Coisinhas boas

Aparentemente, Maria de Lurdes Rodrigues escreveu um livro. Eu não sei se vou comprar o dito (sendo que parece que é um bocado carote) até porque tenho para ler um sobre Thomas More, a “História concisa de Inglaterra” do Travelyan que ainda aqui anda, o da Alison Weir (não perguntem, tenho cá em casa e tenho que ler), dois do Guy, e depois planeio mandar encomendar a triologia sobre a História de Inglaterra do S. Schama e o Tudor England do John Guy e tenho ainda um Dickens no meio mais dois do Orwell sem falar no Erasmus. Aliás, por falar no “Elogio da Loucura”, parece-me que este livro da Maria de Lurdes tem muito que se lhe diga. Não li por isso não posso comentar, mas posso certamente dizer que a apresentação foi no mínimo hilariante. Vi um Sócrates todo sorridente a dizer que este livro não era de maneira nenhuma uma forma da ex-ministra se tentar justificar. Isto nem me tinha passado pela cabeça mas agora que o PM falou disso é razão para suspeitar. Isabel Alçada coitadinha, nem vista nem achada naquilo tudo, lá apareceu fazendo um esforço enorme para esconder a sua expressão: vocês não me metam nesta ramboiada que eu não tive nada a ver com o que ela fez. A melhor parte foi o Dr. Mário Soares a dizer que Maria de Lurdes tinha um plano para a educação do país. Podia ser discutível, disse ele, como “são todos os planos” mas ao menos tinha o plano, alguma coisa planeada. Isto para não dizer claramente que era mau. Nem o Mário Soares conseguiu disfarçar. E quando o Mário Soares não consegue disfarçar é porque as coisas estão más.
Tenho curiosidade em ler o livro porque, tal como diz o Paulo Guinote, aprecio ficção histórica apesar de ter a vaga ideia de que isto vai ser um novo Wolf Hall mas com menos utilização do pronome “ele”.

O livro da Ministra dos analfabetos

Fará no domingo um ano que comecei a escrever no Aventar, afoitando-me com uma enorme falta de jeito a  comentar um livro de Maria de Lurdes Rodrigues que acaba de ser lançado hoje.

Cada vez me dou pior com os livros, e desculpem a inexactidão: um livro de Miguel Real intitulado A Ministra onde se ficciona a vida e má obra da anterior Ministra, agora mais vocacionada para as relações luso-americanas, vulgo ganda tacho.

Desculpem lá outra vez: Miguel Real sempre disse que se tratava de uma obra de ficção, e estou baralhado porque a ex-ministra que iniciou o processo de privatização da escola pública agora em pleno progresso mega-agrupamental, acaba de lançar um romance a que chamou “A Escola Pública Pode Fazer a Diferença“. E fazia Maria de Lurdes e Valter Lemos, fazia antes de vocês terem chegado com a missão de a reduzirem a empresa privatizável, e até rentável, pague-se aos que nelas trabalham o que vocês deixam que os municípios paguem aos monitores das AEC, faça-se dela um armazém de miúdos com vagas funções estatísticas.

Quanto ao resto, como diz o Paulo Guinote:

Que Maria de Lurdes Rodrigues deixe um livro como testemunho da sua obra é bom, excelente mesmo. Porque se tornará muito mais fácil analisar o período que ainda estamos a viver e ter alguém que assume o que (des)fez.

Está explicado

O rapaz não sabia qual o par de pernas a levar para a África do Sul e enganou-se. Par de pernas errado e treinador errado, dá no que deu.

Sozinho e em casa,…

…ele faz três revistas de culto.

O título é do jornal I e o artigo também. Luís Venegas, o autor em questão,  expõe pela primeira vez em Portugal. Se quiser conhecer o seu trabalho desloque-se, a partir de sábado, ao Estoril Fashion Art Festival. Quem disse que não há espaço para novas ideias?

PT – patético!

Temos um negócio em que 75% do capital accionista está a favor da venda e um estado, o português, que junta o que falta e quer impedir o negócio. Pateticamente, Sócrates vem com a golden share, quando já sabe que dia 16 próximo a União Europeia vai anunciar o que já todos sabem há muito tempo. As golden shares não são legítimas nem legais!

Entretanto, com a economia a entrar num período tão mau que ninguem se atrevia a antecipar, os accionistas, os tais do interesse nacional estão prontos para vender. Porquê? Porque os bancos não conseguem financiar-se, não têm dinheiro, e a Telefónica paga muito e bem. Desapareceu o interesse nacional, num golpe de magia!

O estado está a financiar-se, por favor, junto do BCE que nem é da sua missão financiar países e muito menos a tesouraria, empresta para não deixarmos de pagar o dia a dia, estamos vigiados de perto, o FMI anda por aí. Lembram-se quando se dizia aqui no aventar que as obras públicas eram um crime? pois é, agora estamos a pedir dinheiro para pagar à porteira e ao padeiro, longe vão os fumos de grandeza deste atrasado que nos governa.

Mas o Presidente da República tem muitas culpas no cartório, não faz nada, anda por aí a dizer que isto é insustentável, já sabíamos há muito tempo, ele se lesse jornais e visitasse o Aventar já tinha tomado uma atitude, agora está preocupado com a reeleição, já não faz nada e, entretanto, estamos a afundar-nos.

O negócio da PT para quem não quer meter a cabeça na areia é o negócio de ocasião, é como comprar o carro do vizinho que está “sem cheta” e um gajo compra-lhe a bomba por tuta e meia, e vai com muita sorte, se não deixa de pagar ao padeiro, vende quem está teso, compra quem tem dinheiro, e compra barato porque o país bateu no fundo.

Lembram-se do interesse nacional? Podíamos ao menos ter alguma dignidade, não ser o “bombo” da festa, usar a golden share que não vale nada, a Telefónica mantem o negócio até ao fim do mẽs porque sabe que a partir do dia 16 fica o Sócrates a tocar “harpa” e com a golden share a enfeitar-lhe a fronte de engenheiro técnico…

E ainda resta a OPA que pode avançar se e quando o “interesse nacional” estiver resolvido nos bastidores desta opereta bufa…

PS: pode-se usar a categoria “portugal arruinado”?

Sente-se mais leve?

É natural, não esteja preocupado, não perdeu peso nem a saúde anda abalada, é só a carteira. A partir deste momento (24 horas) já está a pagar tudo mais caro, desde o pão aos transportes, à saúde, à educação, à agua…

E já recebeu a pensão ou o vencimento ? Não custou muito pois não? foi só uma coisinha, mas vá deixando o mês avançar, sabe que isto está muito mau, o que vem aí é mais do mesmo, a privatização de serviços do Estado, o SNS, a educação, e você a pagar mais, há aí uns tristes que vão ao ginásio para perderem peso, é só esperar, a não ser que sejam dos que têm vencimento garantido e umas pensões, tudo ao mesmo tempo!