Neoliberalismo no séc. XXI: a exploração infantil e o capitalismo totalitário

HRW

É o capitalismo do deixar fazer. A selvajaria que recusa restrições ou imposições estatais que condicionem a liberdade de explorar sem freio, onde inúmeras são as grandes multinacionais que escolhem tolerar e pactuar com abusos e violações de direitos humanos para garantir o aumento dos seus lucros.

O mais recente caso chega-nos da Indonésia. A Human Rights Watch denunciou que milhares de crianças estão a trabalhar em campos de cultivo e fábricas de transformação de tabaco, sob condições severas e perigosas e perante a passividade do governo de Jakarta. Para além das tabaqueiras locais, duas nobres multinacionais ocidentais estão a lucrar com a exploração de crianças indonésias: British American Tobacco e a incontornável Philip Morris. [Read more…]

Parada e resposta

António Parada, presidente da Concelhia do PS de Matosinhos, terá afirmado, num encontro com militantes do partido, que deve abrir-se o mercado de trabalho às crianças que não obtiverem aproveitamento na escola, a partir dos 14 anos. O mesmo António Parada já tinha, aliás, conseguido resolver o problema do desemprego: bastaria levar as gasolineiras a contratar pessoas para meter combustível nos automóveis.

A relação dos políticos com o insucesso escolar é feita de dislates vários, especialmente nos últimos sete anos, o que é natural, se tivermos em conta que, a partir de Sócrates, a Educação passou a ser, declaradamente, um assunto sem importância, um território de mentiras, uma parcela do orçamento a abater.

O PS socrático procurou esconder o insucesso escolar com o cultivo do facilitismo e a divulgação de estatísticas enganadoras, tudo temperado com o marketing da Parque Escolar e da distribuição de Magalhães. O actual governo envereda por um caminho semelhante, vendo no ensino profissional/dual/vocacional uma outra maneira de disfarçar esse mesmo insucesso, obrigando, de modo velado, as crianças com dificuldades escolares a enveredar por um percurso profissionalizante, fingindo que está a criar cidadãos, quando, na realidade, está a fabricar proletários. [Read more…]

Não há Gaiatos na Casa do Gaiato

auschwitz07

Há muito que ouço dizer que a Casa do Gaiato é tudo menos o paraíso na terra para as crianças a quem o azar leva para aquela instituição. Tenho ouvido relatos estarrecedores de pessoas que sabem do que falam porque o seu trabalho é lidar com essas crianças.
Recentemente, num jantar de Natal, voltei a ouvir falar sobre o assunto. Um grupo de amigos com quem entabulei animada conversa relatou, mais uma vez, o que sabia daquelas crianças.
[Read more…]

Arremesso de Anões

arremesso anão

Admito a minha ignorância desportiva.
Nunca imaginei que uma coisa destas pudesse existir. Pelo vistos, pode. Ou melhor, pôde. Pelo menos até 1989, na Florida – USA, pois claro!
Naquele país, onde o sol brilha mais forte, embora nem sempre nasça para todos, onde todos são livres, embora muitos estejam agrilhoados, e onde todos os sonhos se podem concretizar, embora nem todos possam sonhar, naquele país, houve uma magnífica tradição que foi, vá-se lá saber por que motivo, abolida.
Pois surgiu um senhor, um republicano, deputado, eleito pela Florida, Ritch Workman (nome bastante sugestivo para um Republicano, diria eu) que defendeu o regresso dessa enriquecedora tradição que tanta falta faz para animar a malta lá do sítio. [Read more…]

Na mama do estado, o sistema dual e a reindustrialização do pote

O tal sistema dual e a lógica do chumbas vais para um curso tipo profissional têm sido tratadas pelo lado pedagógico, o que já é barbaridade que chegue, mas há pior. Coloquemos a coisa do lado da economia.

O que se pretende é por um lado poupar no ensino (muito menos professores já que a componente profissional não funciona na escola e a outra deve ficar muito abaixo dos actuais Cursos de Educação e Formação) e ganhar nas empresas, a tal reindustrialização de que fala aqui o Álvaro.

Putos a estagiar numa fábrica: se o trabalho do menino é pouco só não o aproveita quem é louco, e isto não está para loucuras. De uma assentada mete-se a canalha em pleno período obrigatório de trabalho infantil a 42 euros por mês. Como está a legislação o obrigatório poderá ir até aos 18 anos. Perfeito. [Read more…]

Banksy volta a atacar, desta vez o trabalho infantil

Um génio é um génio e chama-se Banksy. Fazendo bandeiras para a festinhas da rainha. Ah, o império globalizado é tão bonito…

via Street Art Utopia

Trabalho na infância, escola depois dos 65

 

foto de Lewis Hine

Faz agora duas décadas desde a publicação da primeira legislação em Portugal sobre trabalho infantil que reduziu significativamente os riscos para as crianças.
Mas a atual situação de crise económica pode levar a que algumas famílias recorram à mão-de-obra dos filhos “como fonte de receitas para o orçamento doméstico”, dizem especialistas.
Por outro lado, Portugal é o país da UE com a maior percentagem de pessoas a trabalhar depois dos 65 anos (uma notícia do Público de 14 /1/2012, exatamente igual a outra de 2002). Não admira, com as reformas miseráveis que têm, vergonhosas para todos nós.

Quem nos garante também que vamos ter a nossa?…
Muitos dos que têm que trabalhar depois dos 65 foram, em crianças,
obrigadas a abandonar a escola no final do ensino primário (ou mesmo antes de o concluírem)  para trabalharem no campo ou noutra atividade de forma a poderem ajudar os pais. Quase todos temos casos desses nas nossas famílias…
Deixo uma homenagem ao meu pai e a outras pessoas que aos 65 decidiram voltar à escola dando continuidade àquilo que cruelmente lhes foi negado.
Uma interrupção de décadas… Tanta vontade de aprender!