Valsa das Flores e Versos à Primavera

Na minha homenagem à Primavera, recorro a ‘Valsa das Flores’, editada por Adya Classic. E, não sendo escritor, e muito menos poeta, atrevo-me a publicar uns singelos versos, meus, à Primavera:

Oh Mãe Natureza, imploro-te com amor

Manda o Sol suave, doce e reluzente

Trazer a Primavera no matinal alvor

Para valer a este mundo carente.

Que os campos se vejam floridos,

De manhãs e tardes de mil cantares

E de misteriosos voos destemidos

De aves livres em todos os lugares.

Oh Primavera de sentidos sonhos

Volta a abençoar-me o frágil coração

E incandesce de brilho os meus olhos.

Regressa, dá aos novos as esperanças

Porque, dizia o sábio Poeta de então,

O melhor do mundo são as crianças.

Comments


  1. lindo poema,adorei.
    Paula

  2. carlos fonseca says:

    Agradeço, sensibilizado.

  3. MounaMoura says:

    Você me chega por meio de Paula, a quem você agradeceu, sensibilizado ao dizer dela: Lindo Poema. Adorei. Também eu senti-me tocada por ele. Mais: li-o ao som da Valsa das Flores em puro enlevo. Creio (pensei ainda há pouco), que ambos – e um só -, encontrando-me de braços aberto para a Primavera, partejaram uma escrita poética a que chamei Natural Orgasmo, que não cabe, neste espaço, transcrever, mas… gostaria de fazê-lo chegar a você. Diga-me como proceder.
    Afetuoso Abraço, Mouna

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.