O Casal Ventoso chegou a Alvalade

Ele há gajos que me chateiam. Chateiam-me porque são do Sporting. E chateiam-me ainda mais, precisamente porque são do Sporting. Sem excepções. O gajo até pode ser meu amigo (que não é o caso, nem nunca será)  mas se é do Sportem, é um amigo chato.

Já os gajos do porto (fc, diga-se), não sei, mas gosto.  Sei que à partida e por definição não somos nem seremos amigos.  Inimizade muito útil que nos salvaguarda de chatices futuras. É gente com quem se pode entabular uma relação muito profícua. Desde logo porque não há relação possível, o que de todas as relações é a melhor. Mas, reconheço,  não são chatos. São apenas gajos  a quem me apetecia de vez em quando, isto é sempre, apertar o gasganete. Sei que o faria com alguma pena. Apesar de tudo tratam-se de gargantas  que em muitas e diversas ocasiões, sobretudo por ocasião das suas vitórias mais memoráveis, tem sempre um palavra de apreço, um cântico muito especial, para o meu Benfica. É sempre muito bonito ver o Porto inteiro cantar SLB…SLB…mais não sei o quê, precisamente naquelas ocasiões em que acabam de ganhar qualquer coisa. Em suma, demonstram inequivocamente que não seriam nada sem o Benfica.

Os tipos do  Sportem são gente ( o que já é dizer muito) que não nos merece o mínimo de atenção, mas que insiste em meter-se nas conversas. Querem o mesmo estatuto que os gajos do porto, gostariam que lhes apertássemos o gasganete mas ficam fodidos por não se lhes ligar peva. Não passam para além da nossa comiseração. Por vezes lá os deixamos entrar na discoteca, com os seus sapatinhos de berloques, cabelinho à fosga-se, pullover pela cintura e dois apelidos. Quando damos conta, os parvenues armados em parvos, põem-se a cagar sentenças a propósito de um  osso ou outro que se lhes atira. Dão-se a ares de gente e julgam que o são. Por condescendência lá se os vai aturando o  melhor que a paciência nos permite, mas ele há dias que não há pachora.

A propósito :

PUTA QUE PARIU O PAI NATAL.

Comments

  1. Carlos Loures says:

    Miguel, o seu texto fez-me rir, o que é bom logo pela manhã. Sou benfiquista desde que me conheço, mas não sou tão radical na minha aversão aos sportinguistas e aos portistas (dos primeiros, até na família os tenho de aturar; conto de ambas as espécies entre as minhas melhores amizades). Claro que compreendi que estava a ironizar, embora pelo meio tenha dito uma coisa muito verdadeira e básica – o SCP e o FCP existem em função do SLB. O SLB é o inimigo a abater; se for preciso aliam-se. E a tal deturpação portista do cântico benfiquista, mesmo quando a equipa do Benfica não está presente, é inqualificável. Quanto ao pai natal estou totalmente de acordo, embora equipe de vermelho, é um crápula de primeira.

  2. Ricardo Santos Pinto says:

    Tem piada, sim senhor. Curiosamente, os meus maiores amigos são benfiquistas, mas daqueles com quem se pode ter uma conversa decente.
    Ó Carlos, lembro-me perfeitamente das guerras dos anos 80 e 90 e da forma como Benfica e Sporting se aliaram contra o FC do Porto. No último Campeonato ganho pelo Benfica, ouvi o Estádio da Luz inteiro e os próprios jogadores do Benfica, com o Simão Sabrosa à frente, a cantar «Ó Pinto da Costa, vai pró caralho». E montes de cachecóis benfiquistas a dizer «Porto é merda».
    Espero que também aches que são comportamentos inqualificáveis. Ou estas coisas só funcionam ao contrário?
    Quanto ao resto e às nossas conversas sobre o que faltava ao Aventar, aqui está: Miguel Dias.

  3. Carlos Loures says:

    As claques são gente vagamente aparentada com o homo sapiens. Um elo perdido por alturas do babuíno… Que pena não poder embarcá-las todas num cruzeiro de férias do Titanic.
    Essa da aliança do Sporting/Benfica, lembro-me perfeitamente. Foi mais para os anos 80 e, salvo erro, foram os gentlemen das claques benfiquistas que foram a Alvalade apoiar o Sporting na recepção ao FCP. Quanto ao Estádio da Luz inteiro a cantar o tal conselho ao Pinto da Costa, não foi assim. Eu estava lá. Mais uma vez, foi iniciativa das claques – dois ou três mil energúmenos entre sessenta mil pessoas. São poucos, mas têm megafones. Ó Ricardo, mas isto era uma conversa entre lampiões. Não esperava a visita de andrades. Um abraço, Ricardo. Um bom ano para ti (desejo não extensivo ao FCP, claro).

  4. Carlos Loures says:

    P.S. – E são comportamentos inqualificáveis, claro – venham de onde vierem – Era a tal viagem no Titanic…

  5. Carlos Loures says:

    P.P.S. – E espero, Ricardo, estar entre os tais benfiquistas com quem podes ter uma conversa decente. Mesmo que seja sobre futebol.

  6. Miguel Dias says:

    Caros amigos (sim Ricardo, toda a excepção tem a sua regra) não se zanguem por minha causa. Afinal de contas o meu post é sobre o espírito natalício.

  7. Carlos Loures says:

    Seria incapaz de me zangar com alguém por causa do futebol. Não te preocupes Miguel.

  8. Carla Romualdo says:

    ó Miguel não sei se o devemos ao natal ou ao benfica, mas que gosto ter-te de novo por cá!

  9. Artur Moreira says:

    Eu, adepto orgulhoso (ainda que nem sempre contente) do SLB desde que me conheço, também subscrevo o que aqui foi apresentado. Não sei muito bem porquê, mas sempre me foi mais fácil “aturar” um portista do que um sportinguista. E a estranheza desse sentimento aumenta com o facto de eu ser natural do Porto e habitante de Gaia, o que poderia justificar uma maior “intolerância” a portistas. Quanto ao anti-benfiquismo latente de algumas pessoas, também concordo com o que foi dito. Refiro, aliás, um exemplo: tenho um colega portista que diz ficar tão triste quando o Porto perde como quando o Benfica ganha. Coitado, deve ter ficado duplamente inconsolável no último domingo…

  10. Marcos Cruz says:

    Há padrões que se repetem. É um pouco como nas praxes universitárias: o caloiro que sofre este ano descarrega no caloiro do próximo. Acontece, paradoxalmente, onde deveria imperar a razão. A quadra natalícia não é, por isso, o único atenuante nas bacoradas que o Miguel Dias não teve vergonha de aqui debitar, mas também o facto de o futebol ser tradicionalmente comentado nas quatro linhas da irrazoabilidade. Por esta altura já estarão a dizer: olha um sportinguista! E sou. Mas isso nem vem ao caso. Sempre me repugnou constatar que boa parte dos portistas fala (e precisa) mais do Benfica do que do Porto, assim como nunca encaixei porque é que para se satisfazerem plenamente com o sabor das vitórias têm de lhes acrescentar o picante da provocação aos benfiquistas. Dir-me-ão: é futebol. Para mim, é tudo menos futebol. Bem sei que o Miguel Dias não representa o Benfica. Ter-lhe-á, aliás, pelo que vejo, feito mal a mudança de Lisboa para o Porto, ou não revele o seu discurso o pior de dois mundos: o novo-riquismo benfiquista (e não estou a falar da hipoteca das receitas futuras para comprar jogadores), expresso nesta urgência absurda de sair da condição de nobreza falida para deitar os foguetes antes da festa, não vá o diabo não ser vermelho e tecê-las e trazer de volta a falência sem a festa e muito menos a nobreza; e a arrogância dos mais reles adeptos portistas, que atinge o paroxismo da imbecilidade quando se escudam numa alegada identificação do Benfica com o tempo de Salazar para fazer valer o seu ódio visceral à águia. Talvez seja apenas um caso de comoção religiosa: estamos no Natal e ele é Jesus, Luz, Di Maria… Convém é que o Miguel não se esqueça de que Aimar e mar, há ir e voltar. E posto isto também eu vou voltar à minha realidade de sportinguista descontente com o Sporting. E não suficientemente desapontado para deixar de desejar ao Miguel (e, claro, a todos os elementos do Aventar) o melhor 2010 possível.

  11. miguel dias says:

    Ensaiando a pertinência, mas sempre óbvio, amigo Marcos. É claro que eu não represento o Benfica. Já viste o que seria. É o Benfica que me representa, capice. Mas fez-me mal a mudança, reconheço.
    Desejo-te, em nome do Aventar, o melhor que 2055 te tenha para dar.
    (ps. fartei-me de rir com aquela de nobreza falida).

  12. Marcos Cruz says:

    Ah carai! Senti-te picado…

  13. miguel dias says:

    Picado é o que o Benfica vai fazer do Sportem quando vierem à Catedral. Nem com Pongolles refogados e com mais outro osso que vos atirámos- o que tem nome de sportinguista- se safam.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.