Cavadela no pé

Não sei o que dói mais, se os já habituais tiros no pé, se a falta de jeito para lidar com enxadas, perdão, com uma desempregada.

Constata-se que além de pastilhas para a rouquidão nesta campanha também há quem precise de ansiolíticos.

Comments

  1. jorge fliscorno says:

    Por falar em enxadas, um dado curioso. Nasci e vivi na Figueira da Foz, onde também estudei e trabalhei algum tempo. É costume lá na região contratar pessoas para trabalhar à jorna quando há trabalho que tal justifique, sobretudo na sementeira e na colheita do arroz. A questão é que não há pessoal para contratar. Os jornaleiros recebem entre 50 e 70 euros ao dia, conforme o serviço e conforme se é homem ou mulher (não é sexismo; um homem a cavar vinha tem um rendimento bem diferente).

    Não sei, nem quero saber, qual é a situação da mulher do vídeo. Nem vou começar com o discurso do “vão trabalhar malandros”. Apenas pretendo sublinhar que há trabalho quem ninguém quer. O caso que descrevo, conheço-o na primeira pessoa.

Trackbacks


  1. […] que nunca desistem de uma jogada. O jovem Passos Coelho apesar de ser, ainda, uma promessa, mostra qualidades que lhe garantem um futuro auspicioso, havendo fortes probabilidades de vir a praticar este desporto ao mais alto […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.