Dia dos namorados, nada de pieguices

Carta do Canadá: Lá fora e cá dentro

por Fernnanda Leitão

Ensina-me a experiência que é prudente não acreditar em pessoas que, para enriquecerem o curriculum, proclamam repetidamente que são “africanistas”.  Na prática são colonialistas de mentalidade e actos. Ficou-lhes agarrada à pele, na sua passagem pelas colónias, uma atracção encantada pelo capataz de roça. Em geral, de tudo fazem (ou julgam fazer) uma roça.

O famoso vídeo que deu a volta ao mundo, aquele minuto de conversa sussurrada entre o Ministro das Finanças de Portugal e o seu homólogo da Alemanha, cuja linguagem corporal só por si dizia tudo de servilismo e diplomacia de cócoras, vem confirmar as suspeitas que se agigantam seis meses depois da entronização do actual governo que,dizia ele, vinha para salvar os portugueses das garras da maldade  da exploração e da mentira. Escusa o cómico de serviço ao  regime, seja o governo qual for, bolsar que é o contrário disto, nos programas que os contribuintes andam a pagar, porque ninguém lhe dá crédito,também a ele.  De resto, a confirmação da bajulice vem do chefe do governo, e seus acólitos,quando trombeteia que “nós vamos além da troika”. É o que se chama querer mostrar serviço, “custe o que custar”, e está  custar fome, miséria, privação e desespero a largos milhares de portugueses, que vêem a Pátria a sucumbir às mãos de agiotas. Já pela Europa fora peritos sensatos sublinham que a receita autoritária da chanceleira Merkel não cura países aflitos, antes os mata, mas o primeiro ministro fabricado na jota mantém-se irredutível na sua fidelidade canina. Nem a opinião contrária do FMI o demove na sua obediência babada àquela Adolfa. [Read more…]

Uns cortam nos Feriados…

Outros cortam no Domingos.

À espera dos bárbaros

– Que esperamos na ágora congregados?
Os bárbaros hão-de chegar hoje.
– Porquê tanta inactividade no Senado?
Porque estão lá os Senadores e não legislam?
Porque os bárbaros chegarão hoje.
Que leis irão fazer já os Senadores?
Os bárbaros quando vierem legislarão.
– Porque se levantou tão cedo o nosso imperador,
e que faz sentado à porta da cidade,
no seu trono, solene, de coroa?
Porque os bárbaros chegarão hoje.
E o imperador espera para receber
o seu chefe. Até preparou [Read more…]

De regresso a Alvalade, Sá Pinto em breve deve sair depois de andar à porrada pela enésima vez


Todos sabemos que o novo treinador do Sporting, Ricardo Sá Pinto, resolve o problema sempre da mesma maneira: à bordoada. Foi assim quando Artur Jorge não o convocou para a Selecção Nacional, foi assim quando foi expulso no último jogo da sua carreira (que melhor forma de terminar uma carreira recheada de êxitos?), foi assim da última vez que saiu de Alvalade depois de bater em Liedson.
Por isso, não devemos esperar que a sua passagem pelo Sporting dure muito. Quanto ao Domingos, estou com ele. Ainda gostava de ver o caixote do lixo dos verdes.

Telefonema de Domingos a Vítor Pereira

Vitor Pereira, treinador do Porto

– Pá, é bem feito para o Pinto!

– Quem? O Presidente?

– Não! O ! Agora é que eu o quero ver ao estaladão com o Americano… Aquele, o… Como é que ele se chama?

– Polga?

– Não! Esse é do Paraguai? O outro. O que tem nome de telemóvel… Oniduo ou lá o que é… Mas, o nome não interessa! O que vai ser bacano vai ser o Pinto à cabeçada com ele.

– Quem? O Presidente?

– Porra! Tu és mesmo burro! Olha lá. Esse Pinto já te ligou?

– Quem? O Presidente?

– Sim. Esse! Já te ligou?

– Ligou. Pediu-me para ir comprar pão quente para a Brasileira.

– Ah… OK… Mas…

– Mas, porque é que perguntas?

– Por nada! Era só para saber se amanhã arranco pela 222 ou se me fico por Leça…

Manolis Glezos continua a lutar contra a ocupação alemã

O senhor que está a ser agarrado pelo colarinho tem 89 anos. O polícia que o está a agarrar terá idade para ser seu filho ou seu neto. O senhor chama-se Manolis Glezos e, em 1941, durante a ocupação alemã, retirou a bandeira nazi da Acrópole, tendo, posteriormente, passado por um calvário de prisões e torturas, entre alemães, italianos e colaboracionistas gregos (que, também naquele tempo, já existiam). Setenta anos depois, ei-lo, ainda, a lutar contra um país manhoso, disfarçado de Europa. A Europa tem de ser outra coisa. Se é para ser a mesma, mais vale hastear outra vez a suástica.