Há 50 anos, a invasão

Quando Soares visitou Goa, uma cerimónia esperava-o no Palácio do Hidalcão e as necessárias formalidades protocolares foram cumpridas.

Ao ver a bandeira portuguesa subir no mastro, um velho goês, ostentando as suas condecorações dos seus tempos de servidor do Estado Português da Índia, disse a quem o quis ouvir, neste caso os milhões que na altura seguiam o telejornal da RTP:

-“Há trinta anos que esperava por este momento!”

Como já se tornou habitual, Soares regressou de Goa, Damão e Diu, declarando-se “espantado” pela ainda tão forte presença nacional naqueles territórios. Se isso lhe serviu de lição às balelas ocas que o Esquema vigente propala, ou contribuiu com algo que pudesse acarinhar aquelas gentes e manter os laços culturais com a antiga pátria, essa é uma outra questão. Aliás, nem sequer é questão, pois não existe.

Comments

  1. maria celeste d'oliveira ramos says:

    E eu vi na TV um velhotinho andrajoso à porta de sua casa a cair de velha e de pobre, que levantava no ar o que orgulhosa e tristemente guardou – uma nota dos velhos escudos, do País que o abandonou – Abandonar e cortar são as palavras portuguesas actualmente mais usadas, que nem o brasilês faz confundir com outras, actualmente alienadas também – é um “fato”

  2. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Soares não recebe lições de ninguém – soares só dá lições

  3. Nuno Castelo-Branco says:

    Bem sei que é politicamente “incorrecto”, mas a verdade é que andam a mentir-nos há demasiado tempo e enquanto isso, as nossas raízes são impiedosamente cortadas. Quase parece ser um plano minuciosamente traçado.

  4. Zuruspa says:

    A tugalhada muito se tem de espantar. Em Malaca existe uma comunidade portuguesa que se implantou cerca de 1930, e que irredutivelmente tenta manter a língua e as tradiçöes portuguesas. A “Festa de San Juang” por exemplo, é bastante conhecida em toda a Malásia.

    E que apoios têm de Portugal? ZERO!

    Há vezes em que penso que o pior inimigo da Língua Portuguesa säo… os portugueses!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.