Georges Devereux

Georges Devereux a ensinar em Paris, após ter vivido com os Mohave

Teoria para analisar factos do meu novo livro.

George Devereux (nascido Dobó György em 13 September 190828 May 1985) foi um AmericanFrench ethnologist e psychoanalyst, nascido no seio de uma família Jewish de Banat, Roménia. Foi um dos pioneiros da ciência da ethnopsychoanalysis e ethnopsychiatry. A sua biografia e obra podem ser lidas em:   http://en.wikipedia.org/wiki/George_Devereux .  A sua vida entre os Mohave foi tão feliz e as suas crenças de vida após falecimento tão sedutoras, que solicitou ser enterrado com os rituais Mohave e no seu campo profundo ou vale dos mortos.

O método básico da Psicanálise é a interpretação da transferência e da resistência com a análise da livre associação. O analisado, numa postura relaxada, é solicitado a dizer tudo o que lhe vem à mente. Sonhos, esperanças, desejos e fantasias são de interesse, como também as experiências vividas nos primeiros anos de vida em família. Geralmente, o analista simplesmente escuta, comentando apenas quando no seu julgamento profissional visualiza uma crescente oportunidade para que o analisando torne consciente os conteúdos reprimidos do seu Id, que são criados supostos, a partir de suas associações. Escutando o analisado, o analista tenta manter uma atitude empática de neutralidade. Uma postura de não – julgamento para criar um ambiente seguro. A descoberta da orientação do comportamento pela mente humana pelo eu, o super eu e o igual a si ou Id teve começo em 1890. Época na qual ainda pensava-se que havia dois tipos de seres humanos: os civilizados, povos que eram resultado dos progressos da humanidade na sua evolução social e intelectual: agiam com a razão que dominava ou orientava os seus sentimentos e as suas emoções, como explica em uma dezena de livros escritos na base da sua pratica psicanalítica. Essa prática foi incrementada e também dissociada pelo próprio Freud e os seus discípulos, na base das suas descobertas. Cada novo texto, trazia uma novidade. Tempos em que se pensava também sobre povos não civilizados, pensados como pessoas que não tinham razão, apenas emoções: não pensavam, agiam. O seu comportamento era conjuntural. No meu ver, como explico em outro livro meu: O saber das crianças e a psicanálise da sua sexualidade, editado por mim e aberto a público no repositório ISCTE-IULhttp://repositorio.iscte.pt/ e no repositório internacional http://www.rcaap.pt, parece-me bem ao contrário: Se os seres humanos não civilizados orientam o seu comportamento individual e social pelas emoções sem nenhuma racionalidade, as formas de vida para estruturar relações sociais, o sistema de parentesco, as formas matrimoniais, o cuidado com o saber genealógico, os monumentos totémicos e especialmente o agir ritual, religiosos e económico, não teriam essa delicadeza que obriga aos analistas estudar com cuidado as formas e processos da vida social. Para comprovar este acerto, o meu antigo amigo e colega, Georges Devereux, no Collège de France, ensinou-me a arte de entender a psicanálise que pratica a etnia Mohave que habita ao Sul dos EUA. No Sudoeste dos Estados Unidos e Noroeste do México, quatro desertos ligam-se entre si. O Deserto da Grande Bacia é o que fica mais a Norte. É um deserto frio: tem chuva em abundância e neve no Inverno. O arbusto é a vegetação dominante. Ocupa a quase totalidade do Estado do Nevada e estende-se para norte a Idaho, Oregon e Wyoming, para leste ao Utah e Colorado, e para sul ao Arizona. Ocupa uma área de 305 mil quilómetros quadrados (mais do triplo de Portugal, que tem 92 mil quilómetros quadrados). Os outros três desertos são o Mohave, o Sonora e o Chihuahua. São desertos quentes, com altas temperaturas durante o longo Verão e com vegetação típica das planícies áridas.

O deserto de Mohave começa no Sul do Estado de Nevada e desce para a Califórnia. Ocupa 40 mil quilómetros quadrados. Alberga o Vale da Morte, que é a região mais funda da América. Está 85 metros abaixo do nível do mar. Vários leitos de lagos de outrora são depósitos de sal. Joshua é a árvore deste deserto.

O deserto de Sonora cobre 193 mil quilómetros quadrados no Sul dos Estados norte-americanos da Califórnia e do Arizona, e no Norte dos Estados de Sonora, Baixa Califórnia e Sinaloa, na República do México. Inclui as regiões áridas do Colorado e de Yuma. O Colorado tem o Grand Canyon, um desfiladeiro que o rio Colorado cavou durante milhares de anos.

Por fim, o Chihuahua ocupa cerca de 322 mil quilómetros quadrados. Uma parte fica nos Estados norte-americanos do Novo México e do Texas. Mas mais de 80 por cento situa-se no México, nos Estados de Chihuahua, Coahuila, Durango, Zacatecas e San Luís Potosí. É cortado pelo rio Grande que faz de fronteira entre o Estado norte-americano do Texas e o mexicano de Chihuahua. As palmeiras yucas e os agraves caracterizam a paisagem. Só tem 8000 anos. A desertificação acentuou-se nos últimos 150 anos. Georges Devereux foi morar com eles ao longo de vários anos e em 1961 escreveu o seu livro Mohave  Ethnopsychiatry The Psychic Disturbances of an Indian Tribe, Smithonianan Institute, reeditado em 1972 e traduzido ao francês em 1996. Se os Mohave foram o povo escolhido, era por causa de ter uma teoria da mente semelhante a nossa, o que facilitava a compreensão para um austro-húngaro. A interpretação da vida dos Mohave é a partir dos sonos. A diferença entre a análise Mohave e a nossa, é pelo tipo de tecnologia e ecologia empregue e trabalhada. A vida de luta contra uma natureza não domesticada, é diferente a nossa. Entre nós, é a divisão de classe social e o império do capital como forma de produção, que marca essa diferencia. Escreve Devereux que ente os Mohave há alegria e divertimento, bondade e entretenimento. Os comportamentos considerados abomináveis entre nós, são entendidos pelos Mohave como uma iluminação xamanista, donde, não da sua responsabilidade individual. Fonte: Deverux, Georges, (1961) 1996 Ethno-psychiatie dês indiens Mohaves Synthébalo Group, Paris.

Referia o texto de Freud, Totem e Tabu. Freud nunca fez trabalho de campo, como Devereux. Retirou os dados dos estudos dos Aranda ou Arunta da Austrália, analisados por Durkheim, sem nunca citar ao pai da Sociologia. Até dá a impressão de ter retirado os seus dados de James Frazer, MacLennan e William Hass Rivers Rivers.

Os livros de Devereux não estão em linha, mas há umas introdução de Tobie Natham no livro sobre A Etnopsiquiatria dos Mohave, que pode ser lida em: http://www.ethnopsychiatrie.net/GDengl.htm Biografia e livros escritos por ele, em: http://en.wikipedia.org/wiki/George_Devereux.

Homens Mohave com vestimentas indígenas, oeste do Arizona. Timothy H. O'Sullivan, 1871

Fonte os textos de Devereux, entre os que saliento: Devereux, George. 1939. “Mohave Soul Concepts”. American Anthropologist 39:417-422.

Comments


  1. porfavor botem uq os indios vestem

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.