Atenção, há um elefante na sala

Chegámos ao fim da primeira semana de campanha. Na sala, estão José Sócrates, Passos Coelho e um elefante que se chama troika. Passos Coelho começa por acusar Sócrates de andar a esconder nomeações, que não são publicadas em Diário da República por ordem do governo. Sócrates responde a Passos que não existem nomeações de manhã, mas, à tarde, lá vai dizendo que afinal foram nomeados seis governadores civis. Passos pede mais explicações. O elefante boceja. Sócrates diz que Passos quer fazer política de casos. Passos garante que afinal o que se anda a esconder são gastos públicos. Cita relatórios. O elefante mexe-se na cadeira. Sócrates ensaia uma aula de economia: transferências entre organismos do Estado não aumentam o défice – é tirar de um lado e pôr no outro. Passos responde com a falta de transparência. Agora, são as contratações. Sócrates está indignado, chocado ou com qualquer outro estado de espírito perturbador. O elefante olha para o relógio, no respeito dos prazos democráticos, antes de entrar em cena: vai ter de estar na sala com aqueles dois pelo menos mais uma semana. No entretanto, o tema passa a ser o aborto. Passos votou sim no referendo à Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG), mas considera necessário reavaliar a lei. Sócrates percebe que a intenção do líder do PSD é a de voltar atrás na lei. Sócrates está novamente indignado, chocado ou com qualquer outro estado de espírito perturbador. O elefante começa a ficar impaciente e ausenta-se, por momentos da sala, para reavaliar um novo empréstimo à Grécia e passar os olhos nas últimas do caso DSK. Na sala não há casos – daqueles que envergonham a política e que são esmiuçados pela comunicação social até ao ponto do condenável – há casosinhos. E não é com casosinhos que se esconde um elefante.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.