Os três tristes e os Homens da Luta


– Não é uma canção para representar Portugal na Eurovisão – afirma o Calvário.

– A RTP devia “enviar canções com um cariz mais étnico” – tossica o Cid.

– Onde é que estão os poetas e os músicos do meu país? – pergunta a Oliveira, Simone.

Não há pior surdo do que aquele que não quer ouvir. Três representantes do nacional-cançonetismo* (enfim, o José Cid nem tanto) aflitos só pode ser bom sinal. A Luta é Alegria. No ano de Portugal na UEFA, vamos ver se a inteligência repete o feito na Eurovisão.

Circo já temos, e pão não vai haver. Siga para bingo.

* Nacional-cançonetismo, expressão consagrada na década de 70 para designar o que hoje chamamos pimba.

Comments

  1. J. Alberto Santiago says:

    Apesar de Oliveira rimar com Carreira só por ignorância se pode comparar a Simone com o Tony.


    • Não é por ter cantado 2 ou 3 poetas que a Simone se livra de ter sido a rival da Madalena Iglésias (que por acaso até cantava melhor, embora normalmente as cantigas fossem mais fraquinhas).

  2. Francisco Vieira says:

    Só por desconhecimento ou desatenção se pode afirmar que o “nacional-cançonetismo” é o equivalente actual da música pimba.
    “Nacional-cançonetismo” era sobretudo um tipo de música ligeira mais popular e neutra por oposição a um tipo de ‘música de intervenção’ política.
    Comparar Simone de Oliveira a José Cid ou mesmo Tonicha a Emanuel e Toy revela que não se conhece o panorama musical português daquele tempo.
    Dizer que a música dos “homens da luta” é música, bom, há gostos para tudo. E se quiserem levar aquilo ao Festival da Eurovisão levem talvez seja a ‘música’ adequada para exportrar e mostrar à Europa e ao Mundo uma parte da ‘play lis’t dos gostos dos “pedintes europeus”.


    • Música ligeira? pois pois, j. pimenta.
      Música mais popular e neutra? A única que podia passar na rádio tinha que ser popular.
      Ou mesmo a execrável Tonicha do zumbanuncaneco?
      Zumba.

  3. Nuno Castelo-Branco says:

    Pois arrisco-me a dizer que nada me admiraria se este ano a RTP ganhasse a coisa. São diferentes, farto-me de rir e está tudo profissionalmente estudado, desde o cabelo a dar um ar de oleoso, até às roupas dos anos 70, etc. Muito bom.

Trackbacks


  1. […] lembro-me perfeitamente do «Adios, adios, aufwiedersehen, goodbye» (uma canção eminentemente étnica); ou da magnífica canção da Sabrina que representou Portugal na semi-final de 2007 e cuja letra […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.