Banco Alimentar – ‘Cor-de-Rosa’ versus Negro

Olho para as bancas dos jornais e lá estão elas e eles, os colunáveis. Com os seus dramas, euforias, ciúmes,  incestos e  trocas de namorados – mesmo com 60 ou mais anos são sempre namorados. Há casos de homens de 70 e tais, “apaixonados’ por namoradinhas de 20 e poucos anos.

Os estilos de vida dessa gente constituem matéria cujos pormenores desprezo. No entanto, confesso que as chamadas ‘revistas cor-de-rosa’ são exibidas com visibilidade tal que não se resiste à tentação de um olhar, curioso e furtivo, sobre títulos e fotografias de primeira página.

A verdade é que, no mero olhar mecânico e intuitivo, apercebo-me de serem publicações duplamente provocatórias. Primeiro, uma provocação superficial e de capa, justificadas por eficiente marketing, mas, ainda assim, de relativa importância social. Outra provocação maior, mais subtil e de indiferença social, é a ofensa à vida de outros cidadãos, em especial pobres e esfomeados, cuja existência é vivida de dramas, esses sim sérios, causados por penosa exclusão social. Trata-se, pois, de um contraste abstruso com a ‘bela vida’ de algumas personagens populares da política, do futebol, do teatro, da rádio, das telenovelas televisivas, e já agora da ‘cassete pirata’, frequentemente copulados com “tias e tios” de quem o juízo e a insensatez há muito se ausentaram. Esta ‘bela vida’ tem ainda outro efeito social perverso, semelhante ao fenómeno do cão de Pavlov, sobre algumas fracções da juventude. Ao mais ligeiro convite de ‘casting’ lá vão eles, às centenas, salivando por todos os lados mediante o estímulo de um dia se deliciarem também com morangos com açúcar, com chantilly ou mesmo morangos sem aditivo especial.

Para bem da comunidade, diga-se que há mais publicações para além dessas desprezáveis revistas. Trata-se de jornais e outras revistas que, pelo menos, relatam casos sociais graves. Ao ler a última edição do ‘Expresso’ fiquei a saber que, segundo a Dr.ª Isabel Jonet, beneficiaram dos auxílios do Banco Alimentar em 2009 mais 37.592 pessoas do que em 2008. Uma expansão da pobreza, cujos números relativos à última década reproduzo no quadro seguinte:

Pessoas assistidas pelo BACF – evolução anual

Ano Pessoas Índice
1 2000 171405 100
2 2001 183270 107
3 2002 191935 112
4 2003 200407 117
5 2004 203075 118
6 2005 216409 126
7 2006 209445 122
8 2007 232754 136
9 2008 249593 146
10 2009 287185 168

 

Fonte: Banco Alimentar Contra a Fome

 

 O incremento de 68% em 10 anos, para quem se interessa seriamente por problemas de iniquidades da distribuição de rendimento e da pobreza (estimada em mais de 1.800.000 cidadãos em Portugal), converte-se em inqualificável dimensão de desumanidade. Que pensam os nossos políticos, do poder e da oposição, da eloquência dramática deste crescimento? Não sei. Estou certo de que, a fazer fé no relato da principal responsável, Isabel Jonet, o BACF já está perto da rotura – de 79 IPSS candidatas, em Lisboa, em 2009 apenas foram aceites 4. O fenómeno é perturbador, dado o generalizado sofrimento humano que lhe está associado.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Um país a empobrecer com políticos cada vez mais ricos. O país com o maior grau de injustiça social. Os próximos dez anos sempre a empobrecer. Temos que ir para a rua e dizer, basta!

Trackbacks


  1. […] This post was mentioned on Twitter by Blogue Aventar. Blogue Aventar said: Banco Alimentar – ‘Cor-de-Rosa’ versus Negro: Olho para as bancas dos jornais e lá estão elas e eles, os colunávei… http://bit.ly/9sL6a8 […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.