Quatro Minutos sobre o Vale do Tua, o Douro, o Património de Toda a Humanidade

Chamei a atenção [antes das eleições] para os perigos que corria a região Património Mundial do Douro (…)”, Francisco José Viegas, Secretário de Estado da Cultura.

Qual destas palavras não perceberam?


  1. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Quanto aufere de regalias este senhor para chamar a atenção de que nem sequer me lembro ter feito – quando jornalista o que fez ? achou o quê ?? nada achou – só perdeu – mandem este senhor para casa

    • Antes escreveu isto:

      Francisco José Viegas … antes de ser Secretario de Estado da Cultura
      Ler – Livros & Leitores, nº 97 – Dezembro de 2010, p. 27

      “O IGESPAR acha que a Linha do Tua não tem relevância cultural enquanto património a classificar. Ou seja, não possui “valor arqueológico, arquitectónico, artístico, científico ou tecnológico e industrial”. Provavelmente, há alguma razão nos seus argumentos. Uma parte dela ficará debaixo de água quando a EDP construir uma barragem na foz do Tua com o Douro. O IGESPAR pode decidir e dar pareceres sobre o assunto – mas devia providenciar para que não desaparecesse uma das mais belas paisagens portuguesas – que pudesse ser vista e a comover os seus visitantes. A paisagem (a do Tua incluída) é um dos mais importantes patrimónios portugueses. O betão, as auto-estradas e as barragens têm vindo a destruí-la. Os portugueses acham que a paisagem
      é coisa de doidos que não vivem neste mundo; o mundo deles é uma paranóia”.


      de qualquer forma penso que não será de maltratr muito… pode ser que tenha um rebate de consciencia


  2. caros amigos

    este documento é a conclusão do ICOMOS
    sobre o impacto da barragem de foz tua na classificação do Douro Património Mundial..

    a partir daqui e do que vier a suceder .. cada um tire as devidas conclusões..

    quem não se preocupa com nada .. vai chegar a um ponto em que quando precisar que alguém se preocupe com ele .. já não há ninguém

    …..The Foz Tua Dam Project – ICOMOS
    . Summary and conclusions
    Regarding the proposal of the State Party as regards the creation of the Foz Tua Dam Development (FTDD) set in the cultural landscape of the Alto Douro Wine Region (ADWR), we can only but conclude that this will have an irreversible impact and threaten the OUV of the property.
    1) The State Party’s statement that the transformation of the landscape proposed is identical to that which has already been experienced along the Douro valley, although evidently of a much smaller dimension
    25 , cannot to be taken into account for past doings can in no way justify present actions.
    2) The FTDD intervention area lies outside the WH property26: we have demonstrated above that this is not so, but that the area intervened affects fully the WH property.

    3) The FTDD is not considered to be visually intrusive because the valley morphology will remain, whilst the “elegant shape of the Dam itself of broad/monumental scale, will create an impressive mark on the visual horizon of the observer, exposing land
    uses that outline the scenery27 ”, that will attenuate all visual negative impact. We have demonstrated above that the building of the FTDD would mean a major impact on the ADWR which would imply a loss of its OUV, and serious threats to its authenticity and integrity.

    4) The FTDD is considered to be “quite visually contained due to the physiographic and morphologic characteristics of this section of land in the Tua valley, thus granting a relatively restricted visual basin without causing any changes to the current land use in the largest proximity of the Douro River28 ”. Even if we might agree that this is so with the dam, all the other structures, including the lines for energy transportation that are still not represented in the plans, do impact most negatively on a wide area of the WH property, as demonstrated in the photomontages presented above.

    5) The project contemplates a high number of mitigation and compensatory measures expected to compensate the environmental impacts of the FTDD, which aim to maintain environment in the Tua valley in good conditions and boost opportunities, namely in what concerns sustainable development in the region. Compensatory and potentiating measures for the region include the creation of projects that can maintain the memory of the cultural and natural heritage affected by the dam as well
    as develop equipment to influence the economic development at local level (a museum in Foz Tua, a Regional Development Agency, and a Regional Natural Park). Compensatory measures, even if they have to be revised in the light of the Management Plan, are not the point, but rather if the FTDD should be built at all, as even The State Party says that “according to the results of the ecological and visual analysis the landscape presents a high value29
    It is acknowledged that the State Party, together with EDP, has changed several times the
    project presented regarding the FTDD so as to reduce the impact detected in the Environmental
    Impact Assessment. However, as the Impact Assessment did not consider impact on cultural
    heritage assets or on the attributes of OUV, the revised plans cannot, for all the reasons
    aforementioned, be considered to respect the landscape of the Alto Douro that has been
    inscribed on the World Heritage List. This section of the Tua Valley “has high scenic and
    ecological values in relation to the cultural and biophysical parameters that characterize its
    structure and dynamics30
    ”, all of which contribute towards OUV and the construction of the
    FTDD will impact adversely and irreversibly on the values of authenticity and integrity and OUV
    of the property.
    On the other hand, though we note the efforts made by the State Party in drafting a project to
    minimize the impacts of the FTDD, we believe that UNESCO Guidelines regarding “specific
    reports and impact studies each time exceptional circumstances occur” (par. 169 of the
    Operational Guidelines), has not been followed as “notice should be given as soon as possible
    (for instance, before drafting basic documents for specific projects), and before making any
    decisions that would be difficult to reverse, so that the Committee may assist in seeking
    appropriate solutions to ensure that the OUV of the property is fully preserved” (par. 172).
    Furthermore an impact assessment should be carried out to assess the potential impact of
    projects on the OUV of the property, in line with Guidance on Cultural Heritage Impact
    Assessments for World Heritage properties, 2011.

    We consider that the State Party needs to review its National Programme of Dams for High
    Hydroelectric Power Potential taking into consideration when evaluating the possible 25 projects
    the heritage issues at stake, and any potential impact on a World Heritage site. Any other
    future dam development in the Douro basin included in this National Programme that might
    impact on the WH property should be equally revised.
    b) A Retrospective Statement of OUV
    This statement for the property should be prepared that can act as the basis for any futureimpact assessments.

    c) Management Plan
    The Management Plan handed in for the nomination of the property (2000) is not being put into
    action, because it is “a tool that hardly connects the public entities, as its guidelines to increase
    efficacy lack transposition to the Municipal Director Plans in the scope of their revision
    procedures which has been revealed as a particular slow procedure
    As stated in the “The Foz Tua Hydrolectric Project and the Alto Douro Wine Region Cultural Landscape”, November
    2010, handed in by the State Party.
    ”. Furthermore, in the specific case of the FTDD, it did not foresee the return to the projects of the dams especially
    after the events associated to the Coa dam that caused the suspension of work as a result of great archaeological discoveries. Therefore, the guidelines established in it are not being followed as it is considered non-operative and outdated. This means that, though the overall state of conservation is fine, this is so thanks to the guidance of other government bodies, to the
    private owners who are conscious of their heritage and by a sort of “conservation inertia”. As
    long as there is no operative Management Plan and an agency enabled to put this into action,
    the conservation of the site is not effectively guaranteed. Therefore,
    the revision of the
    Management Plan
    (bringing it up to date so that it really becomes a management tool) should
    be a priority, as well as creating a managerial office with competencies to direct it.
    In this Management Plan,
    special provisions should be made for the protection of the
    , as was already stated in the ICOMOS’ nomination evaluation regarding the
    Management Plan as it “refers only to the core zone nominated for inscription and makes no
    provision for protection and management of the buffer zone […] this address the issues of
    controlling development in the buffer zone”.
    um abraço amigos

    • Há anos que estão alertados

      até Manuel Maria Maria Carrilho.. quando estava Na Unesco alertou Sócrates, Mexia e o Ministro dos Neg Estrang



      Dados a memorizar e fixar:

      Antes da Barragem do Tua avançar, Carrilho avisou Sócrates e Mexia e o Min dos Negócios Estrangeiros das possíveis consequências relativamente à UNESCO


      http://www.tvi24.iol.pt/programa/4322/94 (Mover botão na horizontal até ao minuto 42)

      Recordo também o Alerta de Nuno Melo

      Sem esquecer o papel fundamental .. próprio de uma heroina.. MANUELA CUNHA

      Agora não venham dizer que os responsáveis são os que alertaram os irresponsáveis

  3. e depois .. não é só a barragem e a destruição da linha e vale do tua.. é otransporte de energia os cabos eos postes de muito alta tensão a atravessar o Douro património da humanidade e não só nosso


    Alijó, Carrazeda de Ansiães, São João da Pesqueira, Tabuaço e Armamar.
    Nas Juntas de Freguesia de Castedo, São Mamede de Ribatua, Castanhedo, Pinheiros, Sta Leocádia, Aricera, Coura, Soutelo, Nagozelo do Douro, Ervedosa do Douro, São João da Pesqueira, Gastanheiro do Sul, Távora, Tabuaço, Chavães, Vale de Figueira e Barcos

    6 de Dezembro de 2011 a 31 de Janeiro de 2012


    já há muito que alertámos mas ninguém queria acreditar .. ou pelo menos dar-se ao trabalho de pensar .. já vinha no plano estratégico da REN

    tenho conhecimento de fonte fidedigna que está em consulta publica :

    Está aberta a consulta publica à ligação da linha de Alta tensão Tua- Armamar 400KV como já havia sido denunciado – o crime no Douro não é só fisicamente a barragem.

    Mais uma vez ,alguém , ontem mentiu (ou omitiu) no impacte que diz ser de 0,00012% sobre o património da Humanidade.

    Vão esperar que coloquem os cabos de alta tensão a atravessar o Douro Património Mundial … ou vão colaborar na consulta publica..

    aqueles que conhecem bem o Douro .. sabem onde o fazer e como


    ou ficam “colaborantes” à espera do facto consumado????????????????????????????

    e enquanto não têm os cabos de alta tensão por cima das vossa cabeças,e enormes postes nos vossos terrenos , quintais ou quintas ..

    leiam e informem-se dos prejuízos e dos riscos para a saude e porque é que ninguém os quer


    6 de Dezembro de 2011 a 31 de Janeiro de 2012, nos seguintes locais:

    Agência Portuguesa do Ambiente
    da Murgueira, 9/9A – Zambujal – Apartado 7585 – 2611 – 865 AMADORA

    Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regionatdo NoÉe
    Rainha Dona Estefânia n.o 251 – 4150-304 PORTO

    Câmaras Municipais de Alijó, Carrazeda de Ansiães, São João da Pesqueira, Tabuaço e Armamar.
    Nas Juntas de Freguesia de Castedo, São Mamede de Ribatua, Castanhedo, Pinheiros, Sta Leocádia, Aricera, Coura, Soutelo, Nagozelo do Douro, Ervedosa do Douro, São João da Pesqueira, Gastanheiro do Sul, Távora, Tabuaço, Chavães, Vale de Figueira e Barcos pode apenas ser consultado o Resumo Não Técnico, encontrando-se, tambem, disponível no site do APA em (www.apambiente.pt).”

  4. Alto Douro Vinhateiro Património Mundial


    João Dinis


    com uma vénia e um abraço ao Jõao Dinis

    A 14 de Dezembro fez dez anos que a UNESCO consagrou o Alto Douro Vinhateiro como Património Mundial.

    O Alto Douro Vinhateiro deve continuar a ser Património Mundial mas em primeiro lugar também deve ser património dos Durienses e de Portugal.

    Assim, os principais construtores do Alto Douro Vinhateiro – os pequenos e médios Vitivinicultores Durienses (e os assalariados agrícolas) – também devem obter benefícios concretos com a classificação da UNESCO.

    Porém, só nos últimos 10 anos – afinal tantos anos quantos tem o Património Mundial – acontece que os rendimentos dos Vitivinicultores Durienses baixaram muito, muito mesmo, e baixando os rendimentos dos Vitivinicultores é toda a Região Demarcada do Douro que perde e que baixa de nível de vida.

    Ora, é esta tendência que é urgente inverter.

    Para isso, é necessário que aumentem os preços à Produção dos Vinhos do Douro e do Generoso/Porto. É necessário que os pequenos e médios Vitivinicultores tenham mais “Benefício” – quantidade de Mosto de Uvas do Douro que cada Lavrador ou empresa pode anualmente transformar em Vinho Fino ou Generoso/Porto. E, entre mais coisas, é também necessário que a Casa do Douro – a histórica instituição da Lavoura Duriense – seja respeitada e apoiada pelos Órgãos de Soberania, e não continue a ser vítima de destruição oficial e oficializada, o que só tem contribuído para abandonar e sujeitar a Produção à “ditadura” de interesses das grandes casas exportadoras do Vinho do Porto.

    Ora, há organizações representativas como a AVIDOURO, Associação dos Vitivinicultores Independentes do Douro, e a CNA que têm reclamado isso mesmo e que continuam a reclamar ao Governo um Plano de Emergência para acudir à Região Demarcada do Douro e à Vitivinicultura em especial.

    Outras organizações há que falam sobre o Douro mas, aí, uma vez de dez em dez anos; que como pouco ou nada percebem sobre o Douro em resumo dizem aquilo que outros interesses ( os das empresas exportadoras) lhes sugerem que digam. Aliás como infelizmente têm feito os principais governantes de há já alguns anos para cá…e como tendem para fazer os actuais governantes.

    Quanto ao programa já divulgado para se assinalar institucionalmente os 10 anos do Alto Douro Vinhateiro como Património Mundial, apontamos duas grandes contradições:

    – A primeira é que vão participar algumas entidades e alguns intervenientes, tais como antigos e actuais governantes, que têm pesadas responsabilidades pela situação de grave crise em que se encontra mergulhada a Região Demarcada do Douro.

    – A segunda é que os Vitivinicultores e suas organizações mais activas estão a ser excluídos desse programa.

    Ora, isso é muito mau sinal. É sinal de que, assim, não se defende ou promove nem o Alto Douro Vinhateiro nem toda a Região Demarcada do Douro. E que, tal como está concebido, o programa das “comemorações” dos 10 anos do Alto Douro Vinhateiro como Património Mundial, pode vir a ser um desfile de conversas floreadas mas, as mais das vezes, em torno do “sexo dos anjos” …


    Compete ao Estado e ao Governo tudo fazerem para salvaguardar os vários interesses em presença:- o ambiente, a paisagem, a produção de energia e de regadios, o património mundial, a linha de caminho de ferro do Tua e a Vitivinicultura da região. E isso é possível caso o Governo não ceda aos interesses económicos da grande indústria hidro-eléctrica.

    16 Dezembro 2011

    João Dinis

  5. http://o-antonio-maria.blogspot.com/2011/12/parar-barragem.html

    Parar a barragem!
    O crime do anterior governo prossegue com a subserviência do actual perante os piratas de sempre

    protestaram por o homem não ser ministro mas nem para director tem competencia

    ler mais em


  6. EDP China: O teu novo futuro

Deixar uma resposta