Quem é o Luís Fazenda?

Uma frase descontextualizada do Luís Fazenda, que começou uma explicação com uma pergunta, provocou grande efervescência no clube de amigos do Daniel Oliveira. Alguns responderam com esta pergunta. Penso não cometer nenhum inconfidência se lhe der uma resposta.

Luís Fazenda foi o tipo que, enquanto secretário-geral da UDP, um belo dia telefonou a um tal de Fernando Rosas, solicitando-lhe que intermediasse um encontro com a direcção do PSR. Obteve da direcção do PSR resposta afirmativa e  a sugestão de, já agora, nesse mesmo encontro participar a Pollítica XXI.

E assim nasceu o Bloco de Esquerda. Na sua convenção fundadora, deu nas vistas, pelos piores motivos, acho eu, um tal de Daniel Oliveira, esse sim, personagem de que nunca tinha ouvido falar (está bem, sou da província, mas ando nisto há muitos anos).  Mas isso é outro filme.

Entendidos?

Comments


  1. A amnésia é uma coisa fodida.


  2. Onde?


  3. Já agora para o autor do post… repare que apesar de tudo Daniel Oliveira está na foto, sempre esteve com o BE desde que eu me lembro deste ter nascido e nunca fui próximo do grupo… não sou da província, moro a 2000 km de Lisboa e até aqui o Daniel é mais conhecido do que Fazenda contrariamente à sua província..

  4. miguel dias says:

    So what?


  5. do seu post ficou-me uma curiosidade:
    – onde é que o (quem é) luis fazenda obteve o número de telefone do fernando rosas para esse telefonema histórico? ( porque essa deve ter sido a grande proeza).

    depois da curiosidade, só um esclarecimento: à pergunta “quem é luis fazenda” você responde “quem foi luis fazenda”: foi o tipo que…”, e com isso só está a dar razão a quem pergunta “quem é luis fazenda”.

  6. kaouz says:

    Sempre votei no BE, excepto nas últimas eleições (ah, e nas presidenciais não me revi no candidato apoiado pelo BE e pelo PS). É triste que, perante questões e argumentos, como os que apresentou Daniel Oliveira, que são simplesmente um convite à reflexão, uma certa linha – pelos vistos, a que se está a tornar dominante – no BE, assuma a posição do “Quem está mal muda-se”, evitando de todo o diálogo e a discussão interna. Luís Fazenda escusou-se a considerar dignas de análise as considerações de Daniel Oliveira com esse excelente argumento de que ele era um ninguém no partido. O Daniel é um militante. Eu sou menos do que isso. Apenas um eleitor. O Luís Fazenda pode aplicar a mesma questão a todos os que, tendo anteriormente votado no BE, não o fizeram nestas legislativas: “Quem é o Armando? o Mário? a Luísa? etc.” O BE, que tinha como uma das suas nota distintivas relativamente ao PC a democracia interna, parece comprazer-se agora com o seu próprio enquistamento auto-iluminado. O que é pior são estes tiques autoritários e esta atitude de purga. Não se espantem se deixarem de ter, mais dia menos dia, qualquer representação parlamentar.


    • O que tem sido criticado ao DO é muito simples: se tem ideias diferentes da direcção do BE que as proponha e vá a votos. É verdade que já o fez uma vez, e teve 11 (se a memória não me falha).
      Não é que eu o diga, porque não tenho autoridade moral para isso, vai para um a dúzia de anos que desisti de militar no BE.
      Mas se o DO for a votos até pago as quotas em atraso.

  7. Manuel Guimarães says:

    … e eu que me interroguei detidamente, das razões da perda do Bloco, até “tropeçar” com esta explicação. Está perfeitamente esclarecido o motivo da baixa. Ainda bem que me apercebi, pois numa próxima votação já não me interrogo tanto. Votar ou não no BE? Está visto que está fora de questão.
    Mas fiquei a conhecer o Luís Fazenda. Um fracote…


  8. Obviamente que o problema é que o Daniel Oliveira é imensamente popular e mais popular que alguns dirigentes do BE. Por ser tão popular, soa aos olhos de muitos como um “importante membro do BE” ainda que seja, como tantos outros, um militante. Quem não se lembra da polémica aquando da moção de censura em que as diferentes TV’s apontavam DO e o Rui Tavares como vozes do BE que não concordavam com a moção, quando um é um militante entre tantos e outro nem militante é?

    Por isso tendo a ter alguma calma com as declarações de Luis Fazenda. DO é um militante e seria bom que fosse visto como um militante, que pode opinar, que deve opinar, cuja opinião é realmente válida e pode realmente ajudar a construir algo melhor para o BE. Mas será bom que a comunicação social deixe de se espumar com as declarações do DO. Só isso…