Aqui me detenho

(adão cruz)

Aqui me detenho nesta pedra que sentámos no dia das canções antigas lembrando a canção que não cantámos

aqui me sento frente ao mar de coração vestido com as folhas secas do desejo

olhos dentro dos olhos que não tenho na profundidade do céu que nunca vimos.

O mar não fala do passado em seu imenso painel de séculos e o sol diz-me adeus com sua mão de violeta na paisagem que não vimos.

Mesmo assim quero demorar-me na partida acariciando o tempo no sensual enrolar das ondas que explodem orgasmos eternos nas rochas nuas

quero sentir a meus pés esta manhã de lábios doces sorrindo com olhos de donzela

quero enxugar neste sol do meio-dia as lágrimas das palavras não ditas no silêncio dos caminhos.

Deste-me o mar que nunca tive e pensei outrora vê-lo aqui mas não posso ter o que não perdi nem mudar o crepúsculo pela aurora.

Comments

  1. graça dias says:

    Fruto do tempo!,
    Inspiração pascal que se adivinha!
    No traço forte do desenho
    dai o quadro!..

  2. Tevez says:

    Marina Gold , a vidente charlatona.
    Cuidado com as falsas buscas de respostas para sua vida, principalmente com esta pessoa. Não acreditem.

    • Marcia says:

      Olá porque não acreditar na Marina Gold? acabei de agendar uma consulta , qual o problema dela ?? por favor me responda?Não aguento mais ser enganada…você já esteve com ela ?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.