais foi aprovada». Acrescentaria que, sendo o quinto país em que a co-adopção de crianças por casais homossexuais foi aprovada, Portugal será muito provavelmente o primeiro a não saber escrevê-la. Salvo honrosas e excelentes excepções, como o Público.

Efectivamente, segundo a base XVI do AO90, «[n]as formações com prefixos (como, por exemplo […]  (co- []), só se emprega o hífen nos seguintes casos: a) Nas formações em que o segundo elemento começa por h: […], co-herdeiro […]; b) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina na mesma vogal com que se inicia o segundo elemento […]; Não se emprega, pois, o hífen […] Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal diferente […] coeducação».

Ora, sabendo nós [Read more…]