Morrer só

(Foto: Paulo Vene)

Continuamos chocados com a morte de tantos idosos sós que veio a conhecer-se nas últimas semanas.

Só no ano passado, foram 44 os cadáveres que ficaram nas morgues sem que ninguém os reclamasse.
No dia 5 de Fevereiro, na capa do PÚBLICO, apresentava-se uma reportagem sobre este tema da seguinte maneira: «Idosos que nada fizeram para não morrer sós» (li várias vezes esta frase…copiei bem).
Foram muito infelizes as palavras utilizadas pela edição do Público. Parecem-me muito pouco «jornalísticas».
A reportagem procurou dar a conhecer a história do homem com 92 anos que morreu sozinho em Miragaia (Porto) e a história das duas irmãs de 74 e 80 anos da freguesia das Mercês (Bairro Alto, Lisboa).


As jornalistas perguntam “O que significa conhecer alguém? ” (uma boa questão).
Vou apenas referir-me à história das duas mulheres lisboetas. Uma história contada pela senhora da pastelaria – que sabia que uma delas gostava de salgados de chourição; pelo senhor da oficina de automóveis que comentou que as irmãs comiam uma pizza em saldo todas as quartas-feiras; pelos vizinhos que as viram crescer; pela costureira; pela secretária da junta de freguesia; e pela funcionária do centro de saúde. Todos juntos relataram um pouquinho da vida daquelas mulheres que aparentemente não tinham família.
As jornalistas que não conheciam os factos ( tanto como esta gente), julgaram, rotularam e sentenciaram as irmãs e o velho António: “nada fizeram para não morrer sós”. «Nada fizeram»?

Estes casos fazem-nos pensar. Esta frase que critico e não compreendo vinda de jornalistas, levou-me a colocar as coisas de outra maneira: o que fizeram estas pessoas que eram, afinal, a única « família » destes idosos? Não fez a Manuela, a Maria Jesus e o António parte do quotidiano de quem contou pedaços da sua história? (Não quero criticá-los, mas não podemos dizer «eles não fizeram nada para serem queridos ou aceites pelos outros»).
O que faz a sociedade e o Estado para evitar este tipo de situação? O que faz cada um de nós? A pergunta, penso eu, também tem que ser feita neste sentido. Mais neste que no outro…
Viver só pode ser uma opção, mas escolhe-se morrer só? Acho muito difícil.

E fico a pensar numa coisa mais: a vida de Manuela, da irmã e de António parece que nunca interessou a ninguém, porém, a sua morte deu que falar, pensar e originou uma reportagem, notícia de primeira página de jornal!?…

Comments


  1. morrem 300 portugueses por dia e 3 por dia aqui no hospital
    dos 1000 e poucos que morrem por ano ou são trazidos já mortos 90% estão acima dos 50 anos e morrem todos sozinhos ou chegam mortos com pouco acompanhamento

    se só ficaram 44 sem que ninguém os reclamasse num ano é pouco

    em 81-83 iam a enterrar só em 3 municípios 120 a 150 cadáveres não reclamados por ano

    e morriam mais cedo…

    em 2005 ou 6 morreu um comido pós-mortem pelos ratos num 1º andar em frente à misericórdia de Lisboa

    gerações de natalidade reduzida e emigração…produziram 15% de velhos solteiros e viúvos sem filhos em 2 milhões

    dá 30.000 com uma mortalidade de 10/1000 para a população em geral

    dá pelo menos 300 velhos com poucos laços familiares a morrerrem ao ano

    não são os outros velhos que os vão carpir

    e esperar empatia de filhos de primos ou de sobrinhos ocasionais é não perceber muito da natureza humana…

    criar laços com quem cheira a mijo e não se lava é extremamente difícil


  2. Boa reflexão.
    A solidão na morte é o prolongamento da solidão em vida. E, na maioria dos casos, ser solitário é uma fatalidade. Poucas vezes é opção. As sociedades europeias, envelhecidas, são mais marcadas por um folclore comunitário, a propalada sociedade civil, de conteúdo hipócrita e escassamente solidário.

  3. Luís Saraiva da Silva says:

    Ao que me parece, a frase foi infeliz, pois o que se pretenderia dizer talvez fosse…idosos que nada de mal fizeram para morrer sós.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.