O não caso…

(…)”Mas caramba! Não pode ser sempre a sorte. Quando as pessoas percebem que o que estamos a fazer está bem feito; então devemos persistir, ser exigentes, não sermos piegas e não termos pena dos alunos, coitadinhos,  que sofrem tanto para aprender. Nunca conheci um aluno que anos mais tarde louvasse os professores que facilitassem ou que não tivessem cumprido devidamente a sua missão.”(…)

Perceber melhor AQUI

Académica de regresso ao Jamor

A Académica gosta muito do Jamor em anos de crise. Preferia que fosse contra o Benfica, temos velhas contas para ajustar, seja com quem for da final da Taça de Portugal ninguém nos tira.

Por falar em Carnaval

“Pelas ruas de Burgau”

Photo©Pedro Noel da Luz

Vai viver um ano com o salário mínimo e depois falamos: Manuel Braga da Cruz

O reitor da Universidade Católica Portuguesa (UCP), Manuel Braga da Cruz, apelou ontem à “revisão do sistema de financiamento” do ensino superior, defendendo um aumento das propinas a pagar pelas famílias  (…) o reitor defendeu que “a sociedade, as empresas, as famílias, e os estudantes têm responsabilidades inalienáveis” e não podem empurrar “para as costas do Estado a obrigação quase exclusiva de financiar a universidade”.

O reitor defendeu que o actual modelo de financiamento é insustentável e “discrimina pela negativa” as universidades privadas, dando como bom exemplo o Reino Unido, que aplicou um “corajoso aumento de propinas para o nível do custo real”

 

Por falar em piegas

Blogues do Ano 2011, um prémio extra

Durante o Concurso Blogues do Ano 2011 surgiu uma proposta da Bubok que só agora se concretiza, surpresa, porque a comunicação por vezes falha e andámos um bocado perdidos nas semanas anteriores.

Prémio final: o livro dos blogues do ano 2011, a partir de textos que cada um dos vencedores seleccionará, dentro do publicado em 2011. Desde já pedimos que nos contactem, o que facilitava o processo.
Uma colectânea que antes de sair já foi lida, com textos dos melhores blogues de 2011, e que teremos muito prazer em divulgar.

Explicar a paixão pelo futebol

Há imagens que explicam de forma bem simples o que é o futebol!

Morrer só

(Foto: Paulo Vene)

Continuamos chocados com a morte de tantos idosos sós que veio a conhecer-se nas últimas semanas.

Só no ano passado, foram 44 os cadáveres que ficaram nas morgues sem que ninguém os reclamasse.
No dia 5 de Fevereiro, na capa do PÚBLICO, apresentava-se uma reportagem sobre este tema da seguinte maneira: «Idosos que nada fizeram para não morrer sós» (li várias vezes esta frase…copiei bem).
Foram muito infelizes as palavras utilizadas pela edição do Público. Parecem-me muito pouco «jornalísticas».
A reportagem procurou dar a conhecer a história do homem com 92 anos que morreu sozinho em Miragaia (Porto) e a história das duas irmãs de 74 e 80 anos da freguesia das Mercês (Bairro Alto, Lisboa).

[Read more…]

Leonard Cohen: Villanelle For Our Time

Pela amarga busca no coração

Acelerada com paixão e com dor

Levantamo-nos para jogar um papel maior.

Esta é a fé da qual partimos:

Os homens conhecerão o bem comum de novo

Pela amarga busca no coração.

Amámos o fácil e o esperto

Mas agora, com mais aguda mão e cérebro,

Levantamo-nos para jogar um papel maior.

Partem as lealdades menores

E nem raça ou credo restarão

Pela amarga busca no coração.

Não nos guiando pela carta venal

Que enganou as massas pelo ganho privado

Levantamo-nos para jogar um papel maior.

Remodelando a estreita lei e arte

Cujos símbolos são milhões de assassinados,

Pela amarga busca no coração

Levantamo-nos para jogar um papel maior.

Letra; F. R. Scott
música: Leonard Cohen

Como Filmar uma Revolução

Pode ser que isto venha a ser necessário nos próximos tempos.

 
[Read more…]

Mais um primeiro-ministro cábula e piegas

Pedro Passos Coelho foi dar uma aula e acusou os portugueses de serem piegas.

De caminho demonstrou uma profunda ignorância em coisas de senso comum, quanto mais de economia: pregar que a tolerância de ponto do Carnaval equivale a “dividir o PIB pelos dias de trabalho” além de ser de tolinho em geral é de tomar os outros por tolos em particular: o governo apenas pode mandar trabalhar a função pública (que não tem exactamente uma actividade produtiva), o privado rege-se por acordos de trabalho que na maior parte dos casos contemplam o dia como folga e nem vale a pena repetir que produtividade não significa trabalhar mais, mas sim produzir mais, coisa completamente diferente.

Ainda debitou uns disparates sobre a Grécia, logo quando se acaba de saber que a dívida pública cresceu durante o seu governo, e não foi pouco, e crescerá ainda mais, rumo à bancarrota final. Se ainda não percebeu porquê pode ler qualquer manual básico de História do séc XX, está lá tudo muito bem explicado.

Antes de dar aulas podia ter estudado a lição. Haja rigor, exigência de trabalho, imposição de sacrifício aos alunos, e temos mais um primeiro-ministro chumbado. O resto é pieguice.

Orquídeas IV: Cymbidium

Hoje vamos mostrar um Cymbidium.

Cymbidium, Orquídea
Cymbidium, Manuel Lourenço (Vila Nova de Gaia, Portugal)

Este género é hoje bastante comum nas varandas das nossas casas, mas começou por ser uma planta de outras paragens: das montanhas da Índia e da Ásia e também são muito frequentes na Austrália e na Califórnia.

Uma haste pode ter um número muito variado de flores, que têm também formas, cores e dimensões muito diversas.

E a ligação que sugerimos hoje remete para um site australiano. Espreite. Vai gostar.

A decisão do STA e o Processo 01.03.02 do Gabinete do Ministro das Finanças

MINISTÉRIOS TÊM DE REVELAR AS DESPESAS DOS GABINETES

O Supremo Tribunal Administrativo (STA) deu agora razão à pretensão da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), formulada no tempo de Sócrates, e nunca atendida pelo governo anterior nem pelo actual. Está em causa a divulgação pública de despesas de cartões de crédito, telefones, pagamentos de despesas de representação e de subsídios de residência; divulgação essa que deve ser cumprida na sequência da Directiva Europeia N.º 2003/98/CE, de 17 de Novembro, transposta para a ordem jurídica portuguesa através da Lei N.º 26/2007, de 24 de Agosto.

Acrescente-se que, como foi sublinhado pelo Juiz António Martins, presidente da ASJP, “o acesso aos documentos administrativos é um direito que assiste a todos os cidadãos”.

PROCESSO 01.03.02 DO GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

Justamente a coberto da citada Lei, Artigo 5.º, ou seja, do direito que o Juiz António Martins me diz assistir, entreguei um requerimento em 12/12/2011 – Entrada n.º 9368, a que o Gabinete do Ministro atribuiu o n.º de Processo 01.03.02, no sentido de me ser facultada fotocópia de um documento administrativo relativo a um estudo salarial encomendado pelo Estado e naturalmente pago pelos contribuintes.

[Read more…]

Não Sejas Piegas, Ó Zé

NO PAÌS DOS CHORÕES, VIVEMOS DE NIQUICES E PINTELHOS

Apesar do que o título e sub-título deste texto podem sugerir, no lugar do senhor Primeiro Ministro eu teria usado termos mais duros e cáusticos.

Na verdade vivemos num País de chorões. Damos relevo a niquices e “pintelhos” (razão tinha o antigo Ministro) e os dirigentes políticos, sindicalistas e afins, jogam com as palavras e com alguns factos para distorcer a realidade e com isso poderem ganhar alguns beneficios.
Vivemos num País onde nunca nada está bem, desde que tenha sido feito ou deixado de fazer por alguém que não seja da nossa cor política, religiosa ou clubística.
A frase “é mau porque tem cão e é mau por o não ter” aplica-se com toda a propriedade ao pensamento constante dos  nossos concidadãos.
Ninguém gostou que o senhor Primeiro Ministro nos dissesse para deixarmos de ser piegas. Mas na realidade nós não somos muito mais que isso. [Read more…]

Hoje dá na net: Andrei Rublev de Andrei Tarkovsky

Andrei Rublev, parte um.

Ficha IMBD. Legendado em inglês.

Segunda parte: [Read more…]

Mudança de Regime

O João Cardoso, em dia de lua cheia, anda muito entretido com as atrocidades cometidas pela ditadura de Elizabeth II. Ditadura é lá, a senhora não foi a votos e isso é ditadura, claro. Então que seja isso a ditadura. Mas não te esqueças, JJC, no dia que fores botar o voto na urna, do tipo de regime vais estar a eleger. Democraticamente, claro.

Ainda sobre sua majestade

Em Portugal toca-se na Isabel, a senhora que para todos os efeitos é chefe de estado da ilha e seu império há 60 anos e é blasfémia. Desde o séc XIV debaixo da pata britânica, não admira. Quando visitou Salazar foi um corropio no beija-mão.

Então troquemos os Sex Pistols pelos U2. Sim, ditadura (regime no qual um governante se perpetua até que a morte do seu povo o separe), e criminosa, sangue espalhado pelo planeta, 60 anos ungida por nascimento e um tio nazi. Querem mais música? africana, asiática, ou a dos corajosos irlandeses chega?